Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 24 de Junho de 2016.

Uma nação sem caráter



Por Cássio Roberto dos Santos Andrade,
procurador do Estado de Minas Gerais.

 
Carina, Patrícia e Manuela estão sentadas no meio-fio ao lado de um semáforo da avenida principal da cidade, às 2h30 de uma madrugada fria. Estão descalças, sem agasalhos, o que provoca um abraço fraternal para esquentar os três corpos miúdos, maltratados pela vida, despedaçados pela desigualdade. Aguardam alguém que venha buscá-las ou autorizá-las a dormir. Os carros passam com os vidros fechados. A cidade é perigosa.

Elas têm sete, seis e cinco anos, respectivamente. Vendem balas no sinal de trânsito, lutando por qualquer ajuda.  Sustentam o lar de uma família cujo pai nunca existiu e a mãe só fez repetir a saga de uma vida miserável que lhe veio como herança.

Se a sorte permitir, elas chegarão aos 12 anos, quando nascerão os primeiros traços da adolescência. Nessa fase, descobrirão que os vidros dos carros passarão a se abrir, onde surgirão olhares diferentes que oferecem dinheiro sem receber balas em troca. Querem mais. Elas não terão escolha; nunca tiveram.

No mês de março de 2012 a imprensa noticiou que o STJ decidiu que um adulto que praticara sexo com três crianças de 12 anos não cometeu crime, pois elas já estariam no mundo da prostituição. Pelo entendimento da corte divulgado pela mídia, a relação sexual com crianças menores de 14 anos só configuraria estupro se elas estivessem amparadas pelo manto branco da inocência. Para os togados, segundo o que se noticiou, as meninas haviam escolhido a prostituição.

As crianças que passam pelos sinais de trânsito nos carros luxuosos com os vidros fechados não podem ser molestadas. Elas não escolheram a prostituição. Já Carina, Patrícia e Manuela, pelo olhar justo dos que exercem o poder, podem preferir a violência da madrugada ao aconchego de um lar confortável, com babás caras, brinquedos raros.  

Pela mensagem que o Brasil lança ao mundo, essas filhas do abandono brasileiro têm capacidade e opção para decidir, livre e conscientemente, pelo caminho sujo de satisfazer os desvios de um submundo podre e hipócrita. Ao invés de reprimir o ato criminoso de um adulto perverso que optou por perpetuar a violação de três crianças, preferiu a nossa corte superior julgar o comportamento dessas meninas que nunca tiveram a chance de dizer não.  Nasceram condenadas sem culpa e sem crime.

Se todo o poder emana do povo, o país que aceita institucionalmente o estupro de qualquer de suas crianças, seja qual for a razão, é uma nação sem caráter.
 
O repugnante turismo sexual infantil agradece.
 
cassioroberto@cassioandrade.adv.br

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A democratização do Judiciário: o momento para uma discussão racional

Mais de 98% dos juízes brasileiros não são pretos ou indígenas. Em outras palavras, 98% dos magistrados do Brasil possivelmente jamais sofreram uma abordagem policial em razão da cor da sua pele. E 98% dos juízes brasileiros possivelmente jamais sofreram o temor de perder um pedaço coletivo de terra que consideram sagrada”. Artigo de André Augusto Salvador Bezerra, presidente do Conselho Executivo da Associação Juízes para a Democracia

Politicamente (in)correto

“Sem negar o repugnante que é o racismo, sua criminalização ingressou no universo jurídico brasileiro com feição bizarra. Quem chamar o negro de macaco pratica um crime inafiançável; quem matá-lo, poderá talvez prestar fiança e responder em liberdade”.

O celular e o futuro da justiça

“Um jovem advogado de Pernambuco teve, em dois anos, mais de mil casos na justiça. Não tem escritório. Não tem secretária. Não tem biblioteca, mas tem um celular. E basta”. Artigo de Joaquim Falcão, professor da FGV Direito Rio.

Fila ordinária” da ordem cronológica e “fila dupla” de idosos

O drama dos precatórios continua. “Não havendo recursos suficientes para saldar dívida bilionária, os valores são alcançados aos credores em doses homeopáticas. E os advogados estão sendo prejudicados nos pedidos de preferência”. Artigo do advogado Telmo Schorr.