Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 31 de Julho de 2015

A empregadinha e o viúvo


Romance forense

Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria


 O advogado de Lúcia foi sucinto ao relatar o pleito de sua cliente: "quando contava 18 de idade, ela iniciou relacionamento com Oscar, vindo a descobrir após alguns meses que ele era casado. Mas ele sempre a procurou e se encontravam em motéis, fazendo promessas de ajuda para o sustento do filho que ela já tinha, dizendo também que se casariam posteriormente, fato que nunca ocorreu, mesmo após o cidadão ter ficado viúvo".

Prosseguiu a inicial: "Oscar, a pretexto de ajudar a autora e seu filho, apenas colocou ambos no quadro social do clube e deu autorização para que a autora comprasse em nome dele na farmácia".

Como houve divergência sentimental (ou sexual?) entre os dois, o romance havia terminado - daí porque Lúcia ingressou com "ação de dissolução de sociedade de fato, cumulada com pedido de partilha de bens"!     
          
O juiz da causa julgou os pedidos improcedentes. Houve recurso de apelação, pedindo que alternativamente houvesse uma indenização pelas tarefas prestadas de "limpeza e serviços de mesa, principalmente considerando que a autora ia seguidamente levar remédios para ele, além de preparar seu almoço, todos os dias, tanto que fez prova que diariamente estacionava seu carro na garagem do prédio de Oscar".

O relator, "diante da singeleza das questões e dos elementos de convicção, bem como da orientação jurisprudencial desta corte", julgou monocraticamente, improvendo o apelo.

A decisão ainda conteve um ensinamento: "os efetivos serviços de cama não passaram de uma relação de amantes; acaso a apelante entenda ter direito a ser remunerada pelos serviços prestados como doméstica, o foro competente é a Justiça laboral - leia-se, a propósito, o que dispõe a Emenda Constitucional nº 45".
 
Na rádio corredor da Magistratura (idem da Advocacia), acredita-se que o sutil recado não tenha sido dirigido à parte. Mas, sim, ao seu...advogado.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Semelhanças entre um juiz e um chapista de carnes

 

Semelhanças entre um juiz e um chapista de carnes

Confesso que já recebi de inúmeros juízes de direito, em diversas oportunidades, um pedaço de ´polenta´, ao invés do ´frango grelhado´ que solicitei. O excesso de processos, de filas e de causos é sempre alegado para justificar o injustificável atendimento”. Texto do advogado Maurício Brum Esteves.

Charge de Gerson Kauer

O apreciador dos ´cofrinhos´ femininos

 

O apreciador dos ´cofrinhos´ femininos

Numa das lojas da grande rede, o gerente assediava as funcionárias. Dizia-lhes que elas tinham “o símbolo do prazer, que também podia garantir algum dinheiro extra”. E definia os ´cofrinhos´ como “misteriosos, obscuros, mas produtivos”. Só para indenizar uma das lesadas, a empresa vai pagar R$ 36 mil.

Charge de Gerson Kauer

Um habeas para as macacas

 

Um habeas para as macacas

O pedido original foi feito por duas advogadas: “manter as chimpanzés Lili e Megh reclusas, pois afinal depois de três anos de cativeiro, não se readaptarão com a natureza”. O relator fulminou: “admite-se habeas corpus apenas para humanos”...

Charge de Gerson Kauer

A presença de Adão e Eva num acórdão do STJ

 

A presença de Adão e Eva num acórdão do STJ

Um homem, uma mulher, uma maçã, uma serpente, uma nudez – induziam-nos, no passado, a grande medo e precauções. Mas, “não de doenças sexualmente transmissíveis porque, quanto a isso, azar de quem pegasse uma gonorreia ou tivesse o púbis invadido por aqueles insetos anapluros, da família dos pediculídeos, popularmente conhecidos como ´chatos´”...

Charge de Gerson Kauer

O usucapião da mulher

 

O usucapião da mulher

Em um famoso bar de Porto Alegre, dois advogados e um juiz e um garçom discutem o inusitado: a posse mansa e pacífica de uma mulher. Mas a conclusão a que chegam – depois do palpite do garçom - é que “manso e pacífico” é o corno namorado dela.

Charge de Gerson Kauer

´Strip-tease´ antijurídico...

 

´Strip-tease´ antijurídico...

O novel e tímido juiz, recém nomeado, caiu numa esparrela criada por astutos operadores jurídicos e aceitou comparecer a uma festa de aniversário. Num sítio, “coelhinhas” profissionais protagonizaram um “tira-a-roupa” que acabou causando a defenestração do magistrado. Foi o fim do estágio probatório dele.