Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 29 de Abril de 2016.

Depoimento sem dano



Por Samanta Pelizzoni de Azambuja,
formanda em Direito (FARGS/2012).


A vitimização secundária - ou seja, o dano novamente causado à criança vítima do abuso sexual devido à exposição mediante a oitiva de testemunhas - representa um problema de grande importância que vem sendo enfrentado pelo Judiciário neste tipo de crime. Em função disto, em 2003 no 2º Juizado da Infância e Juventude de Porto Alegre, sob a idealização do juiz José Antonio Daltoé Cezar, foi implantado o Projeto Depoimento sem Dano. Ele visa evitar a vitimização secundária da criança vitima do abuso sexual infantil intrafamliar.

O projeto exclui a oitiva de testemunha que intimida a criança vítima, uma vez que a mesma deve prestar depoimento a várias pessoas diferentes em locais diferentes como Conselho Tutelar, audiência, delegacia e muitas vezes na presença do abusador. Podendo causar um trauma igual ou maior que o crime original, o abuso em si.

O Projeto Depoimento Sem Dano tem como objetivo a proteção do menor abusado, sem que este tenha que passar pelo constrangimento de expor publicamente o fato delituoso e traumatizante. Consiste, assim, em colher o depoimento da criança vítima do abuso sexual em uma sala montada especialmente para o depoimento da criança/adolescente vitima. A dependência possui equipamentos de áudio e vídeo, sem a presença do acusado, do juiz, do delegado. Apenas um psicólogo ou assistente social estará com a criança nesta sala tomando seu depoimento de forma adequada, deixando a criança menos intimidada.
 
A sala especial criada para uso do método Depoimento sem Dano fica no Foro Central de Porto Alegre no mesmo andar do 2º JIJ. É uma sala que contém DVD, televisor, vídeo, bonecos, papel, lápis para desenho, para que a criança se sinta confortável, à vontade para seguir com o seu depoimento. É um equipamento especial de áudio e vídeo que produz um bom som e uma boa imagem em tempo real.

Esta sala é interligada a outra onde estarão o juiz, o promotor de justiça, defensor e acusado acompanhando o depoimento; estes podem fazer perguntas por meio do interlocutor que transmitirá à criança. Há a responsabilidade pela privacidade da criança, não tendo a formalidade de uma sala de audiências, o que faz com que a criança se sinta menos pressionada. A entrevista é gravada em um CD e anexada aos autos, integra a prova judicial.

A criança vitima deve chegar 30 minutos antes da oitiva;  assim que chegar será encaminhada à sala e não se encontra com o abusador. Antes de cada entrevista, técnicas e magistrado presidente da audiência reúnem-se para a análise dos autos, estabelecendo o foco das perguntas para que haja compreensão do real estado emocional e social da criança.
 
O método Depoimento sem Dano é facultado aos juízes - , podem ou não utilizá-lo. Espero que esse método seja obrigatório nos casos de abuso sexual infantil, principalmente intrafamiliar. Pois no caso de um abuso ocorrido por um parente - que deveria proteger e não abusar - o trauma é muito maior. E assim agravada no momento em que depois de tanto tempo sendo abusada, a criança terá de falar sobre esse assunto que tanto lhe machuca, diversas vezes, podendo inclusive esse depoimento ser modificado todas as vezes que ele é falado.
 
Enfim, o projeto Depoimento Sem Dano deveria ser expandido para todo o Brasil; só assim as crianças abusadas por pessoas que deveriam amá-las, respeitá-las e principalmente protegê-las de situações como estas, podem levar a juízo o segredo que até pouco tempo dava o conforto ao abusador.
 
Assim o projeto facilita a responsabilização deste individuo por tamanha brutalidade. A integridade da criança deve ser mantida sempre, mas em casos como de abuso sexual infantil, ainda maior deve ser o cuidado com essa vítima tão frágil. Ainda acredito que com um pouco mais de atenção a estes tipos de casos podemos ter um Judiciário mais protetor e eficiente na prevenção dos direitos da criança.

sazambuja@grupogp.com



Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O novo processo do trabalho à luz do NCPC/15

A controvérsia em torno das novas regras processuais. “Ficará a cargo do TST, colmatar as inúmeras lacunas deixadas pela IN nº 39/2016, com o propósito de conferir maior racionalidade ao sistema e, concomitantemente, velar pelo respeito ao devido processo legal em sua acepção substancial”.Artigo de Ricardo Souza Calcini.

Pra não dizer que não falei de impeachment

Adroaldo Furtado Fabrício recorda, a propósito do impeachment, “aquele deprimente espetáculo de vaidades, ignomínias e baixaria geral”. E imagina-se a escrever o roteiro de um ´western´ – inspirado em Brasília – a ser dirigido por Clint Eastwood. “Renomados e temidos pistoleiros estão em cena. Não se trata de um duelo, pois são três, cada um por si e contra os outros dois. Todos têm a certeza de que do encontro sobrará um só, se sobrar”... 

Alô, mamãe!

...E pelos meus filhinhos, digo SIM! No ar, mais um campeão de indecência!”. Artigo de Manoel Marcondes Machado Neto, doutor em Ciências da Comunicação pela USP.

Os próximos passos do processo de impeachment de Dilma

O brilhante Paulo Brossard, em 1993, publicou um artigo em que criticava a medievalidade desta feitura processual. O texto finalizava assim: ´Poucas pessoas se dão conta de que o impeachment declinou na Inglaterra quando, em seu lugar, a moção de censura entrou a funcionar e veio a substituir o cepo e o machado, que serviram para que rolassem algumas cabeças mais menos ilustres... e a linguagem não é figurada.´” Artigo do advogado Marcones Santos.

A palavra impeachment

“Deveríamos usar ´impeachment, como faz a maioria da imprensa; ´impedimento´, como preferem aqueles que se incomodam com os estrangeirismos; ou outro nome qualquer?” Artigo do advogado Gustavo Cardoso.

O Supremo e seu labirinto

“O resultado tem sido a centralização, a suprema judicialização inclusive dos destinos de uma nação. A centralização é tanta que o STF não consegue tudo resolver. Seleciona. A uns, a luz da decisão; a outros, cerca de 50 mil, a escuridão de esperas imemoriais”. Artigo de Joaquim Falcão, professor da FGV Direito Rio.