Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 25 Julho de 2017

Programa inoportuno



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

A paquera entre o advogado e a bacharel, ambos trabalhando numa grande banca de Advocacia - com feições de empresa - já durava mais de um mês, mas sem resultado prático. Até que combinaram se encontrar em badalada discoteca da avenida Goethe. Ali, após momentos e libação de epidérmico convívio, o novel par concluiu que o conveniente seria o rumo de um motel.
 
Avenidas Cristiano Fischer, Ipiranga, Cavalhada etc. foram varadas sem sucesso. Era madrugada de  noite veranil, motéis lotados e - pior - ainda com meia dúzia de carros na fila.
 
- Eu não vou me expor, aguardando
- sentenciou a bacharel.
 
Antevendo que a "presa" lhe escaparia, o advogado propôs:
 
- Conheço uma rua pequena, escurinha, com segurança, meu carro tem ar condicionado - claro que não é o motel que mereces, mas garanto que vai ser bom...
 

Ela topou e os calientes convivas tomaram o rumo do Partenon. Em minutos, passaram às preliminares e, após, às profundezas. Mas não contavam com o imprevisto: uma senhora, tripulando seu próprio carro, no rumo de sua casa próxima, por temor de assalto deu meia-volta e foi buscar dois soldados num quartel da Aparício Borges.
 
Cinco minutos depois - em pleno momento "x" do ato sexual - os PMs bateram com os cassetetes nos vidros do carro, um de cada lado. Transa interrompida!
 
Depois foi o vexame de um chá-de-banco na antessala do delegado gozador. E meses depois, o advogado e a bacharel viram-se processados pela prática de crime de ultraje público ao pudor. "Foi um ato sem explicação racional" - calcou o Ministério Público.  
 
A constrangedora conjunção fez com que o advogado e  bacharel quase se odiassem e o namoro não deslanchasse. Ela procurou emprego em outra banca advocatícia. Denunciados no Juizado Especial Criminal, ambos tiveram condenações.
 
Os defensores dos dois réus eram diferentes. O que defendia o jovem advogado se conformou, admitindo que a condenação (multa, de pequeno valor) era branda e, assim, liquidava o processo.  A profissional que defendia a bacharel seguiu insistindo com a tese de que "em rua escura, no recôndito de um automóvel com os vidros fechados, manter discreta relação sexual com discreção não constitui ilícito penal".
 
A Turma Recursal foi benigna: "não ofende o pudor público a relação sexual dentro de um automóvel, somente perceptível com a aproximação junto ao veículo". O apelo foi provido para absolver a apelante e estender os efeitos ao corréu.
 
Os dois personagens são agora cordiais amigos. Sempre que se encontram, a bacharel dá uma alfinetada:
 
- A mulher é um ser superior!...
 



Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Gerson Kauer

É dando que se recebe...

 

É dando que se recebe...

O advogado papão, com muito jeito e cautela, tenta se aproximar da juíza linda – ambos solteiros. Na segunda-feira, numa audiência, há troca de olhares. Na quinta, ele é atendido para “conversar sobre um processo”. Atos finais: um tapa na cara e voz de prisão...

Charge do Kauer

A rifa íntima

 

A rifa íntima

 Ao atender uma possível nova cliente para uma “causa de família”, o advogado porto-alegrense – bem instalado em prédio classe A - se surpreende com a pretensão da chamativa visitante. Ex-gerente de vendas, desempregada, ela agora dedica-se a serviços prestados de cama...

Charge de Gerson Kauer

Assédio no quartel

 

Assédio no quartel

Ao elaborar as escalas de trabalho, o superior hierárquico tinha como um de seus objetivos que a simpática e recém recrutada soldado da Brigada Militar se transformasse no “anjinho celestial” dele. Custou caro!

Gerson Kauer

Impasse conjugal

 

Impasse conjugal

O cidadão sofreu grave acidente de trânsito e sua masculinidade foi danificada. O médico assegurou-lhe que a ciência moderna poderia devolver a virilidade, mas que o seguro-saúde não cobriria o procedimento. A esposa teve decisiva participação na decisão.

Gerson Kauer

Primorosa carreira na televisão

 

Primorosa carreira na televisão

Atores e principalmente atrizes que buscavam trabalhos em novelas e programas de tevê passavam por um constrangimento: aceitar, ou não, “fazer nu”. É que “a emissora não aceitava tatuagens, nem marcas na pele”. Depois, vinha um outro tipo de assédio. Antonieta, uma das vítimas, já foi indenizada: R$ 30 mil.

Gerson Kauer

O ilustre e ignorante magistrado

 

O ilustre e ignorante magistrado

O que significam as palavras reproduzidas na charge acima, que o advogado – velha ´raposa´ das lides jurídicas – desfechou, repetidas vezes, contra o juiz que presidia o tribunal do júri?...