Ir para o conteúdo principal

Terça -feira ,06 de Dezembro de 2016.

O repouso de Barbosa e Mendes; e a saída de Cármen Lúcia



Jornais e saites brasileiros repercutiram, ontem (7) imagens do dia anterior (6, segunda-feira), quando os ministros Joaquim  Barbosa e Gilmar Mendes cederam ao cansaço e por alguns minutos fecharam os olhos. "Dormiram!" - avaliaram alguns.

"Não! Estão apenas repousando" - disseram outros. E houve também quem sustentasse que, atentos, mas de olhos fechados, os dois escutavam as sustentações, ora interessantes, ora fastidiosas.

Ontem, o frisson foi a ausência temporária da ministra Cármen Lúcia. Os ministros do STF indeferiram por unanimidade o pedido realizado pelo advogado José Carlos Dias, defensor da ré Kátia Rabello.

Na abertura da segunda parte da sessão o advogado alegou a impossibilidade de prosseguimento da sessão devido à ausência da ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha.

No encerramento da primeira parte da sessão, antes do intervalo, a ministra anunciou ao plenário que se ausentaria para se dirigir ao Tribunal Superior Eleitoral, corte por ela presidida, e, em seguida, anunciou que assistiria às gravações das sustentações orais que se seguiriam.

O presidente do STF, Ayres Britto, argumentou que, mesmo com a ausência da ministra Cármen Lúcia, o plenário manteria o quórum regimental para deliberar. Destacou que a própria ministra fizera questão de dizer que "se inteiraria das sustentações orais fazendo uso da gravação da sessão".

Ao submeter o pedido do advogado à Corte, o ministro presidente adiantou que se pronunciava pelo indeferimento do pleito, sendo que foi acompanhado pelos demais ministros.

O advogado José Carlos Dias foi, depois, queixar-se ao presidente nacional da OAB.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Cresce número de estagiários com mais de 40 anos

Em Mato Grosso, 6.504 pessoas se habilitaram no Poder Judiciário do Estado, sendo 224 acima da casa dos 40 anos; desses, 44 foram aprovados. O índice de candidatos com mais idade cresceu 15% de 2014 para 2015; e 21% em 2016.

Veja o vídeo em que presidente da AMP-RS ataca a OAB

Gravação feita durante evento organizado pela Ajuris mostra também a afirmação feita pelo promotor Sérgio Hiane Harris, dizendo que o prefeito eleito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior “votou a favor da corrupção”.

Improbidade administrativa de duas estagiárias

Elas iludiam clientes da Caixa Federal, para fazer saques ilícitos em contas-correntes. O STJ definiu que “os estagiários que atuam em órgãos e entidades públicas, ainda que de modo transitório, com ou sem remuneração, podem ser classificados como agentes públicos”.