Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 29 de Julho de 2016.

Audiência trabalhista de Ronaldinho só em 8 de novembro



A audiência entre Flamengo e Ronaldinho foi marcada para o dia 8 de novembro, às 9h45, na 9ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro. O atleta terá que comparecer pessoalmente, acompanhado por um advogado. Já o Flamengo terá que escolher um dirigente, ou preposto, para acompanhar seu advogado.
 
O meia-atacante move uma ação cobrando R$ 40 milhões em direitos trabalhistas e contratuais não pagos. Para o Flamengo, a dívida não passa de R$ 5 milhões. Caso não seja feito um acordo, o juiz fixará os limites acerca da controvérsia e designará audiência de instrução para outra data.

Anteontem (6) o Flamengo entrou com pedido de revisão da liminar concedida na semana passada, que permitiu que ao jogador deixar o Flamengo e assinar com o Atlético-MG.

O juiz que deferiu a liminar, André Luiz Amorim Franco, estava substituindo o titular da 9ª vara, Alexandre Couce de Menezes, que retornou de férias nesta quarta.

Talvez hoje (8) Menezes decida se cassa ou mantém a liminar assinada por seu colega. Caso seja cassada, Ronaldinho não poderá jogar pelo Atlético até nova decisão.

Apresentado na segunda-feira como reforço do clube mineiro, Ronaldinho enfrentaria o Bahia, anteontem (6) em Belo Horizonte, pela terceira rodada do Brasileiro.

Contudo, o departamento jurídico da Federação de Futebol do Rio de Janeiro não liberou o contrato do jogador. A entidade alegou que não foi intimada formalmente da decisão do juiz substituto da 9ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A morte trágica de trabalhador em forno incandescente de 700 graus

TST confirma segunda condenação da Gerdau a indenizar familiares de empregado que fazia manutenção num forno da aciaria. Em decorrência de grande deslocamento de ar quente, ele se desequilibrou da plataforma e caiu. Morreu carbonizado, aos 46 de idade, não restando quase nada do corpo para sepultamento.

Folgas semanais obrigatórias

O TST anula cláusula de convenção coletiva dos trabalhadores de empresa gaúcha, que estabelecia 20 dias corridos de trabalho, sem descanso.