Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 29 de Abril de 2016.

Tudo começou com Pedro Álvares Cabral



Burocracia, tudo começou com Cabral
 
Por Sérgio Amad Costa,
professor de Recursos Humanos e Relações Trabalhistas da FGV-SP.


As empresas gastam uma parte considerável de seu tempo com excessivas atividades burocráticas para cumprir diversas obrigações legais. Isso eleva os custos, desviando recursos produtivos para atividades improdutivas, reduzindo, assim, a competitividade econômica do País. A burocracia é sempre alvo de críticas, mas, de certa forma, ela está enraizada na nossa cultura. Nossa sociedade foi formada por intermédio de regras burocráticas.

A existência da burocracia no Brasil não é recente. Aliás, é mais antiga do que o próprio País. Quando a nau lusitana, em 1500, aqui atracou, primeiro os portugueses estruturaram um aparelho burocrático e só depois passaram a povoar a terra. Portanto, podemos nos considerar, se não descendentes, pelo menos contemporâneos da burocracia, desde as nossas origens.

Mas foi no século 20, mais precisamente a partir da década de 1930, que a burocracia se agigantou no Brasil. O “Estado Cartorial” serviu prestimosamente ao governo do ditador Vargas, permitindo a produção e a reprodução de sua política de empreguismo, nos seios das camadas médias urbanas, assegurando, assim, a influência do Estado sobre uma boa parte da opinião pública.

A partir daquela época, a burocracia não parou decrescer a passos de gigante. Equivocam-se os que afirmam ser o povo brasileiro desorganizado. Ocorre justamente o inverso. “Organização” é o que não nos faltou, forçando a existência, no período de 1979 a 1986, até mesmo de um Ministério da Desburocratização, incumbido de reduzir o fardo burocrático no País. Nessa época foram executadas várias ações positivas. Mas elas foram em vão, pois ocorreram num curto período de tempo e logo voltamos às nossas origens burocráticas.

O País resistiu à desburocratização. Focando, como exemplo, o campo das relações trabalhistas, já em meados dos anos 2000 o Brasil foi apontado, num estudo das universidades americanas de Yale e Harvard, como o recordista mundial de regulação trabalhista. O Brasil aparece, nas conclusões da pesquisa, comoo que tem as leis trabalhistas mais rígidas, num grupo de 85 países ricos, emergentes e pobres.

A situação atual não mostrou nenhuma melhora. Estudos realizados com empresas, no País, em 2011, apontam que a principal complexidade burocrática está atrelada à área de relações do trabalho. São mais de 3 mil regras, fixadas em dispositivos constitucionais, Consolidação das Leis do Trabalho, súmulas do TST e do STF, normas para a segurança e a saúde do trabalhador (33 normas subdivididas em mais de 2 mil itens), Previdência Social, etc.

Cumpre assinalar, também, que vários dispositivos legais trabalhistas carregam incontáveis anexos, com inúmeras regras adicionais. O País conta, além disso tudo, com 63 profissões regulamentadas que são dirigidas por normas específicas, cada uma delas com dezenas de regras. E, pasme, caro leitor, dentre elas estão a de peão de rodeio e a de repentista.

A verdade é que não há meios para eliminar os excessos burocráticos com o atual modelo de relações trabalhistas. Praticamente tudo já está regulamentado, seguindo a tradição burocrática. A única forma de acabar com as disfunções da burocracia é flexibilizar nossa legislação e tornar as relações entre empregados e empregadores preponderantemente negociáveis. Assim, sobraria muito mais tempo para atividades produtivas e haveria redução significativa de custos, com a eliminação de desperdícios burocráticos.

O fato é que o monstro burocrático cresceu em proporções dinossáuricas de Cabral para cá. Hoje, precisamos nos organizar para “desorganizar” a “organização”. Mas essa é uma tarefa quase impossível na presente conjuntura, pois há forte resistência em flexibilizar a legislação trabalhista. E a burocracia também é uma viga que sustenta um imenso cabide de empregos, que serve afins puramente eleitoreiros.
 
Mas sejamos otimistas. Isso um dia muda.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O novo processo do trabalho à luz do NCPC/15

A controvérsia em torno das novas regras processuais. “Ficará a cargo do TST, colmatar as inúmeras lacunas deixadas pela IN nº 39/2016, com o propósito de conferir maior racionalidade ao sistema e, concomitantemente, velar pelo respeito ao devido processo legal em sua acepção substancial”.Artigo de Ricardo Souza Calcini.

Pra não dizer que não falei de impeachment

Adroaldo Furtado Fabrício recorda, a propósito do impeachment, “aquele deprimente espetáculo de vaidades, ignomínias e baixaria geral”. E imagina-se a escrever o roteiro de um ´western´ – inspirado em Brasília – a ser dirigido por Clint Eastwood. “Renomados e temidos pistoleiros estão em cena. Não se trata de um duelo, pois são três, cada um por si e contra os outros dois. Todos têm a certeza de que do encontro sobrará um só, se sobrar”... 

Alô, mamãe!

...E pelos meus filhinhos, digo SIM! No ar, mais um campeão de indecência!”. Artigo de Manoel Marcondes Machado Neto, doutor em Ciências da Comunicação pela USP.

Os próximos passos do processo de impeachment de Dilma

O brilhante Paulo Brossard, em 1993, publicou um artigo em que criticava a medievalidade desta feitura processual. O texto finalizava assim: ´Poucas pessoas se dão conta de que o impeachment declinou na Inglaterra quando, em seu lugar, a moção de censura entrou a funcionar e veio a substituir o cepo e o machado, que serviram para que rolassem algumas cabeças mais menos ilustres... e a linguagem não é figurada.´” Artigo do advogado Marcones Santos.

Vizinho do Lula

Adroaldo Furtado Fabrício vizinhou com o ex-presidente da República por algumas horas, no Hotel Golden Tulip, em Brasília. E questiona “sobre quem estaria suportando a conta da falada suíte do terceiro andar, hoje funcionando como uma espécie de prolongamento da Esplanada dos Ministérios, frequentada por todos os maiores figurões do poder”.

O Supremo e seu labirinto

“O resultado tem sido a centralização, a suprema judicialização inclusive dos destinos de uma nação. A centralização é tanta que o STF não consegue tudo resolver. Seleciona. A uns, a luz da decisão; a outros, cerca de 50 mil, a escuridão de esperas imemoriais”. Artigo de Joaquim Falcão, professor da FGV Direito Rio.