Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 01 de Setembro de 2015

Justiça goiana não autoriza casamento homoafetivo


A Justiça goiana negou a um par homoafetivo o pedido de autorização para realizar o casamento em cartório de registro civil.

Na decisão, a juíza Sirlei Martins da Costa, titular da 1ª Vara de Família e Sucessões de Goiânia, argumentou, com base no artigo 226 da Constituição Federal e no artigo 1.514 do Código Civil, que "união estável não é o mesmo que entidade familiar".

Embora em trechos do julgado a magistrada afirme ser favorável ao casamento gay, ela sustenta que "falta legislação com relação ao tema".

Sirlei acredita que, se ela desse autorização para que as duas pessoas do mesmo sexo se casassem, ela estaria ofendendo a independência dos Três Poderes.

A união estável de casais homoafetivos, reconhecida pelo Supremo Tribunal Federal, dá ao cônjuge uma série de direitos, mas não contempla fatores como a escolha do regime de bens e a mudança de nome.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Juiz autoriza conversão de união homoafetiva em casamento

Na mesma sentença, magistrado gaúcho aponta a inconstitucionalidade ao artigo 1726 do Código Civil. “A necessidade de processo judicial é fator complicador, não se justificando a exigência, mesmo para agregar efeito retroativo ao casamento”.

Arte EV sobre foto Camera Press

Ação investigatória de paternidade não tem prescrição

 

Ação investigatória de paternidade não tem prescrição

Um caso que começou nos anos 90. O STJ reforma julgado do TJRS e afirma que "o direito da pessoa ao reconhecimento de sua ancestralidade e origem genética insere-se nos atributos da personalidade”. Julgado superior conclui que o cerceamento ao direito de reconhecimento da origem genética se constitui em “evidente violação ao princípio da dignidade da pessoa humana”.

Negativa de indenização para homem que foi traído pela esposa

A dor do adultério não se paga. “Se a conduta da mulher pode ser repudiada pelo autor - que merece atenção na medida em que viu suas fantasias, seus anseios e sonhos frustrados - a decepção deve servir-lhe de combustível para a superação, sem ensejar indenização” – diz o acórdão.