Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 24 de Junho de 2016.

O homem duro, com coração de pedra - Artigo de Gilberto Ferreira



Por Gilberto Ferreira,
professor da PUC e juiz de Direito em Curitiba (PR)

 
O rei Sabius Justus era um homem muito duro e tinha um coração de pedra. Governava o seu povo com extrema rigidez e não admitia a mínima desobediência à lei. Partia do princípio de que os seus súditos eram livres para escolher entre o bem e o mal. Escolhido o mal, isto é, a transgressão, havia de se abater sobre o infrator toda a desgraça da pena, independentemente das circunstâncias em que o fato fora praticado.

A
s leis do reino eram severíssimas. O furto era punido com a perda de um dos braços. O roubo, com a de dois braços e o assassinato, com a morte do infrator, por enforcamento ou degola.

U
m dia chegou às suas mãos o apelo de uma mulher que fora presa sob a acusação de ter furtado um pão. A defesa argumentava que a mulher, tendo filho pequeno a amamentar, não poderia trabalhar, tendo praticado o furto apenas para matar a fome.

O rei, despachando de próprio punho, exarou o veredicto: "o furto de um pão é o mesmo que o de um milhão de reales. Tanto num, quanto no outro caso, a lei foi violada. No caso, com uma agravante. A mulher tinha filho, não poderia lhe dar o mau exemplo. E, por esse plus, mando que lhe corte também a língua!".

Lendo a decisão, o capelão invocou a clemência de Deus para a mulher, mas o rei apenas respondeu recitando um antigo e surrado ditado: dura lex sed lex - A lei é dura mas é a lei.

A vida seguiu o seu curso. O rei gostava de luxo e mandou construir nas proximidades de seu trono um assoalho especial, feito com madeiras importadas altamente sensíveis às pisadas dos mais desavisados. E para proteger a beleza daquele piso decretou: "é proibido pisar no assoalho com sapatos. O infrator será punido com a pena de morte".

Claro que os súditos iam até ao trono descalços. Entretanto, sucedeu-se que o filho mais velho do rei, estando muito gripado e não podendo ficar descalço, resolveu visitar o pai sem tirar os sapatos.

Um guarda prendeu-o e foi comunicar o fato ao rei.

- Veneranda Alteza, prendi um rapaz que, desobedecendo as leis reais, pisou no assoalho sem tirar os sapatos.

- Execute o rapaz. Dura lex sed lex.

O rapaz foi levado para a sala de execução. Em seguida, outro guarda veio até o rei trazendo um dos sapatos do infrator

- Veneranda Alteza, o rapaz saiu esperneando e deixou cair um de seus sapatos. Achei que Vossa Veneranda Alteza poderia ter interesse em examinar o objeto do crime.

O rei pegou o sapato e logo reconheceu que se tratava do sapato de seu filho mais velho. Mais observou que na sola havia uma grossa camada de veludo que não só protegeria o assoalho, como o deixaria muito mais reluzente e bonito.

F
oi aí que o rei concluiu que o fundamento de sua norma não havia sido violado e que o rapaz nenhuma transgressão cometera, embora tivesse agido literalmente contra a lei.

Então, pela primeira vez em toda a sua vida, o rei voltou atrás, chorou e mandou libertar o rapaz imediatamente.

Mas já era tarde. A pena capital já havia sido cumprida.

Dura lex sed lex!

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Com dívidas de R$ 65 bilhões, Oi pede recuperação judicial

A maior empresa de telefonia fixa no Brasil perdeu participação no mercado desde a compra da Brasil Telecom, em 2009. É o maior pedido de recuperação judicial já protocolado no Brasil, recorde que pertencia à OGX, de Eike Batista, com dívidas de R$ 11,2 bilhões.

Depois dos “bandidos de toga” de 2010 a 2012...

...Novas denúncias envolvem magistrados do Amazonas, Alagoas e Tocantins. E é mantida, pelo STJ, a preventiva de juiz aposentado de Minas Gerais, que está preso há quase dois anos em Porto Alegre, acusado pela morte da esposa.

Cuidado, o motel pode ser vulnerável a olhares voyeuristas!

Com lançamento nos EUA em julho e no Brasil em setembro, o livro “O voyeur do motel” conta a história – dita real – do dono de um estabelecimento de hospedagem, nos EUA que, durante décadas, espionou os clientes. A narração vai desde os tradicionais relatos de encontros furtivos entre chefes e suas secretárias, até histórias de sexo grupal relatadas em detalhes.