Ir para o conteúdo principal

Terça-feira , 23 de Agosto de 2016.

Programa inoportuno



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

A paquera entre o advogado e a bacharel, ambos trabalhando numa grande banca de Advocacia - com feições de empresa - já durava mais de um mês, mas sem resultado prático. Até que combinaram se encontrar em badalada discoteca da avenida Goethe. Ali, após momentos e libação de epidérmico convívio, o novel par concluiu que o conveniente seria o rumo de um motel.
 
Avenidas Cristiano Fischer, Ipiranga, Cavalhada etc. foram varadas sem sucesso. Era madrugada de  noite veranil, motéis lotados e - pior - ainda com meia dúzia de carros na fila.
 
- Eu não vou me expor, aguardando
- sentenciou a bacharel.
 
Antevendo que a "presa" lhe escaparia, o advogado propôs:
 
- Conheço uma rua pequena, escurinha, com segurança, meu carro tem ar condicionado - claro que não é o motel que mereces, mas garanto que vai ser bom...
 

Ela topou e os calientes convivas tomaram o rumo do Partenon. Em minutos, passaram às preliminares e, após, às profundezas. Mas não contavam com o imprevisto: uma senhora, tripulando seu próprio carro, no rumo de sua casa próxima, por temor de assalto deu meia-volta e foi buscar dois soldados num quartel da Aparício Borges.
 
Cinco minutos depois - em pleno momento "x" do ato sexual - os PMs bateram com os cassetetes nos vidros do carro, um de cada lado. Transa interrompida!
 
Depois foi o vexame de um chá-de-banco na antessala do delegado gozador. E meses depois, o advogado e a bacharel viram-se processados pela prática de crime de ultraje público ao pudor. "Foi um ato sem explicação racional" - calcou o Ministério Público.  
 
A constrangedora conjunção fez com que o advogado e  bacharel quase se odiassem e o namoro não deslanchasse. Ela procurou emprego em outra banca advocatícia. Denunciados no Juizado Especial Criminal, ambos tiveram condenações.
 
Os defensores dos dois réus eram diferentes. O que defendia o jovem advogado se conformou, admitindo que a condenação (multa, de pequeno valor) era branda e, assim, liquidava o processo.  A profissional que defendia a bacharel seguiu insistindo com a tese de que "em rua escura, no recôndito de um automóvel com os vidros fechados, manter discreta relação sexual com discreção não constitui ilícito penal".
 
A Turma Recursal foi benigna: "não ofende o pudor público a relação sexual dentro de um automóvel, somente perceptível com a aproximação junto ao veículo". O apelo foi provido para absolver a apelante e estender os efeitos ao corréu.
 
Os dois personagens são agora cordiais amigos. Sempre que se encontram, a bacharel dá uma alfinetada:
 
- A mulher é um ser superior!...
 



Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

   O homem sem cuecas

 

O homem sem cuecas

Ao se preparar para a audiência de instrução, o juiz se deparou com uma situação inusitada: a petição inicial afirmava que o reclamante não podia usar cuecas no trabalho e era obrigado a ficar totalmente nu durante as revistas. E às vezes, tinha que se abaixar...

Charge de Gerson Kauer

Romântico à moda antiga

 

Romântico à moda antiga

Segundo o juiz, enquadrar o sentimento e as investidas românticas do reclamado – sobre sua empregada doméstica - como assédio sexual “seria uma pena demasiadamente pesada, pois, se assim fosse, todos os homens teriam que fugir das mulheres para evitar problemas com a Justiça”.

Charge de Gerson Kauer

Sentenças da vida

 

Sentenças da vida

Em um coquetel promocional do lançamento de um novo produto de argentário banco, de repente surge um cidadão bem vestido, nariz empinado, puxando assunto: “Muito prazer, eu sou o Doutor Menezes, magistrado aposentado!”...

Charge de Gerson Kauer

Voyeurismo na academia de ginástica

 

Voyeurismo na academia de ginástica

Vidrado em fitness, o homem se exercitava seis vezes por semana. Abandonado pela namorada, pretendeu protestar contra as mulheres – e o fez de forma insólita. Pôs seu celular a gravar imagens no banheiro feminino. Foi flagrado e... 

Charge de Gerson Kauer

Impotência sexual não é risco de vida...

 

Impotência sexual não é risco de vida...

Para o juiz de primeiro grau, a falta de virilidade masculina não dá direito a medicamentos por conta do Estado, ainda mais em tempos de grande crise. Mas para o tribunal, “a prática sexual conjugal é garantia fundamental – e não um direito meramente programático”.