Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira ,23 de Setembro de 2016.

Um outro ângulo sobre a "sucumbência pra cachorro" - Artigo de Guilherme Collin



Por Guilherme Collin,
advogado (OAB-RS nº 48.682)

 
Recentemente foi noticiado no Espaço Vital o caso de um advogado que traçou o paralelo entre os seus honorários e o custo de ração para cachorro. A resposta do bem remunerado magistrado não poderia ser mais ultrajante:  transcreveu um texto que aconselha pedir esmolas quando se estiver insatisfeito com seu trabalho.

Alguns dias atrás também foi noticiada uma pequena polêmica acerca dos vales alimentação recebidos pelos magistrados e questionados pela OAB. Mas sobre a necessidade de recebimento de vale alimentação, não houve nenhuma manifestação semelhante. Nenhum magistrado cogitou a hipótese de abandonar a toga e passar a pedir esmolas caso não recebesse o benefício. E a OAB não sugeriu que os magistrados trabalhassem por mero diletantismo.

Voltando à matéria publicada em 31 de julho passado, tem-se que é absolutamente impossível que o brilhante magistrado não tenha entendido a mensagem do advogado. Ele não está insatisfeito com seu trabalho! Mas está apontando o achatamento de seus honorários; nada além disso. Talvez até haja razões para insatisfação com o trabalho, mas não foi esta a discussão!

É provável que o magistrado tenha apenas presumido que o advogado estivesse insatisfeito com seu trabalho. Esta presunção até pode ter algum fundamento, pois os advogados, em geral, são os únicos que possuem prazos a cumprir; precisam explicar para os clientes as razões de uma sentença ou despacho levar meses para ser proferido;  eventualmente precisam explicar porque o juiz não foi encontrado no fórum em uma véspera de feriado.

Também quando alguém ajuíza uma ação no horário de plantão, o advogado, muitas vezes, precisa explicar ao cliente que o juiz está em casa, e não no fórum; precisa às vezes explicar porque o juiz mandou juntar um documento que já está nos autos.

Isso quando o cliente não lhe pergunta porque a sentença aborda uma série de questões não debatidas e deixa de apreciar os pedidos formulados.

Ao que tudo indica, o magistrado imaginou que o advogado estivesse insatisfeito com o trabalho, quando na realidade, o mesmo estava insatisfeito com os honorários daquele processo.

Porém, já que o douto desembargador pensa que o trabalhador descontente deve abandonar o trabalho, o mesmo magistrado poderia compartilhar este pensamento quando algum magistrado for à imprensa formular alguma crítica relacionada aos seus vencimentos ou à sua rotina de trabalho.

Talvez se os advogados recebessem vale alimentação e auxílio moradia os honorários de R$ 250,00 não seriam tão ultrajantes.

guilhermecollin@yahoo.com

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A construção coletiva e criativa da jurisprudência

As novas súmulas do TRT-4 são o caminho para um direito do trabalho de precedentes.  E a participação da advocacia, ocupando espaços dialéticos propiciados pelo TRT-4, torna real e efetiva a interlocução da sociedade”. Artigo de Dênis Einloft, advogado e presidente da Agetra.

A criminosa inércia e o inaceitável desleixo das instituições

Ao analisar o triste caso ocorrido em Júlio de Castilhos (RS), a advogada Maria Berenice Dias, em artigo, analisa a postura do promotor e a omissão da magistrada.  “É necessário que todos saiam da confortável situação de espectadores”.

Suspensão cautelar de advogados

“A meu sentir, o sigilo deve prevalecer tanto no exercício profissional, quanto nos processos administrativos disciplinares”. Artigo do advogado João Francisco Rogowski.

A lei para os mais fracos

A operação Lava Jato já condenou 74 réus a penas de mais de mil anos de prisão. Mas tem sido cautelosa ao botar gente na cadeia: políticos em atividade, por exemplo, são poucos; empresários de peso foram presos, foram condenados, mas só os de trato mais difícil estão na cadeia. Outros fizeram delação premiada e hoje vivem confortavelmente em suas mansões”. Artigo do jornalista Carlos Brickmann.

É café com leite, Lewandowski!

Uma pessoa entra em uma lanchonete e dirige-se ao balcão. O atendente se aproxima e o cliente pede: “Por favor, um café com leite”. O funcionário pergunta: “O senhor deseja um copo com café e outro com leite, um copo com ambos juntos ou, ainda, apenas café ou somente leite?”.

Artigo de Diego Dutra Goulart, promotor de Justiça do MP-SP.

Chargista Myrria

Um mal que emperra a Justiça

 

Um mal que emperra a Justiça

Com um exército de escritórios e pareceristas, os bancos protocolam uma enxurrada de recursos idênticos. Promovem visitas incessantes aos juízes, com objetivo de vencer pelo cansaço e reverter posições favoráveis aos cidadãos. Usando o discurso do medo, afirmam que o país pode quebrar, caso precisem pagar suas dívidas milionárias com os poupadores”. Artigo de Walter José Faiad de Moura, advogado (DF) do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor.