Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 19 setembro de 2017

Um outro ângulo sobre a "sucumbência pra cachorro" - Artigo de Guilherme Collin



Por Guilherme Collin,
advogado (OAB-RS nº 48.682)

 
Recentemente foi noticiado no Espaço Vital o caso de um advogado que traçou o paralelo entre os seus honorários e o custo de ração para cachorro. A resposta do bem remunerado magistrado não poderia ser mais ultrajante:  transcreveu um texto que aconselha pedir esmolas quando se estiver insatisfeito com seu trabalho.

Alguns dias atrás também foi noticiada uma pequena polêmica acerca dos vales alimentação recebidos pelos magistrados e questionados pela OAB. Mas sobre a necessidade de recebimento de vale alimentação, não houve nenhuma manifestação semelhante. Nenhum magistrado cogitou a hipótese de abandonar a toga e passar a pedir esmolas caso não recebesse o benefício. E a OAB não sugeriu que os magistrados trabalhassem por mero diletantismo.

Voltando à matéria publicada em 31 de julho passado, tem-se que é absolutamente impossível que o brilhante magistrado não tenha entendido a mensagem do advogado. Ele não está insatisfeito com seu trabalho! Mas está apontando o achatamento de seus honorários; nada além disso. Talvez até haja razões para insatisfação com o trabalho, mas não foi esta a discussão!

É provável que o magistrado tenha apenas presumido que o advogado estivesse insatisfeito com seu trabalho. Esta presunção até pode ter algum fundamento, pois os advogados, em geral, são os únicos que possuem prazos a cumprir; precisam explicar para os clientes as razões de uma sentença ou despacho levar meses para ser proferido;  eventualmente precisam explicar porque o juiz não foi encontrado no fórum em uma véspera de feriado.

Também quando alguém ajuíza uma ação no horário de plantão, o advogado, muitas vezes, precisa explicar ao cliente que o juiz está em casa, e não no fórum; precisa às vezes explicar porque o juiz mandou juntar um documento que já está nos autos.

Isso quando o cliente não lhe pergunta porque a sentença aborda uma série de questões não debatidas e deixa de apreciar os pedidos formulados.

Ao que tudo indica, o magistrado imaginou que o advogado estivesse insatisfeito com o trabalho, quando na realidade, o mesmo estava insatisfeito com os honorários daquele processo.

Porém, já que o douto desembargador pensa que o trabalhador descontente deve abandonar o trabalho, o mesmo magistrado poderia compartilhar este pensamento quando algum magistrado for à imprensa formular alguma crítica relacionada aos seus vencimentos ou à sua rotina de trabalho.

Talvez se os advogados recebessem vale alimentação e auxílio moradia os honorários de R$ 250,00 não seriam tão ultrajantes.

guilhermecollin@yahoo.com

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Suprema Corte Britânica julga ilegais normas semelhantes às da reforma trabalhista brasileira

O tribunal do Reino Unido considerou que “a imposição de taxas para o ajuizamento de demandas levou a uma dramática queda no número de ações e que muitos trabalhadores deixaram de buscar seus direitos com receio de perder e ainda serem obrigados a arcar com as custas processuais”. Artigo de Pedro Henrique Koeche Cunha, advogado (OAB-RS nº 104.102).

O emblemático caso do primata que se fotografou

Uma ação judicial que terminou em acordo. “O caso levanta questões inovadoras sobre a expansão dos direitos legais para os animais”.

Artigo de Felipe Pierozan, especialista em Direito da Propriedade Intelectual, sócio do Pierozan Advocacia & Consultoria

Nada ecológico: o TJRS insiste no uso do papel...

Formulário de devolução de autos. “Soa como uma brincadeira de gosto duvidoso mormente quando lemos as metas do Programa de Logística Sustentável do tribunal que lista a necessidade de redução do consumo justamente de papel”. Artigo do advogado José Serpa Júnior.

Nós não vai ser preso”...

... Mas foram! Propinas para mais de 1.800 políticos. “Nas cleptocracias parasitárias, as elites dirigentes que governam a nação praticam o abominável capitalismo bandido. Neste tipo, o deplorável poder do dinheiro (frequentemente) corrompe o humano”. Artigo do jurista Luiz Flávio Gomes.

República de regalias

“A emenda à Constituição que acaba com o foro privilegiado é uma demanda urgente e necessária. Afinal, já se passaram 127 anos da Proclamação da República e 32 anos do fim da ditadura militar. Não faz mais sentido mantermos no arcabouço legal alguns privilégios típicos de impérios e ditaduras”. Artigo de Claudio Lamachia, presidente nacional da OAB.

Chargista Nani – www.NaniHumor.com

Subproduto perverso da faxina ética

 

Subproduto perverso da faxina ética

Reação ao artigo do presidente da Associação do Ministério Público do RS. “Alguns atores estão com seus egos superdimensionados e consideram-se divindades, com direito a tudo, mesmo em detrimento às regras legais”.Artigo de Carlos Thomaz Ávila Albornoz, advogado (nº 6.425) e conselheiro seccional da OAB-RS.