Ir para o conteúdo principal

Quinta-feira , 23 de Fevereiro de 2017

Pânico aéreo durante a madrugada



O voo 964 - que partira às 23h55 desta segunda-feira - da American Airlines para Dallas (EUA) foi abortado e o Boeing 767 teve que voltar para o Aeroporto Internacional de Guarulhos, no início da madrugada desta terça-feira (3). Segundo passageiros, a aeronave apresentou um defeito numa das turbinas, com chamas, estalidos e cheiro de queimado.

Ninguém da companhia aérea foi encontrado para se manifestar sobre o suposto incidente.
 
Os passageiros desceram no aeroporto ainda assustados com o que tinha acontecido. Alguns deles contaram que a turbina começou a pegar fogo cerca de 20 minutos depois da decolagem. Meia hora após a constatação do fato e em meio a um pânico a bordo, o avião pousou de volta em Guarulhos.
 
O pouso foi normal, embora a aeronave tivesse sido acompanhada, lado a lado, por duas guarnições.
 
Todos os passageiros foram colocados em cinco ônibus e levados para um hotel na Zona Norte de São Paulo. Eles foram orientados a procurar a companhia aérea nesta terça-feira (3) e remarcar o voo. Não há informações sobre o número de passageiros do voo 946 tampouco sobre possíveis feridos.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Romero Jucá diz que “foro não pode ser suruba selecionada

Líder do governo no Congresso reage à disposição de ministros do STF de restringir a prerrogativa de políticos no “foro privilegiado”. E parlamentares – em apoio ao senador de Roraima - ameaçam tirar benefício dos magistrados.

Frases irreprimíveis da semana passada

“Juiz de Direito não é editor de órgão de imprensa” – diz desembargador do TJ-DFT, ao cassar decisão de censura judicial às publicações de jornais sobre o hacker que clonou o celular de Marcela Temer.

Censura judicial sobre os jornais O Globo e Folha de SP

Ação foi movida na sexta-feira pelo subsecretário de assuntos jurídicos da Presidência da República, brecando publicação de matérias sobre extorsão de hacker a Marcela Temer. Liminares foram cumpridas ontem (13).

O machismo que constrangeu Ellen Gracie no Senado

Enquanto Alexandre de Moraes (PMDB-SP) faz o périplo do “beija-mão” para chegar ao Supremo, jornalistas de boa memória recordam os constrangimentos passados por Ellen Gracie, em novembro de 2000. O então senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) – médico de profissão – saudou-a dizendo que “como ginecologista, aprendi a lidar de perto com as mulheres, entendendo muito profundamente a sensibilidade feminina".