Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 25 Julho de 2017

STJ dá critérios para apuração de haveres em retirada de sócio



A 4ª Turma do STJ, por maioria, ao julgar o REsp 958.116-PR, entendeu que a repercussão econômica do renome de um dos sócios não integra o cálculo na apuração de haveres em dissolução parcial de sociedade simples composta por profissionais liberais.

Para os ministros, o renome é atributo personalíssimo, intransferível, fora do comércio e não indenizável a título de fundo de comércio. O renomado, ao deixar a sociedade, leva consigo todos os benefícios dessa circunstância.

Decidiram os julgadores, ainda, que a apuração de haveres em sociedades simples de profissionais liberais deve seguir o art. 1.031 do CC, como se a sociedade fosse extinta, e o valor apurado deve ser dividido entre os sócios. Já quando se tratar de alienação de sociedade empresária, procede-se mediante apuração dos bens atuais mais a previsão de lucros.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Condenação solidária da Oi e de advogado gaúcho

É a primeira sentença, proferida em Porto Alegre, condenando a sucessora da Brasil Telecom por acordo prejudicial firmado em ação que discutia a dobra acionária. Demandante recebeu apenas 3% do seu crédito.

Os gastos dos deputados federais gaúchos com refeições

O valor reembolsado é 62% superior à média. O jeitinho para faturar um pouco mais, além do salário mensal  de R$ 33.763,00. Entre as guloseimas ingeridas, uma entrada de R$ 42 e um prato principal de R$ 192 num restaurante português em Porto Alegre.

Ferran

O Brasil das mamatas

 

O Brasil das mamatas

Em périplo internacional para, alegadamente, contestar o impeachment, Dilma Rousseff gastou, do erário, no primeiro semestre de 2017, em passagens e diárias – para a sua equipe – três vezes mais do que todos os ex-presidentes juntos. Foram R$ 522.697. É conveniente saber que um decreto de 2008 autoriza isso!

Milhões de reais disponíveis

Agilizem-se, antes que a União raspe o dinheiro! Justiça Federal do RS convoca credores, e seus advogados, que deixaram de requerer o levantamento de verbas depositadas. São R$ 87,4 milhões relativos a RPVs e precatórios.