Ir para o conteúdo principal

Terça-feira , 30 de Agosto de 2016.

Dois advogados, dois estagiários e uma assistente Jurídica ganharam os livros sorteados pelo Espaço Vital



Destaques Os advogados Solange Miguelina Picoli da Silva (Porto Alegre/RS) e Carlos Leno Rodrigues Sarmento (Rio de Janeiro/RJ), os estudantes Rafael Gustavo Garcia Massei (Londrina/PR) e Marcelo Machado Júnior (Governador Valadares/MG) e a assistente Jurídica Keynne Nathyele Duarte Bueno (Viamão/RS), ganharam, em sorteio realizado na sexta-feira (08) os cinco exemplares do livro "Direito dos contratos” , escrito pelo advogado Daniel Ustárroz. Basta preencher e remeter o formulário.

Solicita-se aos contemplados que enviem um e-mail para 1234@espacovital.com.br, confirmando seus endereços, para que a remessa seja feita por via postal.

O advogado Araken de Assis, desembargador (pelo quinto constitucional) aposentado do TJRS faz um objetivo comentário do livro:

"A sociedade pós-moderna põe à disposição dos interessados em qualquer assunto um volume tal de informação, nos mais variados segmentos da mídia, que o maior problema consiste em localizar, joeirar e aproveitar esse imenso material.
 
E convém realçar a importância do verbo "joeirar", pois há de tudo, do ótimo ao pior.

Por outro lado, apesar do ceticismo reinante quanto à sobrevivência do meio impresso, nunca se viu, no Brasil e no exterior, número tão expressivo de livros quanto atualmente.

A produção científica na área do Direito é simplesmente copiosa. Também aqui joeirar o que é ótimo do ruim constitui tarefa delicada.

Não tenho a menor dúvida que os trabalhos de Daniel Ustárroz, hoje nome consagrado das letras jurídicas, são de primeira categoria. Localizará o leitor, neste e em outros volumes do renomado autor, informações preciosas para a pesquisa e, principalmente, a atividade profissional.

É com satisfação que li a primeira edição; trata-se, portanto, da minha impressão pessoal acerca dos estudos aqui encartados".


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Tatuagem não pode eliminar candidatos em concursos públicos

Decisão do STF, em caso com repercussão geral, define que só não serão aceitos desenhos pigmentados na pele se expressarem ideologias terroristas, extremistas, contrárias às instituições democráticas, incitem violência ou incentivem preconceitos.