Ir para o conteúdo principal

Terça -feira ,06 de Dezembro de 2016.

O homem duro, com coração de pedra - Artigo de Gilberto Ferreira



Por Gilberto Ferreira,
professor da PUC e juiz de Direito em Curitiba (PR)

 
O rei Sabius Justus era um homem muito duro e tinha um coração de pedra. Governava o seu povo com extrema rigidez e não admitia a mínima desobediência à lei. Partia do princípio de que os seus súditos eram livres para escolher entre o bem e o mal. Escolhido o mal, isto é, a transgressão, havia de se abater sobre o infrator toda a desgraça da pena, independentemente das circunstâncias em que o fato fora praticado.

A
s leis do reino eram severíssimas. O furto era punido com a perda de um dos braços. O roubo, com a de dois braços e o assassinato, com a morte do infrator, por enforcamento ou degola.

U
m dia chegou às suas mãos o apelo de uma mulher que fora presa sob a acusação de ter furtado um pão. A defesa argumentava que a mulher, tendo filho pequeno a amamentar, não poderia trabalhar, tendo praticado o furto apenas para matar a fome.

O rei, despachando de próprio punho, exarou o veredicto: "o furto de um pão é o mesmo que o de um milhão de reales. Tanto num, quanto no outro caso, a lei foi violada. No caso, com uma agravante. A mulher tinha filho, não poderia lhe dar o mau exemplo. E, por esse plus, mando que lhe corte também a língua!".

Lendo a decisão, o capelão invocou a clemência de Deus para a mulher, mas o rei apenas respondeu recitando um antigo e surrado ditado: dura lex sed lex - A lei é dura mas é a lei.

A vida seguiu o seu curso. O rei gostava de luxo e mandou construir nas proximidades de seu trono um assoalho especial, feito com madeiras importadas altamente sensíveis às pisadas dos mais desavisados. E para proteger a beleza daquele piso decretou: "é proibido pisar no assoalho com sapatos. O infrator será punido com a pena de morte".

Claro que os súditos iam até ao trono descalços. Entretanto, sucedeu-se que o filho mais velho do rei, estando muito gripado e não podendo ficar descalço, resolveu visitar o pai sem tirar os sapatos.

Um guarda prendeu-o e foi comunicar o fato ao rei.

- Veneranda Alteza, prendi um rapaz que, desobedecendo as leis reais, pisou no assoalho sem tirar os sapatos.

- Execute o rapaz. Dura lex sed lex.

O rapaz foi levado para a sala de execução. Em seguida, outro guarda veio até o rei trazendo um dos sapatos do infrator

- Veneranda Alteza, o rapaz saiu esperneando e deixou cair um de seus sapatos. Achei que Vossa Veneranda Alteza poderia ter interesse em examinar o objeto do crime.

O rei pegou o sapato e logo reconheceu que se tratava do sapato de seu filho mais velho. Mais observou que na sola havia uma grossa camada de veludo que não só protegeria o assoalho, como o deixaria muito mais reluzente e bonito.

F
oi aí que o rei concluiu que o fundamento de sua norma não havia sido violado e que o rapaz nenhuma transgressão cometera, embora tivesse agido literalmente contra a lei.

Então, pela primeira vez em toda a sua vida, o rei voltou atrás, chorou e mandou libertar o rapaz imediatamente.

Mas já era tarde. A pena capital já havia sido cumprida.

Dura lex sed lex!

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Veja o vídeo em que presidente da AMP-RS ataca a OAB

Gravação feita durante evento organizado pela Ajuris mostra também a afirmação feita pelo promotor Sérgio Hiane Harris, dizendo que o prefeito eleito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior “votou a favor da corrupção”.

Cresce número de estagiários com mais de 40 anos

Em Mato Grosso, 6.504 pessoas se habilitaram no Poder Judiciário do Estado, sendo 224 acima da casa dos 40 anos; desses, 44 foram aprovados. O índice de candidatos com mais idade cresceu 15% de 2014 para 2015; e 21% em 2016.

Improbidade administrativa de duas estagiárias

Elas iludiam clientes da Caixa Federal, para fazer saques ilícitos em contas-correntes. O STJ definiu que “os estagiários que atuam em órgãos e entidades públicas, ainda que de modo transitório, com ou sem remuneração, podem ser classificados como agentes públicos”.