Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 27 de Maio de 2016.

Intruso no imóvel



Artigos Por Daniel Alcântara Nastri Cerveira,
advogado (OAB-SP nº 200.121)


O artigo 13, da Lei do Inquilinato, é expresso no sentido de que a cessão da locação, a sublocação ou empréstimo do imóvel, total ou parcialmente, dependem do consentimento prévio e escrito do locador. Sendo assim, salvo autorização prevista em contrato, o inquilino não pode transferir a locação, sublocar ou emprestar (dar em comodato) o imóvel para terceiros sem a anuência escrita do locador.

Se ocorrida a cessão, sublocação ou empréstimo irregular, o novo ocupante do imóvel caracteriza-se como um intruso. Ou seja, detentor de uma posse injusta, que lhe foi transmitida indevidamente.

Diante deste cenário, criou-se uma grande divergência na doutrina e jurisprudência sobre qual é a ação judicial adequada para a retomada da posse do imóvel pelo locador.

Em resumo, existem duas correntes bem divididas: a ação cabível sempre será a despejo e proposta contra o inquilino; ou caberá ao locador optar pela ação despejo contra o locatário ou ação de reintegração de posse em face do intruso.

Os defensores da primeira corrente estão amparados no artigo 5º, da Lei do Inquilinato, o qual estabelece que “seja qual for o fundamento do término da locação, a ação do locador para reaver o imóvel a de despejo”. Ademais, para estes a ação de despejo é a correta, visto que é necessário que primeiramente seja rescindido o contrato de locação com o cedente ou sublocador, ou contra o
sublocatário ou cessionários irregulares. Como exemplo de juristas que defendem esta linha de entendimento, temos o saudoso Pontes de Miranda e o Pestana Aguiar.

Quanto à segunda corrente, sustentam os seus idealizadores que, uma vez que a posse injusta configura esbulho possessório, tem-se como apropriada a ação de reintegração de posse contra o ocupante irregular. Visto que a posse não está assentada em contrato de locação e que, mesmo se não for formalmente rescindido o contrato de locação, não é razoável obrigar que o locador tolere “a posse de terceiros em sua propriedade, até que desfeito com o locatário o pacto de arrendamento” (palavras de José Guy de Carvalho Pinto, in “Locação & Ações Locativas).

E, no mesmo sentido, alegam estes juristas que os locadores estariam autorizados a optarem pela ação de despejo contra o inquilino, na medida em que a cessão, sublocação ou empréstimo irregular caracterizam-se com infração legal e contratual. Podemos citar como defensores desta segunda corrente os juristas Maria Helena Diniz, Tucci e Villaça Azevedo, além de José Guy de Carvalho Pinto.

Na prática observamos que, por cautela, os locadores normalmente preferem ajuizar a ação de despejo contra o locatário, tendo em vista que, por vezes, é difícil fazer prova da invasão (especialmente nas locações residenciais). Entretanto, dependendo do caso concreto, a ação de reintegração de posse pode ser interessante do ponto de vista do senhorio, vez que o seu procedimento admite, como regra, pedido liminar, diferentemente da ação de despejo, onde a liminar é exceção.                             

daniel@cerveiraadvogados.com.br

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Cuidado com o prazo para a citação por edital!

Pelo novo Código de Processo Civil, "incumbe ao autor adotar, no prazo de dez dias, as providências necessárias”. Artigo de Sérgio Souza Araújo, serventuário da justiça aposentado.

Nem as moscas

 

Nem as moscas

Ouvi de um pessimista que, desta vez, ´nem as moscas mudam´. De fato, a nominata do Ministério Temer passa a ideia sugerida pela fala de certa personagem de Giuseppe di Lampedusa, em Il Gatopardo: as mudanças se fazem para que tudo continue como está”.

Judicialização e impeachment

O Judiciário, ao contrário dos demais Poderes, pode interferir diretamente no resultado das atividades do Legislativo e do Executivo (por via do controle da constitucionalidade e da legalidade), mas – também nisso diferente deles – não se move por iniciativa própria”.

Novos contratos da construção civil e resolução de disputas

“Ainda que a opção pelo Poder Judiciário seja prática comum, os contratantes têm optado pelas chamadas ´soluções alternativas´ de conflitos, em que a arbitragem reina”. Artigo dos advogados Luis Renato Ferreira da Silva e Guilherme Carneiro Monteiro Nitschke.

Anatel: o sindicato das empresas de telefonia

O País precisa aplicar a lógica dos direitos do consumidor. Quando se examinam os baixos índices de crescimento da economia, nem sempre se levam em conta fatores que violam as mais elementares relações de consumo”. Artigo de Claudio Lamachia, presidente nacional da OAB.