Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 18 de maio de 2018.

Juiz lança sua obra “Dano Moral Imoral”



Imagem da Matéria

Luiz Felipe

O juiz Luiz Felipe Siegert Schuch, do TJ-SC, mestre em Ciência Jurídica e pós-graduado pela Escola Superior da Magistratura Catarinense, lança nos próximos dias seu mais recente livro, intitulado “Dano Moral Imoral – O abuso à luz da doutrina e jurisprudência”.

O magistrado, atualmente titular da Vara de Execuções contra a Fazenda Pública da comarca de Florianópolis, realizou levantamento jurisprudencial para detectar - como ele diz - "inúmeras tentativas de abuso nessa modalidade de ação, em matérias carentes de substrato ético e, portanto, imorais".
 
A obra traz prefácio do ministro Sidnei Beneti, do STJ, que classifica o trabalho como um “importante auxílio a todo profissional do Direito no deslinde das delicadas questões relativas ao dano moral”.

Conforme Benetti, "o livro ampara-se na melhor doutrina, com fundamento na qual lança as bases para a adequada compreensão da exaustiva série de julgados com que comprova a afirmação do título”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Os riscos do excesso de exposição à radiação

Condenação da União, para reparar danos morais sofridos por técnica em radiologia, no Hospital Militar de Porto Alegre.O tempo máximo para operar uma máquina de raio-x, permitido por lei, é de 24 horas semanais.

Charge de Gerson Kauer

Zaffari é condenado por racismo, danos morais e má-fé processual

 

Zaffari é condenado por racismo, danos morais e má-fé processual

Sentença analisa a repressão abusiva de cinco seguranças, contra três adolescentes, na loja supermercadista da Rua Otto Niemeyer, em Porto Alegre: “Exatamente assim, como meros 'neguinhos', pessoas sem importância, adolescentes sem defesa, não humanos, seres invisíveis e sem valor, quando expostos a uma revista desmotivada, humilhante e truculenta".

Improcedência de ação de jornalista gaúcho contra o roqueiro Lobão

Farpas em rede social tiveram expressões como “Lobão virou Lobinho”, “ZeroHora virou Zerohorinha”, “punheteiro de pau mole”, etc. A 9ª Câmara Cível do TJRS decidiu que ”quem, com uma postagem ofensiva, dá causa a uma discussão polêmica não pode reclamar de uma reação mais ofensiva ainda”.