Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira ,30 de Setembro de 2016.

Ineficácia de pacto antenupcial celebrado pouco antes do casamento



Imagem da Matéria


Sentença proferida na 3ª Vara de Família e Sucessões de Porto Alegre declarou a ineficácia de pacto nupcial de separação total de bens, assinado poucos dias antes do matrimônio celebrado em 1976 - época em que o regime da comunhão total era o habitual.
 
O julgado foi proferido em ação ajuizada por um homem (W.) contra a ex-cônjuge (J.), alegando que "os dois filhos já alcançaram a maioridade e inexistem bens a partilhar, pois o regime adotado pelo casal era o de separação patrimonial absoluta".
 
A mulher contestou e também apresentou reconvenção, alegando que "o regime vigente à época do casamento (1976) era o regime da comunhão universal, porém, às vésperas do casamento, W. impôs como condição que o regime fosse o da separação absoluta de bens, mediante pacto antenupcial".
 
A defesa da mulher alegou ainda que, "por ocasião da assinatura do pacto, o casal não possuía bens, e portanto, não vislumbrava qualquer prejuízo quanto a assinatura do mesmo".
 
A instrução processual revelou que durante as três décadas em que permaneceram casados, W. foi se tornando um empresário de sucesso no ramo da construção civil e hoje é detentor de um império imobiliário. A mulher seguiu sendo professora e só após os 50 anos de idade ingressou em curso superior, para formar-se em Psicologia.
 
A mulher pretendeu "a participação nos aquestos sob pena de enriquecimento ilícito do varão, vez que se dedicou durante todos estes anos aos cuidados da família, e que com o seu trabalho fora de casa, como psicóloga, também cooperou para a formação do patrimônio".
 
Um detalhe familiar: a irmã do empresário prestou em Juízo um depoimento fundamental em favor da (ex) cunhada. Disse que "J. ajudou a construir o patrimônio que W. possui hoje; ela sempre foi uma mulher econômica, extremosa, primorosa no tratamento dos filhos e do marido".
 
Foi realizado acordo em audiência quanto ao divórcio, prosseguindo a reconvenção no tocante à partilha, girando a discussão em torno da eficácia e abrangência do pacto antenupcial.
 
O Ministério Público opinou pelo afastamento dos efeitos do pacto antenupcial, passando a vigorar o regime legal a época do casamento e partilha dos bens.
 
A juíza Jucelana Lurdes Pereira dos Santos salientou na sentença que “a situação mudou tanto, que hoje, além do divórcio, já é possível a alteração do regime do casamento, o qual até a reforma do Código Civil (2003), era imutável". O julgado destaca que "mudaram os costumes sociais e as leis”.
 
A sentença - que está sujeita a recurso de apelação a ser julgado pela 7ª Câmara Cível do TJRS - declarou ineficaz o pacto antenupcial devendo serem partilhados todos os bens adquiridos na constância do casamento: 50% para cada um.     
 
A advogada Silvia Mac Donald Reis atua em nome da mulher. Os autos estão com vista ao Ministério Público em segundo grau para parecer.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Nulidade de doação que ultrapassou metade do patrimônio comum de casal

Em caso oriundo de Porto Alegre, o STJ nega dois recursos especiais e mantém decisão que anulou, parcialmente, doação de ações realizada entre um empresário e seus filhos.  O valor a ser restituído ao patrimônio do casal será apurado durante a fase de liquidação de sentença.

União estável, por oito anos, de tio com sobrinha! Será?

STJ suspende o julgamento de recurso ordinário em mandado de segurança. TJ do Rio de Janeiro considerou que houve uma simulação de união estável, “provavelmente em reconhecimento dos cuidados que a sobrinha dispensou ao tio idoso e doente”.

Retorno imediato a Portugal de crianças mantidas ilegalmente no Brasil

Os irmãos têm nove e seis anos de idade. Eles viajaram com a mãe para o Brasil em 2011, com autorização do pai. Entretanto, a mãe resolveu não voltar ao território português.  Desde 1º de janeiro de 2012, o caso é considerado sequestro internacional de menores.

Coerdeiras podem defender patrimônio deixado por falecido advogado

Ação com dez anos de tramitação já tem 26 recursos interpostos no TJRS. Decisão recente do STJ reconhece, em favor de duas filhas, que “enquanto não realizada a partilha, elas têm legitimidade ativa para ajuizar ação em defesa do patrimônio comum deixado pelo falecido”.