Ir para o conteúdo principal

Edição antecipada 21-22 de junho de 2018.

Um precatório bilionário sob suspeita de fraude



O Conselho Nacional de Justiça suspendeu ontem (5) o pagamento de precatórios do Estado de Rondônia por suspeita de fraude. A dívida seria paga em favor de aproximadamente sete mil técnicos e professores filiados ao Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Rondônia (Sintero), que pediram o reenquadramento de carreira e diferenças remuneratórias.
 
O valor do precatório pode chegar a R$ 5 bilhões e é considerado um dos maiores do país.Segundo a corregedora do CNJ, ministra Eliana Calmon, "a suspeita é a de que houve erro nos cálculos da ação e desvio dos valores já pagos".
 
Ela disse ter tido notícias, pelo Ministério Público do Trabalho, de "uma questão milionária que estava com grandes problemas de cálculo, de levantamentos milionários de recursos".
 
A partir daí, a Corregedoria começou a tomar conhecimento do que estava acontecendo e chegou à conclusão de que se trata do maior precatório do país.
 
Eliana Calmon disse que começou a apurar o caso e foi informada que uma servidora do TRT-RO foi ameaçada e está sob proteção da Justiça por conta da ação.
 
Além disso, um delegado da Polícia Federal e dois juízes que começaram a apurar o caso tiveram que ser afastados de Rondônia por ameaças. Há suspeitas de que um juiz e um desembargador estejam envolvidos nas fraudes.
 
De acordo com Eliana Calmon, todas as pessoas que tentaram se aproximar do processo foram ameaçadas. Ela propôs a suspensão do pagamento para que fosse possível verificar os dados do processo. “Precisávamos parar tudo e é isso que nós estamos fazendo, parar o processo. Vamos fazer uma revisão e podemos até tratar da anulação da ação porque há muitas irregularidades e, a partir daí, refazer a conta porque os magistrados que tentaram fazer uma revisão foram afastados do processo”.
 
Segundo a ministra, R$ 358 milhões já foram pagos e mais R$ 300 milhões estão em depósito judicial.
 
Contraponto

Em nota, o TRT de Rondônia diz que "tratará a questão com isenção".

O TRT-RO preferiu não se posicionar sobre a suposta participação de servidores no esquema. "Quanto ao possível envolvimento de membros do TRT de Rondônia e do Acre no episódio, o próprio CNJ trata o assunto em caráter reservado, por ainda se encontrar em fase de investigação pelos órgãos de controle e da Polícia Federal", explica trecho da nota.

O texto assinado pela presidenta Vania Abensur informa ainda que mais informações sobre o caso serão tratadas nesta quarta-feira (6) em coletiva à imprensa.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

TST afasta irregularidade em procuração com prazo vencido

Segundo o julgado, trata-se de vício sanável – e não há fundamento para a rejeição de recurso. O CPC de 2015 racionaliza o processo legal e facilita o acesso à Justiça – são “princípios constitucionais fundamentais que devem nortear a aplicação das normas processuais”.

 

Camera Press

Prescrição bienal afastada em ação trabalhista ajuizada 18 anos após a dispensa

 

Prescrição bienal afastada em ação trabalhista ajuizada 18 anos após a dispensa

Efeitos deletérios da areia monazítica.Dispensado em 1991, trabalhador ajuizou a ação em 2009 contra as Indústrias Nucleares do Brasil S.A. A busca é de indenização por doença pulmonar e auditiva em razão da exposição a material radioativo. O TST reformou decisões das instâncias inferiores, aplicando a prescrição vintenária prevista no artigo 117 do Código Civil de 1916.

Negado pedido de trabalhador que queria receber bens de grupo empresarial

O grupo Vogel é réu em mais de 200 ações na Justiça do Trabalho de São Sebastião do Caí (RS), onde figura no polo passivo de uma reunião de diversas execuções trabalhistas. A presidente do TRT-RS, Vania da Cunha Mattos afirma que “não se pode chancelar este tipo de mentalidade, em que o mero interesse individual tenta suplantar o interesse coletivo”.

Nulidade de cláusula com turnos de 12 horas em jornada de 15 dias consecutivos

Apesar de haver norma coletiva, julgado do TST diz ser “desprovida de validade a cláusula coletiva que, a um só tempo, ignora os limites constitucionais da jornada de trabalho; não permite o descanso adequado do trabalhador; e suprime direitos mínimos dos obreiros, a exemplo do descanso semanal remunerado”.