Ir para o conteúdo principal

Terça-feira , 28 de Junho de 2016.


Só com a roupa do corpo no frio em New York



Imagem da Matéria




Viajando em lua de mel, de Porto Alegre a New York, em 2010, um casal gaúcho teve uma surpresa no desembarque no Aeroporto JFK: as duas malas não chegaram.
 
Esse foi o desencanto inicial passado pelo gerente comercial Giovani Sued Perazzo (33) e pela representante comercial Marcia Elisa Grison Perazzo (32), ao chegarem numa manhã ainda hibernal, em 8 de março, há dois anos.
 
"Enfrentamos o imprevisto com as roupas que tínhamos. Como estávamos saindo do verão gaúcho para o inverno nova-iorquino, levamos um casaco quentinho para a chegada no aeroporto. Como a viagem era de lua-de-mel, nossa idéia não de fazer grandes compras; assim, para enfrentar o imprevisto, compramos apenas roupas intimas, uma vez que a Tam alegou que nossas malas chegariam no próximo voo e assim se passaram três dias" - relata Marcia, ao Espaço Vital.
 
Depois de seis dias - superado o imprevisto - o casal seguiu a viagem romântica e de lazer para Nassau, nas Bahamas.
 
Como Tam e Anac "não deram pelotas aos passageiros" - como se diz no jargão aeroportuário - Giovani e Marcia ingressaram em Juízo. Na 10ª Vara Cível de Porto Alegre o juiz Alexandre Schwartz Manica  deferiu reparação moral de R$ 10.900 a cada um dos dos consumidores maltratados. A Tam recorreu, sustentando "a inocorrência de danos morais".
 
Os desembargadores Umberto Guaspari Sudbrack, José Aquino Flôres de Camargo e Mário Crespo Brum, da 12ª Câmara Cível do TJRS, confirmaram a sentença e rebateram a irresignação da Tam, quanto ao montante, com um argumento humano:  "a falta dos pertences dos autores em viagem internacional de lua de mel, por três dias, além do fato de a viagem ter ocorrido no inverno, para New York, onde faz frio intenso no inverno, justifica a quantia indenizatória" - afirma o voro do desembargador Sudbrack.
 
A advogada Janaine Liliane Immich Locatelli atua em nome dos autores. (Proc. nº  70047653761).

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Camera Press

Futuro de benesses ao delator premiado

 

Futuro de benesses ao delator premiado

Não se pode questionar a eficácia da delação premiada como método legítimo de investigação. Mas há espaço para reflexões sobre o prêmio dado aos delatores. Por exemplo, o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado (foto) desviou R$ 100 milhões para 20 políticos e ele próprio. Devolverá R$ 75 milhões e pegará no máximo três anos de prisão domiciliar.

Com dívidas de R$ 65 bilhões, Oi pede recuperação judicial

A maior empresa de telefonia fixa no Brasil perdeu participação no mercado desde a compra da Brasil Telecom, em 2009. É o maior pedido de recuperação judicial já protocolado no Brasil, recorde que pertencia à OGX, de Eike Batista, com dívidas de R$ 11,2 bilhões.

Depois dos “bandidos de toga” de 2010 a 2012...

...Novas denúncias envolvem magistrados do Amazonas, Alagoas e Tocantins. E é mantida, pelo STJ, a preventiva de juiz aposentado de Minas Gerais, que está preso há quase dois anos em Porto Alegre, acusado pela morte da esposa.