Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 26 de Agosto de 2016.

Escrivão judicial é denunciado por desvio de dinheiro de fianças



O Ministério Público do Paraná ofereceu denúncia à Justiça contra Ademir Aguayo, um técnico de secretaria do TJ-PR por usurpação de função pública, falsidade ideológica, peculato e extravio, sonegação ou inutilização de livro ou documento. Ele desempenhava as funções de escrivão interino.

Segundo o MP, Ademir respondeu, por designação, pelo cartório da 3ª Vara Criminal da comarca de Londrina (PR), de 28 de abril de 1998 a 30 de agosto de 2002, e de 2 de setembro de 2002 a 2 de junho de 2011.

No período em que atuava como escrivão designado - segundo o MP - ele teria desviado indevidamente dinheiro de fianças e sonegado processos criminais, impedindo o andamento dos mesmos.
 
O procedimento criminal que tramitou na 16ª Promotoria de Londrina, sob a responsabilidade dos promotores de justiça Márcia Regina Rodrigues de Menezes dos Anjos e Adriano Zampieri Calvo foi distribuído para a 5ª Vara Criminal de Londrina e apurou irregularidades.
 
"O denunciado, enquanto exercia o cargo de escrivão designado da 3ª Vara Criminal da Comarca de Londrina, utilizando-se de alvarás judiciais concedidos pelo Juízo da Vara Criminal mencionada, em 25 processos criminais, procedeu ao levantamento de valores recolhidos a título de fiança em tais processos, depositados em contas vinculadas ao Juízo, sacou referidas quantias e as subtraiu em proveito próprio", diz trecho da denúncia.

O Ministério Público Estadual já havia ingressado com uma notícia crime (nº 887509-6), no TJ-PR, contra a juíza londrinense Oneide Negrão de Freitas. Ela está afastada da 3ª Vara Criminal de Londrina desde setembro do ano passado, após a Corregedoria do TJ encontrar mais de 90 processos parados nas gavetas da vara, entre eles pedidos de cumprimento de cartas precatórias.

Segundo o MP, a juíza, além de engavetar procedimentos, também se recusava a permitir que um escrivão concursado e nomeado pelo TJ-PR assumisse sua função, que até então era exercida por Aguayo.

O advogado da juíza, Elias Mattar Assad, disse estar despreocupado com o processo.  "Foi instaurado o procedimento e a única coisa que posso falar sobre isso é que estou trabalhando para inocentar a minha cliente" - explicou.

Oneide Negrão é juíza há quase 30 anos. Ela está classificada na 3ª Vara Criminal de Londrina desde 2006. No decreto judiciário onde a magistrada é tratada apenas por iniciais (O.N.F.), o presidente do TJ paranaense, desembargador Miguel Kfouri Neto, anuncia que o afastamento é preventivo e não estabelece prazo de duração, citando o parágrafo 1º do artigo 15 da Resolução 135 do Conselho Nacional de Justiça, que trata do processo disciplinar contra juízes impedidos de utilizar o seu local de trabalho e usufruir de veículo oficial e outras prerrogativas inerentes ao exercício da função”.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli

Ministério Público denuncia cinco advogados

 

Ministério Público denuncia cinco advogados

Acusação por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e patrocínio infiel é voltada contra os gaúchos Maurício Dal Agnol, Marco Antonio Bezerra Campos, Gabriel de Freitas Melro Magadan e Pablo Pacheco dos Santos e contra o baiano (radicado no Rio), Eurico de Jesus Teles Neto, diretor jurídico da Oi Telefonia.

Sinais de profunda intolerância no mundo!

Confusão no cinema. Homem é condenado penalmente por vias de fato, por empurrar mulher – e derrubar seus pertences. Dispondo do ingresso correto, ela procurava acomodar-se no assento exato, que estava ocupado. O mesmo incidente já tem sentença cível condenatória por dano moral. Leia a íntegra dos julgados.

A absolvição moral, 76 anos depois

O filho de médico gaúcho condenado em 1940 a dois meses de prisão por suposta imperícia médica, obtém – em nome do pai - a revisão criminal da pena que, pouco antes de seu cumprimento, causou o suicídio do profissional da medicina.

Cumprimento da pena de prisão antes do trânsito em julgado

Nova decisão monocrática no STF manda prender prefeito condenado em 2012 por fraude em licitações e desvio de recursos em proveito próprio e alheio. Ministro Edson Fachin revoga decisão proferida, durante o recesso de julho, pelo presidente Ricardo Lewandowski.