Ir para o conteúdo principal

Terça-feira , 24 de Maio de 2016.

Sentença que reconhece nulidade parcial do valor cobrado pelo autor serve de título executivo para o réu



A sentença em que o juízo de primeiro grau reconhece a existência da obrigação de pagar quantia certa pode prontamente ser executada com a condenação. A decisão é da 1ª Seção do STJ, ao julgar recurso especial da RGE Rio Grande Energia S/A que pretende receber, de consumidores, os  valores que não foram pagos em razão de fraude no medidor.

A decisão da 1ª Seção foi proferida em recurso que seguiu o rito das controvérsias repetitivas (artigo 543-C do Código de Processo Civil), o que orientará as demais decisões sobre a matéria em todo o país.

O caso é oriundo da comarca de Caxias do Sul. No caso, a concessionária RGE  interpôs recurso contra decisão da 21ª Câmara Cível do TJRS, que entendeu que a sentença proferida pelo juízo de primeiro grau tinha apenas eficácia declaratória e que oss valores deveriam ser buscados em ação própria e autônoma.
 
O julgado gaúcho concluiu ser impossível deferir o pedido da concessionária de cumprir o desfecho da demanda nos próprios autos.

A concessionária sustentou que a decisão do TJ gaúcho local afrontou os artigos 475, inciso I, e 475-N, inciso I, do Código de Processo Civil, ao não reconhecer a obrigação do devedor em cumprir a decisão relativa ao débito.
 
A sentença reconheceu a legalidade da dívida e declarou inexigível a cobrança de custo administrativo de 30% do cálculo de recuperação do consumo por parte da concessionária.

Segundo o relator, ministro Mauro Campbell, fica fácil ver na sentença que o juiz reconheceu a obrigação de o consumidor pagar a dívida. “Na hipótese em análise, o magistrado não se limitou a reconhecer a fraude no medidor” - disse o ministro - “mas a validar, no dispositivo do provimento judicial exequendo, parcela da própria cobrança extrajudicial levada a cabo pela concessionária”.
 
O advogado Márcio Louzada Carpena atua em nome da RGE.  (REsp nº  1261888).

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Uso pioneiro de nova ferramenta legal prevista no CPC

A PGE-RS obtém liminar no primeiro “Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas” proposto junto à presidência do TJRS. Suspensas as ações que tratam do adicional noturno dos policiais militares estaduais.

Validade da cláusula de raio nos shopping centers

O contrato proíbe os lojistas de um shopping de explorar o mesmo ramo de negócio em um determinado raio de distância. O STJ modificou decisão do TJRS, em ação ajuizada pelo Sindicato dos Lojistas do Comércio de Porto Alegre contra as controladoras do Shopping Iguatemi (Maiojama, Ancar, Lasul e LRR Participações).

O “picante” presidente Temer

O jornal londrino Financial Times traça um perfil sobre o novo presidente Temer. É “um reconhecido advogado constitucionalista, que tem aparência ligeiramente gótica e que, a despeito da expressão impassível, tem uma vida pessoal um pouco picante”. E no aspecto sentimental, pontua: “casado três vezes, começou a namorar a terceira esposa, Marcela, uma ex-modelo, 40 anos mais jovem do que ele, quando ela ainda era uma adolescente”.

Charge de Gerson Kauer

Os pecados de Dilma e a ´guerra dos cabides´

 

Os pecados de Dilma e a ´guerra dos cabides´

* O caso da ministra que fez pipi na calça, depois de ter sido desaforada publicamente pela então-presidente * O pânico do jardineiro do Palácio da Alvorada, ao ser considerado culpado pela bicada de uma ema no cachorro presenteado por José Dirceu * O regime alimentar e os 20 quilos de emagrecimento * A inconformidade com a arrumação do guarda-roupas presidencial e ... ´cabides pra lá e pra cá´, num desforço físico com uma camareira...

Como será a “estrutura enxuta” de Dilma Rousseff

Uma comparação com o que Fernando Collor pediu em 1992 e não ganhou: 20 assessores, um helicóptero para deslocamentos curtos, dez carros oficiais, cinco motos, oito seguranças, passagens aéreas gratuitas para viagens nacionais e internacionais e apoio logístico de órgãos públicos e embaixadas, caso saísse de Brasília.