Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 18 de Abril de 2017

A empregadinha e o viúvo



Romance forense

Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria


 O advogado de Lúcia foi sucinto ao relatar o pleito de sua cliente: "quando contava 18 de idade, ela iniciou relacionamento com Oscar, vindo a descobrir após alguns meses que ele era casado. Mas ele sempre a procurou e se encontravam em motéis, fazendo promessas de ajuda para o sustento do filho que ela já tinha, dizendo também que se casariam posteriormente, fato que nunca ocorreu, mesmo após o cidadão ter ficado viúvo".

Prosseguiu a inicial: "Oscar, a pretexto de ajudar a autora e seu filho, apenas colocou ambos no quadro social do clube e deu autorização para que a autora comprasse em nome dele na farmácia".

Como houve divergência sentimental (ou sexual?) entre os dois, o romance havia terminado - daí porque Lúcia ingressou com "ação de dissolução de sociedade de fato, cumulada com pedido de partilha de bens"!     
          
O juiz da causa julgou os pedidos improcedentes. Houve recurso de apelação, pedindo que alternativamente houvesse uma indenização pelas tarefas prestadas de "limpeza e serviços de mesa, principalmente considerando que a autora ia seguidamente levar remédios para ele, além de preparar seu almoço, todos os dias, tanto que fez prova que diariamente estacionava seu carro na garagem do prédio de Oscar".

O relator, "diante da singeleza das questões e dos elementos de convicção, bem como da orientação jurisprudencial desta corte", julgou monocraticamente, improvendo o apelo.

A decisão ainda conteve um ensinamento: "os efetivos serviços de cama não passaram de uma relação de amantes; acaso a apelante entenda ter direito a ser remunerada pelos serviços prestados como doméstica, o foro competente é a Justiça laboral - leia-se, a propósito, o que dispõe a Emenda Constitucional nº 45".
 
Na rádio corredor da Magistratura (idem da Advocacia), acredita-se que o sutil recado não tenha sido dirigido à parte. Mas, sim, ao seu...advogado.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O professor pervertido

 

O professor pervertido

Na escola de segundo grau, o professor costumava galantear muitas de suas alunas adolescentes. Achegava-se, tentava um selinho e cantarolando versos de Roberto Carlos, assanhava-se: “Os botões da blusa, que você usava e meio confusa desabotoava...iam me deixando ver, no meio de tudo, um pouco de você!"

Charge de Gerson Kauer

Beleza e Pinto

 

Beleza e Pinto

O juiz, jovem ainda, havia dois dias chegara à comarca. Queria impor disciplina, ordem, respeito. Começou por chamar, um a um, todos os servidores forenses. E provocou um oficial de justiça; mas levou o troco.

Charge de Gerson Kauer

 Quarta-feira de Cinzas

 

Quarta-feira de Cinzas

O juiz era um homem duro e pouco afeito a gentilezas. Marcou a audiência de instrução e julgamento para a manhã imediata à terça-feira gorda de Carnaval, às 8h45 min.Saiba qual foi a afinada reação prática partes e advogados (cinco pessoas físicas e uma pessoa jurídica), para reagirem à esdrúxula designação.

Charge de Gerson Kauer

Sete dias (só) de intenso romance

 

Sete dias (só) de intenso romance

O homem cinquentão; ela trintona. Escaparam do inverno porto-alegrense e foram ao ameno verão nova-iorquino. Passagens em executiva por conta dele e demais gastos pagos por ela, porque o cidadão esquecera os cartões de crédito em Porto Alegre. Na viagem de volta, eles se desentenderam. A solução financeira foi judicial...

Charge de Gerson Kauer

O constrangedor erro do “copia/cola”

 

O constrangedor erro do “copia/cola

O equívoco do advogado que, ao apresentar os memoriais ao tribunal, não se apercebeu que inserira na peça judicial a cópia de uma divagação de cunho sexual, que enviara à namorada: “Minha amada, a estimulação vaginal pode aliviar dores crônicas nas costas, dores nas pernas e de cabeça, bem como enxaquecas”. O desembargador relator ficou espantado!

Charge de Gerson Kauer

Amélia, a mulher de verdade

 

Amélia, a mulher de verdade

Depois de oito anos de um relacionamento íntimo interessante, médico e professora se desavieram financeiramente na hora da separação. Um dos detalhes da prova revela que cabia a ela, sempre, pagar a conta mais cara, quando ambos iam juntos ao supermercado. “Era uma Amélia...” – observou a desembargadora revisora.