Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 12 de Fevereiro de 2016

A empregadinha e o viúvo



Romance forense

Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria


 O advogado de Lúcia foi sucinto ao relatar o pleito de sua cliente: "quando contava 18 de idade, ela iniciou relacionamento com Oscar, vindo a descobrir após alguns meses que ele era casado. Mas ele sempre a procurou e se encontravam em motéis, fazendo promessas de ajuda para o sustento do filho que ela já tinha, dizendo também que se casariam posteriormente, fato que nunca ocorreu, mesmo após o cidadão ter ficado viúvo".

Prosseguiu a inicial: "Oscar, a pretexto de ajudar a autora e seu filho, apenas colocou ambos no quadro social do clube e deu autorização para que a autora comprasse em nome dele na farmácia".

Como houve divergência sentimental (ou sexual?) entre os dois, o romance havia terminado - daí porque Lúcia ingressou com "ação de dissolução de sociedade de fato, cumulada com pedido de partilha de bens"!     
          
O juiz da causa julgou os pedidos improcedentes. Houve recurso de apelação, pedindo que alternativamente houvesse uma indenização pelas tarefas prestadas de "limpeza e serviços de mesa, principalmente considerando que a autora ia seguidamente levar remédios para ele, além de preparar seu almoço, todos os dias, tanto que fez prova que diariamente estacionava seu carro na garagem do prédio de Oscar".

O relator, "diante da singeleza das questões e dos elementos de convicção, bem como da orientação jurisprudencial desta corte", julgou monocraticamente, improvendo o apelo.

A decisão ainda conteve um ensinamento: "os efetivos serviços de cama não passaram de uma relação de amantes; acaso a apelante entenda ter direito a ser remunerada pelos serviços prestados como doméstica, o foro competente é a Justiça laboral - leia-se, a propósito, o que dispõe a Emenda Constitucional nº 45".
 
Na rádio corredor da Magistratura (idem da Advocacia), acredita-se que o sutil recado não tenha sido dirigido à parte. Mas, sim, ao seu...advogado.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Os advogados pamonhas

 

Os advogados pamonhas

Aborrecido de ver petições avaliadas e despachadas pela ´estagiariocracia´ e/ou pela ´assessorcracia´, profissional da Advocacia dedica um tópico inteiro na apelação para explicar como se faz a pamonha: uma iguaria de milho oriunda da culinária indígena. O acórdão passou em branco sobre a provocação.

O juiz que não gostava de processos

 

O juiz que não gostava de processos

Depois de tanto ´empurrar para adiante´ a solução do litígio judicial, o magistrado leu surpreso o que não esperava que um dos advogados escrevesse em letras vermelhas: “As partes já cansaram de dizer; por isso, diga agora o juiz quando vai prolatar a sentença".

Morto e soterrado sob a frialdade da terra

 

Morto e soterrado sob a frialdade da terra

Até o juiz que julgou extinto o executivo fiscal se emocionou, no final, com a petição que alfinetava o credor. Magistrado escreveu que “Deus tenha acolhido a alma do suposto devedor e que o credor conforme-se com o insucesso executivo”.

Uma esmola de 300 reais

 

Uma esmola de 300 reais

O desfecho inusitado de uma audiência na Justiça do Trabalho. O aquinhoado reclamado aceita a solução conciliatória sugerida pelo magistrado, tira o dinheiro do bolso e ofende: “Dou trezentos pilas para esse morto de fome”...

O inimigo secreto

 

O inimigo secreto

Como a festa de troca de presentes no Natal de 2014, entre 20 integrantes de uma grande banca advocatícia gaúcha, se transformou num caso judicial. Resultado: a condenação de um advogado a indenizar uma estagiária de meia idade, inapropriadamente chamada de “anta feia como o diabo”.