Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 12 de Fevereiro de 2016

O sutiã e o Código do Consumidor



Romance forense

Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria


Há mais de 100 anos uma mulher chamada Mary Phelps Jacob patenteou nos Estados Unidos o sutiã. A invenção tinha o objetivo de acomodar o seio, possibilitando moldá-lo, diminuí-lo, escondê-lo ou exibi-lo. Transformou a coadjuvante ´roupa de baixo´ em protagonista do figurino da mulher com lingeries sensuais.

Antes escondido, hoje é usado até como roupa de cima. Porém, há poucos dias, em 17 de Julho de 2012, o Departamento de Arqueologia da Universidade de Innsbruck na Austria, descobriu a peça íntima nos porões de um castelo da região austriáca de Lengberg. A descoberta dá a entender que a história da moda deve ser reescrita: o primeiro sutiã seria coisa já da época da Renascença, período histórico de caráter social e cultural dos séculos XIV, XV e XVI.

A Justiça gaúcha, neste século, já tratou do caso de um sutiã.

*  *  *  *  *

A advogada caprichava na vestir e, presumivelmente, na variedade de roupas íntimas. Mas - talvez em decorrência de verbas sucumbenciais tão baixas - não costumava comprar produtos caros, nem de grife. Conformava-se - digamos - com um grande estoque de calcinhas e sutiãs de preço médio. Todos regionais.

Certo dia, ela malhava na academia quando constatou que a parte da frente de sua camiseta ´dry fit´ estava  manchada  de sangue. Os mamilos estavam esfolados. Foi, rápido, à sua médica que atestou que “o sangramento foi provocado por escoriações do atrito do sutiã, com ambos os seios, durante o exercício físico”.
 
O caso foi a juízo. A advogada verberou o "defeito do produto". E a fabricante suscitou “a viabilidade de a peça ter sido falsificada por empresa concorrente”, com o uso indevido de etiqueta.

A juíza sentenciante entendeu pela “inexistência do defeito no produto, principalmente em face do interregno entre a aquisição do sutiã e a data em que os problemas se verificaram (quatro meses), ainda que naturalmente o uso da peça não tenha sido contínuo nem diário". O TJ gaúcho foi chamado a decidir.

A Câmara entendeu que “o conceito de defeito é amplo e a responsabilidade pelo fato do produto está tipificada no artigo 12 do CDC”. O relator mencionou, na sessão, extra-autos, ter conversado com sua esposa sobre a possibilidade da ocorrência do esfolamento. E considerou comprovado “o nexo de causalidade entre a aquisição do produto, seu uso e as lesões sofridas”.

A reparação deferida foi de 30 salários mínimos. O STJ recebeu um agravo e descartou o caso (Súmula 7). A condenação foi paga. A fabricante aprimorou seus produtos, hoje anunciados como de "primeira qualidade".
 
A advogada continua malhando e é provável que tenha passado a usar sutiãs de grife.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Os advogados pamonhas

 

Os advogados pamonhas

Aborrecido de ver petições avaliadas e despachadas pela ´estagiariocracia´ e/ou pela ´assessorcracia´, profissional da Advocacia dedica um tópico inteiro na apelação para explicar como se faz a pamonha: uma iguaria de milho oriunda da culinária indígena. O acórdão passou em branco sobre a provocação.

O juiz que não gostava de processos

 

O juiz que não gostava de processos

Depois de tanto ´empurrar para adiante´ a solução do litígio judicial, o magistrado leu surpreso o que não esperava que um dos advogados escrevesse em letras vermelhas: “As partes já cansaram de dizer; por isso, diga agora o juiz quando vai prolatar a sentença".

Morto e soterrado sob a frialdade da terra

 

Morto e soterrado sob a frialdade da terra

Até o juiz que julgou extinto o executivo fiscal se emocionou, no final, com a petição que alfinetava o credor. Magistrado escreveu que “Deus tenha acolhido a alma do suposto devedor e que o credor conforme-se com o insucesso executivo”.

Uma esmola de 300 reais

 

Uma esmola de 300 reais

O desfecho inusitado de uma audiência na Justiça do Trabalho. O aquinhoado reclamado aceita a solução conciliatória sugerida pelo magistrado, tira o dinheiro do bolso e ofende: “Dou trezentos pilas para esse morto de fome”...

O inimigo secreto

 

O inimigo secreto

Como a festa de troca de presentes no Natal de 2014, entre 20 integrantes de uma grande banca advocatícia gaúcha, se transformou num caso judicial. Resultado: a condenação de um advogado a indenizar uma estagiária de meia idade, inapropriadamente chamada de “anta feia como o diabo”.