Ir para o conteúdo principal

Quinta-feira , 23 de Fevereiro de 2017

O homem duro, com coração de pedra - Artigo de Gilberto Ferreira



Por Gilberto Ferreira,
professor da PUC e juiz de Direito em Curitiba (PR)

 
O rei Sabius Justus era um homem muito duro e tinha um coração de pedra. Governava o seu povo com extrema rigidez e não admitia a mínima desobediência à lei. Partia do princípio de que os seus súditos eram livres para escolher entre o bem e o mal. Escolhido o mal, isto é, a transgressão, havia de se abater sobre o infrator toda a desgraça da pena, independentemente das circunstâncias em que o fato fora praticado.

A
s leis do reino eram severíssimas. O furto era punido com a perda de um dos braços. O roubo, com a de dois braços e o assassinato, com a morte do infrator, por enforcamento ou degola.

U
m dia chegou às suas mãos o apelo de uma mulher que fora presa sob a acusação de ter furtado um pão. A defesa argumentava que a mulher, tendo filho pequeno a amamentar, não poderia trabalhar, tendo praticado o furto apenas para matar a fome.

O rei, despachando de próprio punho, exarou o veredicto: "o furto de um pão é o mesmo que o de um milhão de reales. Tanto num, quanto no outro caso, a lei foi violada. No caso, com uma agravante. A mulher tinha filho, não poderia lhe dar o mau exemplo. E, por esse plus, mando que lhe corte também a língua!".

Lendo a decisão, o capelão invocou a clemência de Deus para a mulher, mas o rei apenas respondeu recitando um antigo e surrado ditado: dura lex sed lex - A lei é dura mas é a lei.

A vida seguiu o seu curso. O rei gostava de luxo e mandou construir nas proximidades de seu trono um assoalho especial, feito com madeiras importadas altamente sensíveis às pisadas dos mais desavisados. E para proteger a beleza daquele piso decretou: "é proibido pisar no assoalho com sapatos. O infrator será punido com a pena de morte".

Claro que os súditos iam até ao trono descalços. Entretanto, sucedeu-se que o filho mais velho do rei, estando muito gripado e não podendo ficar descalço, resolveu visitar o pai sem tirar os sapatos.

Um guarda prendeu-o e foi comunicar o fato ao rei.

- Veneranda Alteza, prendi um rapaz que, desobedecendo as leis reais, pisou no assoalho sem tirar os sapatos.

- Execute o rapaz. Dura lex sed lex.

O rapaz foi levado para a sala de execução. Em seguida, outro guarda veio até o rei trazendo um dos sapatos do infrator

- Veneranda Alteza, o rapaz saiu esperneando e deixou cair um de seus sapatos. Achei que Vossa Veneranda Alteza poderia ter interesse em examinar o objeto do crime.

O rei pegou o sapato e logo reconheceu que se tratava do sapato de seu filho mais velho. Mais observou que na sola havia uma grossa camada de veludo que não só protegeria o assoalho, como o deixaria muito mais reluzente e bonito.

F
oi aí que o rei concluiu que o fundamento de sua norma não havia sido violado e que o rapaz nenhuma transgressão cometera, embora tivesse agido literalmente contra a lei.

Então, pela primeira vez em toda a sua vida, o rei voltou atrás, chorou e mandou libertar o rapaz imediatamente.

Mas já era tarde. A pena capital já havia sido cumprida.

Dura lex sed lex!

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Romero Jucá diz que “foro não pode ser suruba selecionada

Líder do governo no Congresso reage à disposição de ministros do STF de restringir a prerrogativa de políticos no “foro privilegiado”. E parlamentares – em apoio ao senador de Roraima - ameaçam tirar benefício dos magistrados.

Frases irreprimíveis da semana passada

“Juiz de Direito não é editor de órgão de imprensa” – diz desembargador do TJ-DFT, ao cassar decisão de censura judicial às publicações de jornais sobre o hacker que clonou o celular de Marcela Temer.

Censura judicial sobre os jornais O Globo e Folha de SP

Ação foi movida na sexta-feira pelo subsecretário de assuntos jurídicos da Presidência da República, brecando publicação de matérias sobre extorsão de hacker a Marcela Temer. Liminares foram cumpridas ontem (13).

O machismo que constrangeu Ellen Gracie no Senado

Enquanto Alexandre de Moraes (PMDB-SP) faz o périplo do “beija-mão” para chegar ao Supremo, jornalistas de boa memória recordam os constrangimentos passados por Ellen Gracie, em novembro de 2000. O então senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) – médico de profissão – saudou-a dizendo que “como ginecologista, aprendi a lidar de perto com as mulheres, entendendo muito profundamente a sensibilidade feminina".