Ir para o conteúdo principal

Terça-feira , 03 de Maio de 2016.

A empregadinha e o viúvo



Romance forense

Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria


 O advogado de Lúcia foi sucinto ao relatar o pleito de sua cliente: "quando contava 18 de idade, ela iniciou relacionamento com Oscar, vindo a descobrir após alguns meses que ele era casado. Mas ele sempre a procurou e se encontravam em motéis, fazendo promessas de ajuda para o sustento do filho que ela já tinha, dizendo também que se casariam posteriormente, fato que nunca ocorreu, mesmo após o cidadão ter ficado viúvo".

Prosseguiu a inicial: "Oscar, a pretexto de ajudar a autora e seu filho, apenas colocou ambos no quadro social do clube e deu autorização para que a autora comprasse em nome dele na farmácia".

Como houve divergência sentimental (ou sexual?) entre os dois, o romance havia terminado - daí porque Lúcia ingressou com "ação de dissolução de sociedade de fato, cumulada com pedido de partilha de bens"!     
          
O juiz da causa julgou os pedidos improcedentes. Houve recurso de apelação, pedindo que alternativamente houvesse uma indenização pelas tarefas prestadas de "limpeza e serviços de mesa, principalmente considerando que a autora ia seguidamente levar remédios para ele, além de preparar seu almoço, todos os dias, tanto que fez prova que diariamente estacionava seu carro na garagem do prédio de Oscar".

O relator, "diante da singeleza das questões e dos elementos de convicção, bem como da orientação jurisprudencial desta corte", julgou monocraticamente, improvendo o apelo.

A decisão ainda conteve um ensinamento: "os efetivos serviços de cama não passaram de uma relação de amantes; acaso a apelante entenda ter direito a ser remunerada pelos serviços prestados como doméstica, o foro competente é a Justiça laboral - leia-se, a propósito, o que dispõe a Emenda Constitucional nº 45".
 
Na rádio corredor da Magistratura (idem da Advocacia), acredita-se que o sutil recado não tenha sido dirigido à parte. Mas, sim, ao seu...advogado.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Petição de falecimento

 

Petição de falecimento

Para defender seu cliente, erradamente alvo de uma citação com hora certa, o advogado não poupou críticas ao auxílio-moradia dos magistrados e ao poder dos estagiários. Quanto ao efetivo executado, a petição foi candente: “a robustecida alma do pobre devedor, ora se banha na estanhada lisura das águas tépidas do luzente lago, onde o cisne do espírito se nutre naquilo que, comumente, chamamos de eternidade”.

Charge de Gerson Kauer

Escapadinha no motel

 

Escapadinha no motel

Casal sem filhos, o Péricles e a Luiziana viviam bem, no seu casamento de três anos. Mas, um dia, se desavieram; ela saiu de casa e foi morar com a mãe. Era uma separação de fato. Foi então que ela reencontrou um ex-namorado e resolveu recordar profundas intimidades. O desfecho foi no WhatsApp.

Charge de Gerson Kauer

A mulher do padre

 

A mulher do padre

Ela cuidava do religioso e das coisas da igreja desde 1973. Eles frequentavam, juntos, assembleias religiosas, jantares, eventos, aniversários, etc. Em 1994, os dois passaram a morar sob o mesmo teto.

Charge de Gerson Kauer

Promotorite vexaminosa

 

Promotorite vexaminosa

Os operadores jurídicos estão intrigados com o agir do único promotor de justiça da comarca. Ele dirige seu carro usando um capacete, como se fosse piloto de Fórmula 1. Quando almoça ou janta em restaurantes, sempre determina que seus acompanhantes, antes, provem sua comida e bebida, com medo de ser envenenado.

Charge de Gerson Kauer

O Excelentíssimo Juiz Justimiano

 

O Excelentíssimo Juiz Justimiano

Empossado e designado para uma comarca interiorana, o magistrado logo decidiu manter-se afastado de maior contato com advogados. Estes seriam recebidos, fora das audiências, apenas nas quintas-feiras, das 18 às 18h30. Em casa, a esposa do juiz – quando recebia suas amigas - referia-se a ele como “Sua Excelência”.

Charge de Gerson Kauer

A porta de entrada e a porta de saída

 

A porta de entrada e a porta de saída

Certa vez, o cantor Roberto Carlos foi a uma missa católica em Los Angeles, e passou tempo demais rezando. O padre encerrou a cerimônia, quase todos saíram, as luzes foram sendo apagadas, ficaram só Roberto e o sacristão. Foi então que este fechou a porta principal da igreja...