Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 26 de Agosto de 2016.

A empregadinha e o viúvo



Romance forense

Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria


 O advogado de Lúcia foi sucinto ao relatar o pleito de sua cliente: "quando contava 18 de idade, ela iniciou relacionamento com Oscar, vindo a descobrir após alguns meses que ele era casado. Mas ele sempre a procurou e se encontravam em motéis, fazendo promessas de ajuda para o sustento do filho que ela já tinha, dizendo também que se casariam posteriormente, fato que nunca ocorreu, mesmo após o cidadão ter ficado viúvo".

Prosseguiu a inicial: "Oscar, a pretexto de ajudar a autora e seu filho, apenas colocou ambos no quadro social do clube e deu autorização para que a autora comprasse em nome dele na farmácia".

Como houve divergência sentimental (ou sexual?) entre os dois, o romance havia terminado - daí porque Lúcia ingressou com "ação de dissolução de sociedade de fato, cumulada com pedido de partilha de bens"!     
          
O juiz da causa julgou os pedidos improcedentes. Houve recurso de apelação, pedindo que alternativamente houvesse uma indenização pelas tarefas prestadas de "limpeza e serviços de mesa, principalmente considerando que a autora ia seguidamente levar remédios para ele, além de preparar seu almoço, todos os dias, tanto que fez prova que diariamente estacionava seu carro na garagem do prédio de Oscar".

O relator, "diante da singeleza das questões e dos elementos de convicção, bem como da orientação jurisprudencial desta corte", julgou monocraticamente, improvendo o apelo.

A decisão ainda conteve um ensinamento: "os efetivos serviços de cama não passaram de uma relação de amantes; acaso a apelante entenda ter direito a ser remunerada pelos serviços prestados como doméstica, o foro competente é a Justiça laboral - leia-se, a propósito, o que dispõe a Emenda Constitucional nº 45".
 
Na rádio corredor da Magistratura (idem da Advocacia), acredita-se que o sutil recado não tenha sido dirigido à parte. Mas, sim, ao seu...advogado.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

   O homem sem cuecas

 

O homem sem cuecas

Ao se preparar para a audiência de instrução, o juiz se deparou com uma situação inusitada: a petição inicial afirmava que o reclamante não podia usar cuecas no trabalho e era obrigado a ficar totalmente nu durante as revistas. E às vezes, tinha que se abaixar...

Charge de Gerson Kauer

Romântico à moda antiga

 

Romântico à moda antiga

Segundo o juiz, enquadrar o sentimento e as investidas românticas do reclamado – sobre sua empregada doméstica - como assédio sexual “seria uma pena demasiadamente pesada, pois, se assim fosse, todos os homens teriam que fugir das mulheres para evitar problemas com a Justiça”.

Charge de Gerson Kauer

Sentenças da vida

 

Sentenças da vida

Em um coquetel promocional do lançamento de um novo produto de argentário banco, de repente surge um cidadão bem vestido, nariz empinado, puxando assunto: “Muito prazer, eu sou o Doutor Menezes, magistrado aposentado!”...

Charge de Gerson Kauer

Voyeurismo na academia de ginástica

 

Voyeurismo na academia de ginástica

Vidrado em fitness, o homem se exercitava seis vezes por semana. Abandonado pela namorada, pretendeu protestar contra as mulheres – e o fez de forma insólita. Pôs seu celular a gravar imagens no banheiro feminino. Foi flagrado e... 

Charge de Gerson Kauer

Impotência sexual não é risco de vida...

 

Impotência sexual não é risco de vida...

Para o juiz de primeiro grau, a falta de virilidade masculina não dá direito a medicamentos por conta do Estado, ainda mais em tempos de grande crise. Mas para o tribunal, “a prática sexual conjugal é garantia fundamental – e não um direito meramente programático”.