Ir para o conteúdo principal

Terça-feira , 30 de Agosto de 2016.

Justiça goiana não autoriza casamento homoafetivo



A Justiça goiana negou a um par homoafetivo o pedido de autorização para realizar o casamento em cartório de registro civil.

Na decisão, a juíza Sirlei Martins da Costa, titular da 1ª Vara de Família e Sucessões de Goiânia, argumentou, com base no artigo 226 da Constituição Federal e no artigo 1.514 do Código Civil, que "união estável não é o mesmo que entidade familiar".

Embora em trechos do julgado a magistrada afirme ser favorável ao casamento gay, ela sustenta que "falta legislação com relação ao tema".

Sirlei acredita que, se ela desse autorização para que as duas pessoas do mesmo sexo se casassem, ela estaria ofendendo a independência dos Três Poderes.

A união estável de casais homoafetivos, reconhecida pelo Supremo Tribunal Federal, dá ao cônjuge uma série de direitos, mas não contempla fatores como a escolha do regime de bens e a mudança de nome.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

União estável, por oito anos, de tio com sobrinha! Será?

STJ suspende o julgamento de recurso ordinário em mandado de segurança. TJ do Rio de Janeiro considerou que houve uma simulação de união estável, “provavelmente em reconhecimento dos cuidados que a sobrinha dispensou ao tio idoso e doente”.

Retorno imediato a Portugal de crianças mantidas ilegalmente no Brasil

Os irmãos têm nove e seis anos de idade. Eles viajaram com a mãe para o Brasil em 2011, com autorização do pai. Entretanto, a mãe resolveu não voltar ao território português.  Desde 1º de janeiro de 2012, o caso é considerado sequestro internacional de menores.

Coerdeiras podem defender patrimônio deixado por falecido advogado

Ação com dez anos de tramitação já tem 26 recursos interpostos no TJRS. Decisão recente do STJ reconhece, em favor de duas filhas, que “enquanto não realizada a partilha, elas têm legitimidade ativa para ajuizar ação em defesa do patrimônio comum deixado pelo falecido”.