Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 31 de Julho de 2015

Uma nação sem caráter


Por Cássio Roberto dos Santos Andrade,
procurador do Estado de Minas Gerais.

 
Carina, Patrícia e Manuela estão sentadas no meio-fio ao lado de um semáforo da avenida principal da cidade, às 2h30 de uma madrugada fria. Estão descalças, sem agasalhos, o que provoca um abraço fraternal para esquentar os três corpos miúdos, maltratados pela vida, despedaçados pela desigualdade. Aguardam alguém que venha buscá-las ou autorizá-las a dormir. Os carros passam com os vidros fechados. A cidade é perigosa.

Elas têm sete, seis e cinco anos, respectivamente. Vendem balas no sinal de trânsito, lutando por qualquer ajuda.  Sustentam o lar de uma família cujo pai nunca existiu e a mãe só fez repetir a saga de uma vida miserável que lhe veio como herança.

Se a sorte permitir, elas chegarão aos 12 anos, quando nascerão os primeiros traços da adolescência. Nessa fase, descobrirão que os vidros dos carros passarão a se abrir, onde surgirão olhares diferentes que oferecem dinheiro sem receber balas em troca. Querem mais. Elas não terão escolha; nunca tiveram.

No mês de março de 2012 a imprensa noticiou que o STJ decidiu que um adulto que praticara sexo com três crianças de 12 anos não cometeu crime, pois elas já estariam no mundo da prostituição. Pelo entendimento da corte divulgado pela mídia, a relação sexual com crianças menores de 14 anos só configuraria estupro se elas estivessem amparadas pelo manto branco da inocência. Para os togados, segundo o que se noticiou, as meninas haviam escolhido a prostituição.

As crianças que passam pelos sinais de trânsito nos carros luxuosos com os vidros fechados não podem ser molestadas. Elas não escolheram a prostituição. Já Carina, Patrícia e Manuela, pelo olhar justo dos que exercem o poder, podem preferir a violência da madrugada ao aconchego de um lar confortável, com babás caras, brinquedos raros.  

Pela mensagem que o Brasil lança ao mundo, essas filhas do abandono brasileiro têm capacidade e opção para decidir, livre e conscientemente, pelo caminho sujo de satisfazer os desvios de um submundo podre e hipócrita. Ao invés de reprimir o ato criminoso de um adulto perverso que optou por perpetuar a violação de três crianças, preferiu a nossa corte superior julgar o comportamento dessas meninas que nunca tiveram a chance de dizer não.  Nasceram condenadas sem culpa e sem crime.

Se todo o poder emana do povo, o país que aceita institucionalmente o estupro de qualquer de suas crianças, seja qual for a razão, é uma nação sem caráter.
 
O repugnante turismo sexual infantil agradece.
 
cassioroberto@cassioandrade.adv.br

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Uber: a eficácia da livre concorrência

Os serviços de táxi não são serviços públicos, logo não estão sob monopólio. E por serem serviços privados estariam inseridos dentro da ideia do princípio da livre concorrência”. Artigo da advogada Clarissa Felipe Cid.

Lula e os judeus

Na ocasião da posse do Sindicato dos Bancários do ABC, o ex-presidente da República comparou as críticas que o PT e a esquerda vêm sofrendo com a perseguição feita aos judeus pelos nazistas”. Artigo do juiz federal Hugo Otávio Tavares Vilela.

Ousadia judicial

Como advertiu o mestre Piero Calamandrei, “há mais coragem no magistrado em ser justo parecendo injusto, do que em ser injusto para salvaguardar as aparências de justiça". Artigo da advogada Kátia Tavares.

O Código Divino

Aquele que tiver pensamentos positivos irá atrair para si o mesmo tipo de frequência, ao passo que quem tiver com pensamentos negativos receberá do universo a mesma carga negativa”. Artigo do advogado Mauricio Antonacci Krieger (OAB-RS nº 73.357).

Em estado de emergência !?

A crise se agrava, como se fosse uma enchente sem fim. E quando a água baixar, não sabemos em qual estado estará o nosso país”. Artigo de Lucas Carini, assessor jurídico em escritório de advocacia.

Uma apreciável inovação no TJ gaúcho

Ação judicial paga sem a necessidade de sentença. Recursos públicos preservados. E honorários advocatícios recebidos. A isso se denomina sabedoria, força e até mesmo beleza”. Artigo do advogado Telmo Schorr (32.158), membro da Comissão de Precatórios da OAB-RS.