Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 23 de Junho de 2017

Sentença nega aplicação de aviso prévio proporcional retroativo



A juíza Acácia Salvador Lima Erbetta, da 90ª Vara do Trabalho de São Paulo (TRT-SP), negou o pedido de uma empregada que pretendia ver reconhecido o direito ao aviso prévio proporcional retroativo.

A nova lei aumenta para até 90 dias o benefício. A autora da ação, dispensada em julho de 2011, alegou que não teve respeitado seu aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, regulamentado pela Lei nº 12.506/11.
 
A seu turno,  a empresa reclamada Montepino LTDA. defendeu-se afirmando que a dispensa foi anterior à entrada em vigor da referida lei.
 
Ao negar a pretensão, a magistrada ponderou que “a lei posterior só afeta o plano da eficácia, ao passo que a validade se pauta pela norma vigente quando da realização do ato jurídico ( tempus regit actum ), inviabilizando a aplicação de norma superveniente ao ato licitamente já praticado, segundo as normas legais preexistentes".
 
A decisão foi comentada por especialistas em Direito do Trabalho. “A lei não pode retroagir porque causa insegurança. Podem até ganhar uma ação aqui ou acolá em primeira instância, mas nunca seria um pedido com sucesso em instâncias superiores, em Brasília” - avaliou o advogado paulista José Augusto Rodrigues Júnior.
 
O professor Ricardo Pereira de Freitas Guimarães, da PUC-SP, concorda e completa: “O posicionamento está correto. A Constituição Federal e a Lei de Introdução ao Código Civil garantem segurança jurídica ao ato jurídico perfeito na vigência de determinada previsão legal. Ou seja, no caso do aviso prévio, a lei só pode ser aplicada a atos jurídicos que coincidam com sua vigência, sendo equívoco primário sua aplicação para rescisões anteriores a vigência da lei”.  
 
A reclamante já interpôs recurso ordinário ao TRT-2. (Proc. nº 0002746-94.2011.5.02.0090).

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Escritórios coligados registrarão advogados como empregados

Acordo celebrado em audiência na 3ª Vara do Trabalho de Porto Alegre. Duas bancas advocatícias coligadas registrarão como empregados todos os profissionais que lhes prestam serviços com subordinação, pessoalidade, onerosidade e não eventualidade”.

Horas extras retroativas para doméstica

O TST condena empregador a pagar horas a partir da vigência da Emenda Constitucional nº 72/2013, que limitou a jornada de trabalho do doméstico.  A emenda só foi regulamentada em 2015.

Multinacional condenada em R$ 20 milhões

A Eaton vem descumprindo normas de saúde e segurança do trabalho. A empresa é especializada na fabricação de transmissões mecânicas e a ação foi ajuizada pelo Ministério Público do Trabalho.