Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 23 de Junho de 2017

Audiência trabalhista de Ronaldinho só em 8 de novembro



A audiência entre Flamengo e Ronaldinho foi marcada para o dia 8 de novembro, às 9h45, na 9ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro. O atleta terá que comparecer pessoalmente, acompanhado por um advogado. Já o Flamengo terá que escolher um dirigente, ou preposto, para acompanhar seu advogado.
 
O meia-atacante move uma ação cobrando R$ 40 milhões em direitos trabalhistas e contratuais não pagos. Para o Flamengo, a dívida não passa de R$ 5 milhões. Caso não seja feito um acordo, o juiz fixará os limites acerca da controvérsia e designará audiência de instrução para outra data.

Anteontem (6) o Flamengo entrou com pedido de revisão da liminar concedida na semana passada, que permitiu que ao jogador deixar o Flamengo e assinar com o Atlético-MG.

O juiz que deferiu a liminar, André Luiz Amorim Franco, estava substituindo o titular da 9ª vara, Alexandre Couce de Menezes, que retornou de férias nesta quarta.

Talvez hoje (8) Menezes decida se cassa ou mantém a liminar assinada por seu colega. Caso seja cassada, Ronaldinho não poderá jogar pelo Atlético até nova decisão.

Apresentado na segunda-feira como reforço do clube mineiro, Ronaldinho enfrentaria o Bahia, anteontem (6) em Belo Horizonte, pela terceira rodada do Brasileiro.

Contudo, o departamento jurídico da Federação de Futebol do Rio de Janeiro não liberou o contrato do jogador. A entidade alegou que não foi intimada formalmente da decisão do juiz substituto da 9ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Escritórios coligados registrarão advogados como empregados

Acordo celebrado em audiência na 3ª Vara do Trabalho de Porto Alegre. Duas bancas advocatícias coligadas registrarão como empregados todos os profissionais que lhes prestam serviços com subordinação, pessoalidade, onerosidade e não eventualidade”.

Horas extras retroativas para doméstica

O TST condena empregador a pagar horas a partir da vigência da Emenda Constitucional nº 72/2013, que limitou a jornada de trabalho do doméstico.  A emenda só foi regulamentada em 2015.

Multinacional condenada em R$ 20 milhões

A Eaton vem descumprindo normas de saúde e segurança do trabalho. A empresa é especializada na fabricação de transmissões mecânicas e a ação foi ajuizada pelo Ministério Público do Trabalho.