Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 29 de Maio de 2015

Homem casado contaminou parceira extra com HIV


A 4ª Câmara de Direito Civil do TJ de Santa Catarina negou provimento a recurso de apelação cível interposto por um instalador hidráulico, que objetivava afastar o dever de pagar à amante indenização por danos morais no valor de R$ 41 mil, decorrente da contaminação daquela com o vírus HIV.

Em suas razões, o homem reconheceu que "voluntariamente ocultara da parceira sua condição de infectado", e admitiu que "se negava a usar preservativos nos encontros sexuais". Buscou desonerar-se da obrigação de indenizar, contudo, sob a alegação de que "a comerciária de Lages, com quem se relacionava, já era portadora do vírus".
 
Em seu voto, o relator Luiz Fernando Boller anotou que a prova dos autos evidencia o cultivo de relação amorosa desde agosto de 2005 até janeiro de 2007, tendo o instalador hidráulico admitido que, apesar de ainda sustentar a condição de casado, encontrava-se frequentemente com a autora com quem, à surdina, se entretinha sexualmente.

“Mesmo sabendo da sua condição de infectado pelo HIV, com posterior manifestação da aids já durante o convívio, o apelante omitiu tal circunstância, relacionando-se sexualmente com a amante sem fazer uso de preservativos, sendo conivente com a possibilidade de transmissão da doença, com isto demonstrando não se importar com a incolumidade física da parceira extramatrimonial” - refere o julgado.
 
O acórdão registrou que a atitude do apelante violou a dignidade e a incolumidade física e psicológica da apelada. “Ela diariamente sofrerá com a manifestação da doença, sendo vítima não só do comportamento discriminatório da sociedade, como também da própria deficiência no sistema imunológico, restando-lhe apenas fazer uso dos denominados coquetéis de medicação, combinação de fármacos que tem efeitos colaterais conhecidamente insuportáveis, isto objetivando amenizar os sintomas, sem aumento conhecido da chance de sobrevida”, concluiu o relator.

Com o desprovimento do apelo, o recorrente permanece obrigado ao pagamento de indenização no valor atualizado de R$ 41 mil, e deverá honrar também, além das custas do processo, os honorários devidos ao advogado da parte contrária, no importe de R$ 2 mil. A decisão foi unânime.
 
O advogado Aparicio dos Santos Valle atua em nome da autora da ação. (Proc. em segredo de justiça - com informações do TJ-SC).

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte EV

Universidade indenizará aluna ofendida por professor

 

Universidade indenizará aluna ofendida por professor

TRF-4 condena a Universidade Federal de Pelotas por incidente ocorrido na Faculdade de Agronomia. Durante aula de Química, estudante foi chamada de “chata, baixinha, pobre e feia”. Conheça a íntegra da sentença (improcedência) e o voto da relatora, mudando o desfecho da ação.

Ministro do STF perde ação contra jornalista

Gilmar Mendes sentiu-se ofendido por alguns conteúdos do livro “Operação Banqueiro”, sobre os bastidores da operação da Polícia Federal que investigou Daniel Dantas.

Charge de Pelicano

´Promotorite´ vexaminosa

 

´Promotorite´ vexaminosa

O Estado do RS é condenado a pagar indenização de R$ 10 mil a uma servente que foi expulsa de um elevador da sede do MP-RS por um procurador de justiça. Caso ocorreu em 2008 e ação começou em 2010.