Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 18 de Abril de 2017

Pânico aéreo durante a madrugada



O voo 964 - que partira às 23h55 desta segunda-feira - da American Airlines para Dallas (EUA) foi abortado e o Boeing 767 teve que voltar para o Aeroporto Internacional de Guarulhos, no início da madrugada desta terça-feira (3). Segundo passageiros, a aeronave apresentou um defeito numa das turbinas, com chamas, estalidos e cheiro de queimado.

Ninguém da companhia aérea foi encontrado para se manifestar sobre o suposto incidente.
 
Os passageiros desceram no aeroporto ainda assustados com o que tinha acontecido. Alguns deles contaram que a turbina começou a pegar fogo cerca de 20 minutos depois da decolagem. Meia hora após a constatação do fato e em meio a um pânico a bordo, o avião pousou de volta em Guarulhos.
 
O pouso foi normal, embora a aeronave tivesse sido acompanhada, lado a lado, por duas guarnições.
 
Todos os passageiros foram colocados em cinco ônibus e levados para um hotel na Zona Norte de São Paulo. Eles foram orientados a procurar a companhia aérea nesta terça-feira (3) e remarcar o voo. Não há informações sobre o número de passageiros do voo 946 tampouco sobre possíveis feridos.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Quase que o Brasil quebra!

O crescente avanço das organizações criminosas na política brasileira. Enquanto Gilmar Mendes dizia, nos EUA, que “se não tivesse havido a interrupção do processo de corrução, o Brasil seria agora um país apodrecido pelo mar de lama”, o jornal Le Monde comparava, na França, a advogada Adriana Ancelmo, mulher de Sérgio Cabral, a Maria Antonieta, que foi guilhotinada em 1793.

Presidente do TRF-4 mantém proibição da campanha sobre a Reforma da Previdência

Decisão refere que “as veiculações publicitárias contestadas na ação civil pública ajuizada por sindicatos gaúchos focam na necessidade de se realizar a reforma, não adentrando especificamente nas profundas mudanças sugeridas aos direitos e deveres dos segurados dos diversos regimes previdenciários existentes”.