Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 27 de Maio de 2016.

Quando o Protocolo do Foro Central complica, ao invés de facilitar



Carta de leitor Porto Alegre, 05 de junho de 2012.

Ao
Espaço Vital
 
Ref.: Os atos discricionários de servidores do Protocolo Geral no Foro Central de Porto Alegre
 
Quero manifestar a minha opinião para com o Foro Central de Porto Alegre. É sabido que ali existe o protocolo geral, que fica no andar térreo do prédio, já com as habituais enormes filas.
 
Com o cunho meramente paliativo, podemos encontrar, ali, uma parte reservada apenas para o limite máximo de cinco petições para se protocolizar. Até ai tudo bem; observei que esse sistema funciona - , mas ocorre que, quando o sistema cai - e não são raras as vezes que isso acontece - simplesmente o pessoal deixa de receber qualquer tipo de petição ou processo pelo protocolo geral.
 
Consequência: os advogados e/ou estagiários - com suas obrigações acima do limite normal - têm que se direcionar aos cartórios respectivos para o protocolo das petições.
 
Ora, custa receber as petições dos advogados, autenticar na máquina - que não é ligada ao sistema - e, após, quando o sistema voltar alimentar o sistema? Custa?
 
É dever do servidor receber as petições, ou ele pode por ato discricionário não receber?
 
No contexto, o advogado - com suas dezenas de processos e problemas para resolver - é obrigado a ir de vara em vara, subindo e descendo a rampa ou usando o elevador, para ver protocolizadas, em dia, suas petições.
 
Caso contrário, elas serão intempestivas e pouco importará se os motivos foram esses: as frequentes falhas e/ou interrupções do sistema do TJRS.
 
Conversando com servidores de cartórios eles concordaram com minha opinião.
 
Lamentável essa situação. Espero que esse sistema melhore. Mexa-se TJRS!
 
Atenciosamente,
 
Rafael Latorre Lorbitzki, advogado (OAB-RS nº 71.269)
rafael@latorre.adv.br

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Prescrição na OAB-RS de processo ético contra advogado que não prestou contas

 

Prescrição na OAB-RS de processo ético contra advogado que não prestou contas

Cidadão que não recebeu seus “trocados” que ficaram com o advogado que tinha sido constituído, relata sua impressão pessoal. “Nas inúmeras vezes em que estive na OAB-RS, minha tristeza: ali compareciam muitos lesados, pessoas pobres, idosas, com pouca instrução; foi terrível escutar suas histórias” – diz ele.

Leilão com cartas marcadas

Advogado conclama operadores jurídicos a lerem, meditarem e concluírem sobre o que ele define como “tudo muito estranho, pouca transparência,  ou,  quiçá, exagerada  certeza de que tudo sairia conforme o programado”. 

Juiz “sem tempo hábil” para realizar penhora on line

Ao indeferir pedido de constrição em dinheiro na conta da Taca Airlines, magistrado substituto do 2º JEC Cível de Porto Alegre escreve que o ato “demanda uma série de procedimentos de longa duração, o que prejudicaria, em muito, a tramitação dos outros processos pendentes de impulsão”. Advogado da credora se diz “cético” em relação à efetividade e seriedade da nossa justiça.