Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 21 de Novembro de 2017

STJ dá critérios para apuração de haveres em retirada de sócio



A 4ª Turma do STJ, por maioria, ao julgar o REsp 958.116-PR, entendeu que a repercussão econômica do renome de um dos sócios não integra o cálculo na apuração de haveres em dissolução parcial de sociedade simples composta por profissionais liberais.

Para os ministros, o renome é atributo personalíssimo, intransferível, fora do comércio e não indenizável a título de fundo de comércio. O renomado, ao deixar a sociedade, leva consigo todos os benefícios dessa circunstância.

Decidiram os julgadores, ainda, que a apuração de haveres em sociedades simples de profissionais liberais deve seguir o art. 1.031 do CC, como se a sociedade fosse extinta, e o valor apurado deve ser dividido entre os sócios. Já quando se tratar de alienação de sociedade empresária, procede-se mediante apuração dos bens atuais mais a previsão de lucros.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Aposentadoria generosa até para corruptos

Pagamento sistemático de aposentadoria de até R$ 23.344,70 por mês para nove deputados cassados. O próximo a engrossar a lista será o notório José Dirceu. A área técnica da Câmara já reconheceu que o ex-chefe da Casa Civil de Lula tem direito à aposentadoria de R$ 9.646,57 mensais.

Foto: The Intercept

Desembargadora-ministra pede para acumular salário de R$ 61 mil

 

Desembargadora-ministra pede para acumular salário de R$ 61 mil

A baiana Luislinda Valois (PSDB), titular do Ministério dos Direitos Humanos reclama contra a “escravidão” em carta ao governo. E diz que “o trabalho executado sem a correspondente contrapartida se assemelha a trabalho escravo”. Explica querer ganhar R$ 61 mil mensais para “poder comer, beber, calçar, maquiar-se, etc.”
 

MPF isenta brasileiros de responsabilidade no acidente da Chapecoense

Inquérito encerrado ontem (26) apontou a falta de combustível como a causa da queda do avião, além de não haver evidências sobre a participação de brasileiros na tragédia. E a Justiça estadual de SC suspendeu a estreia do filme “O Milagre de Chapecó”, que está sendo finalizado por uma empresa uruguaia.