Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 22 de Julho de 2016.

Ulbra indenizará por constranger aluna inadimplente



A Universidade Luterana do Brasil (Ulbra) foi condenada a pagar reparação por danos morais a uma aluna que estava inadimplente e teve sua situação publicamente revelada perante outros colegas. A 6ª Câmara Cível do TJRS reformou a sentença que havia negado o pedido.

A autora da ação narrou que, em razão de sua inadimplência das mensalidades, foi advertida, na presença de colegas do curso de Pedagogia à Distância de que só poderia voltar a frequentar as aulas após a negociação do débito pendente. Os fatos ocorreram no campus da Ulbra em Chuí, no sul do Estado do RS.

A juíza Quelen van Caneghan, da comarca de Santa Vitória do Palmar, concluiu que "comprovado o inadimplemento, não se reputa ilegítimo o indeferimento da matrícula, bem como impedimento em assistir as aulas e frequentar o curso, na medida em que a universidade não pode ser compelida a prestar um serviço de forma graciosa".

Ao reformar a sentença, o desembargador Artur Arnildo Ludwig cita o Código de Defesa do Consumidor, que estabelece que o inadimplemento das mensalidades não pode representar óbice à realização de provas, recebimento de notas e materiais escolares, colação de grau e entrega de diploma.

O julgado também destacou que a prova testemunhal colhidas nos autos é contundente. A monitora do curso ao ir até a sala de aula para repasse do material didático, informou que, por orientação da Ulbra, somente os alunos que estavam com as mensalidades em dia iriam recebê-lo, momento em que leu a listagem dos alunos que não receberiam o material.

"Ao meu sentir, o dano moral, no caso, deve ser atribuído a título de caráter pedagógico, a fim de que, cada vez mais, seja tomada consciência de que as relações de consumo devem ser tratadas de forma respeitosa" - refere o julgado.

A Ulbra foi condenada ao pagamento de indenização por danos morais, no valor de R$ 5 mil.

O advogado Hugo David Gonzalez Borges, atua em nome da autora.

(Proc. nº 70046607115 - com informações do TJRS e da redação do Espaço Vital).

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Nudez tarifada

R$ 80 mil para a atriz global Nathalia Dill, pelo dano moral por ter aparecido desnuda, sem autorizar, em página dupla da revista Playboy.

Charge de Gerson Kauer

Aventura jurídica e o fim dos tempos!

 

Aventura jurídica e o fim dos tempos!

Juiz se diz indignado com a natureza da ação de um consumidor gaúcho que buscou reparação por dano moral – causado por “situação humilhante e vexatória” - porque um sachet de maionese continha apenas 260 gramas do produto, e não os 500 gramas anunciados no rótulo.

Arte de Camila Adamoli

Indenização de R$ 267.590 para o presidente do TJRS

 

Indenização de R$ 267.590 para o presidente do TJRS

Condenação solidária alcança o jornal Zero Hora e a jornalista Rosane de Oliveira. Controvérsia judicial envolve matérias publicadas em 2013, quatro dias após a tragédia da boate Kiss, insinuando uma anterior omissão do desembargador Luis Felipe Silveira Difini. Tal teria -  segundo a publicação - ocorrido na abertura de uma outra boate em Porto Alegre, nove anos antes.