Ir para o conteúdo principal

Terça-feira , 26 de Julho de 2016.

Justiça goiana não autoriza casamento homoafetivo



A Justiça goiana negou a um par homoafetivo o pedido de autorização para realizar o casamento em cartório de registro civil.

Na decisão, a juíza Sirlei Martins da Costa, titular da 1ª Vara de Família e Sucessões de Goiânia, argumentou, com base no artigo 226 da Constituição Federal e no artigo 1.514 do Código Civil, que "união estável não é o mesmo que entidade familiar".

Embora em trechos do julgado a magistrada afirme ser favorável ao casamento gay, ela sustenta que "falta legislação com relação ao tema".

Sirlei acredita que, se ela desse autorização para que as duas pessoas do mesmo sexo se casassem, ela estaria ofendendo a independência dos Três Poderes.

A união estável de casais homoafetivos, reconhecida pelo Supremo Tribunal Federal, dá ao cônjuge uma série de direitos, mas não contempla fatores como a escolha do regime de bens e a mudança de nome.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Coerdeiras podem defender patrimônio deixado por falecido advogado

Ação com dez anos de tramitação já tem 26 recursos interpostos no TJRS. Decisão recente do STJ reconhece, em favor de duas filhas, que “enquanto não realizada a partilha, elas têm legitimidade ativa para ajuizar ação em defesa do patrimônio comum deixado pelo falecido”.

Animal de estimação não é objeto

Magistrado remete para Vara de Família uma disputa sobre posse e propriedade de uma cadela. O juiz considera os animais, “em especial mamíferos e aves, seres sencientes, dotados de certa consciência".

O fim dos casamentos tríplices

A Justiça do Rio proíbe o que, oficialmente, poderia virar um modismo. Mas as uniões formais – já celebradas - entre três mulheres, e entre um homem com suas duas mulheres, permanecerão intocáveis.