Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 22 de Julho de 2016.

Um outro ângulo sobre a "sucumbência pra cachorro" - Artigo de Guilherme Collin



Por Guilherme Collin,
advogado (OAB-RS nº 48.682)

 
Recentemente foi noticiado no Espaço Vital o caso de um advogado que traçou o paralelo entre os seus honorários e o custo de ração para cachorro. A resposta do bem remunerado magistrado não poderia ser mais ultrajante:  transcreveu um texto que aconselha pedir esmolas quando se estiver insatisfeito com seu trabalho.

Alguns dias atrás também foi noticiada uma pequena polêmica acerca dos vales alimentação recebidos pelos magistrados e questionados pela OAB. Mas sobre a necessidade de recebimento de vale alimentação, não houve nenhuma manifestação semelhante. Nenhum magistrado cogitou a hipótese de abandonar a toga e passar a pedir esmolas caso não recebesse o benefício. E a OAB não sugeriu que os magistrados trabalhassem por mero diletantismo.

Voltando à matéria publicada em 31 de julho passado, tem-se que é absolutamente impossível que o brilhante magistrado não tenha entendido a mensagem do advogado. Ele não está insatisfeito com seu trabalho! Mas está apontando o achatamento de seus honorários; nada além disso. Talvez até haja razões para insatisfação com o trabalho, mas não foi esta a discussão!

É provável que o magistrado tenha apenas presumido que o advogado estivesse insatisfeito com seu trabalho. Esta presunção até pode ter algum fundamento, pois os advogados, em geral, são os únicos que possuem prazos a cumprir; precisam explicar para os clientes as razões de uma sentença ou despacho levar meses para ser proferido;  eventualmente precisam explicar porque o juiz não foi encontrado no fórum em uma véspera de feriado.

Também quando alguém ajuíza uma ação no horário de plantão, o advogado, muitas vezes, precisa explicar ao cliente que o juiz está em casa, e não no fórum; precisa às vezes explicar porque o juiz mandou juntar um documento que já está nos autos.

Isso quando o cliente não lhe pergunta porque a sentença aborda uma série de questões não debatidas e deixa de apreciar os pedidos formulados.

Ao que tudo indica, o magistrado imaginou que o advogado estivesse insatisfeito com o trabalho, quando na realidade, o mesmo estava insatisfeito com os honorários daquele processo.

Porém, já que o douto desembargador pensa que o trabalhador descontente deve abandonar o trabalho, o mesmo magistrado poderia compartilhar este pensamento quando algum magistrado for à imprensa formular alguma crítica relacionada aos seus vencimentos ou à sua rotina de trabalho.

Talvez se os advogados recebessem vale alimentação e auxílio moradia os honorários de R$ 250,00 não seriam tão ultrajantes.

guilhermecollin@yahoo.com

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Advogado quebra, mas não verga!

 

Advogado quebra, mas não verga!

Antes nós tínhamos juízes que pensavam e agiam como deuses; a gente foi deixando, fazendo piada, aguentando, às vezes brigando... Agora há também gabinetes jurisdicionais que são templos que abrigam deuses (“eles...”), semideuses (assessores) e vice deuses (estagiários). Que saudade do tempo em que só havia deuses!”. Artigo da advogada Bernadete Kurtz (OAB-RS nº 6.937)

Arte de Camila Adamoli

Dezoito anos em busca de uma indenização

 

Dezoito anos em busca de uma indenização

A dor de uma advogada gaúcha que perdeu seu marido em acidente de trabalho ocorrido em 1978. Os impropérios na contestação do Estado. A indenização pífia. O precatório que não é pago. “Estou, até hoje, engasgada; a minha dor é a de tantos seres humanos injustiçados”.

O preconceito dos juízes em relação aos honorários advocatícios

O conhecido jurista – juiz de carreira e ex-presidente do TJRS – aborda a síndrome de onipotência que acomete alguns magistrados. “Indica verdadeiro colapso da ordem jurídica quando eles chegam a esse inacreditável ponto de esquiva ao cumprimento da norma por não gostarem dela”.

O usucapião extrajudicial

Instituído pelo novo Código de Processo Civil, o procedimento ocorre diretamente no Registro de Imóveis da comarca em que estiver jurisdicionado o imóvel usucapiendo, a requerimento do interessado e representado por um advogado”. Artigo de Rodrigo Isolan, tabelião substituto.

O preço de não dialogar e a mediação

Quando você estiver num conflito, e pensar em ajuizar uma ação para que o Poder Judiciário lhe dê uma resposta, pense bem”. Artigo de Eliana Giusto, advogada e mediadora.