Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 27 de Maio de 2016.

A empregadinha e o viúvo



Romance forense

Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria


 O advogado de Lúcia foi sucinto ao relatar o pleito de sua cliente: "quando contava 18 de idade, ela iniciou relacionamento com Oscar, vindo a descobrir após alguns meses que ele era casado. Mas ele sempre a procurou e se encontravam em motéis, fazendo promessas de ajuda para o sustento do filho que ela já tinha, dizendo também que se casariam posteriormente, fato que nunca ocorreu, mesmo após o cidadão ter ficado viúvo".

Prosseguiu a inicial: "Oscar, a pretexto de ajudar a autora e seu filho, apenas colocou ambos no quadro social do clube e deu autorização para que a autora comprasse em nome dele na farmácia".

Como houve divergência sentimental (ou sexual?) entre os dois, o romance havia terminado - daí porque Lúcia ingressou com "ação de dissolução de sociedade de fato, cumulada com pedido de partilha de bens"!     
          
O juiz da causa julgou os pedidos improcedentes. Houve recurso de apelação, pedindo que alternativamente houvesse uma indenização pelas tarefas prestadas de "limpeza e serviços de mesa, principalmente considerando que a autora ia seguidamente levar remédios para ele, além de preparar seu almoço, todos os dias, tanto que fez prova que diariamente estacionava seu carro na garagem do prédio de Oscar".

O relator, "diante da singeleza das questões e dos elementos de convicção, bem como da orientação jurisprudencial desta corte", julgou monocraticamente, improvendo o apelo.

A decisão ainda conteve um ensinamento: "os efetivos serviços de cama não passaram de uma relação de amantes; acaso a apelante entenda ter direito a ser remunerada pelos serviços prestados como doméstica, o foro competente é a Justiça laboral - leia-se, a propósito, o que dispõe a Emenda Constitucional nº 45".
 
Na rádio corredor da Magistratura (idem da Advocacia), acredita-se que o sutil recado não tenha sido dirigido à parte. Mas, sim, ao seu...advogado.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Bruna surfistinha, a estagiária gaúcha

 

Bruna surfistinha, a estagiária gaúcha

Na empresa especializada em “conceder créditos sem que o cliente tenha que sair de casa”, a jovem estagiária tinha – ante a anunciada vocação de ser juíza - a incumbência de examinar os cadastros dos interessados na grana a ser emprestada, e na formalização das garantias. O dono da ´financeira´ também estava de olho nela...

Charge de Gerson Kauer

Casado à noite, mas solteiro à tarde...

 

Casado à noite, mas solteiro à tarde...

O ´Excelentíssimo Senhor Operador Jurídico´ exercia sua bem remunerada profissão com as confortáveis achegas de criticados penduricalhos. Como era possível não ser assíduo ao trabalho, ele eventualmente usava o horário vespertino para praticar o nobre esporte dos leitos.

Charge de Gerson Kauer

O gigolô da campeã de vendas

 

O gigolô da campeã de vendas

A inusitada avaliação pública do diretor, no Brasil, de um grande laboratório multinacional, ao premiar sua melhor vendedora. “Ela só não é perfeita porque se submete aos caprichos do seu namorado, aqui presente, que nada mais é do que um barato e desligado explorador... um rotundo gigolô!”

Charge de Gerson Kauer

Petição de falecimento

 

Petição de falecimento

Para defender seu cliente, erradamente alvo de uma citação com hora certa, o advogado não poupou críticas ao auxílio-moradia dos magistrados e ao poder dos estagiários. Quanto ao efetivo executado, a petição foi candente: “a robustecida alma do pobre devedor, ora se banha na estanhada lisura das águas tépidas do luzente lago, onde o cisne do espírito se nutre naquilo que, comumente, chamamos de eternidade”.

Charge de Gerson Kauer

Escapadinha no motel

 

Escapadinha no motel

Casal sem filhos, o Péricles e a Luiziana viviam bem, no seu casamento de três anos. Mas, um dia, se desavieram; ela saiu de casa e foi morar com a mãe. Era uma separação de fato. Foi então que ela reencontrou um ex-namorado e resolveu recordar profundas intimidades. O desfecho foi no WhatsApp.

Charge de Gerson Kauer

A mulher do padre

 

A mulher do padre

Ela cuidava do religioso e das coisas da igreja desde 1973. Eles frequentavam, juntos, assembleias religiosas, jantares, eventos, aniversários, etc. Em 1994, os dois passaram a morar sob o mesmo teto.