Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 30 de Junho de 2015

Audiência trabalhista de Ronaldinho só em 8 de novembro


A audiência entre Flamengo e Ronaldinho foi marcada para o dia 8 de novembro, às 9h45, na 9ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro. O atleta terá que comparecer pessoalmente, acompanhado por um advogado. Já o Flamengo terá que escolher um dirigente, ou preposto, para acompanhar seu advogado.
 
O meia-atacante move uma ação cobrando R$ 40 milhões em direitos trabalhistas e contratuais não pagos. Para o Flamengo, a dívida não passa de R$ 5 milhões. Caso não seja feito um acordo, o juiz fixará os limites acerca da controvérsia e designará audiência de instrução para outra data.

Anteontem (6) o Flamengo entrou com pedido de revisão da liminar concedida na semana passada, que permitiu que ao jogador deixar o Flamengo e assinar com o Atlético-MG.

O juiz que deferiu a liminar, André Luiz Amorim Franco, estava substituindo o titular da 9ª vara, Alexandre Couce de Menezes, que retornou de férias nesta quarta.

Talvez hoje (8) Menezes decida se cassa ou mantém a liminar assinada por seu colega. Caso seja cassada, Ronaldinho não poderá jogar pelo Atlético até nova decisão.

Apresentado na segunda-feira como reforço do clube mineiro, Ronaldinho enfrentaria o Bahia, anteontem (6) em Belo Horizonte, pela terceira rodada do Brasileiro.

Contudo, o departamento jurídico da Federação de Futebol do Rio de Janeiro não liberou o contrato do jogador. A entidade alegou que não foi intimada formalmente da decisão do juiz substituto da 9ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

TST aprova alterações em duas súmulas e cancela uma

Conheça a nova redação dos verbetes que tratam de prescrição para cobrar o FGTS e da equiparação salarial. Em caso de trabalho igual, conta-se o tempo de serviço na função e não no emprego.

Insalubridade nas câmaras frigoríficas

Um novo enfoque jurisprudencial. O TST reconhece que mesmo o fornecimento e o uso adequado dos EPIs - mas sem a concessão do intervalo de 20 minutos a cada 1h40min de trabalho - não afasta os riscos à saúde.