Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 04 de Setembro de 2015

Nelson Sirotsky vai deixar a presidência do Grupo RBS


Baguete

Imagem da Matéria

Eduardo Sirotsky Melzer, filho de Carlos Melzer (advogado e diretor-geral da Maiojama) e de Suzana Sirotsky Melzer, irmã de Nelson Sirotsky.

O presidente do Grupo RBS Nelson Sirotsky, atuais 59 de idade, estará deixando o cargo dentro de 34 dias e transmitirá o posto diretivo ao atual vice-presidente executivo, Eduardo Sirotsky Melzer em 3 de julho próximo.

A decisão foi ratificada pelo Conselho de Administração da empresa, em reunião realizada ontem (30) em São Paulo. O anúncio foi feito por meio de mensagem enviada aos colaboradores.

O cargo de Duda Melzer - como é conhecido o sobrinho de Nelson - passará a ser de presidente-executivo do grupo.

Nelson, após 21 anos na presidência da RBS, passará a se dedicar ao cargo de presidente do Conselho de Administração, atividade que acumulará com a liderança do Comitê Editorial das Empresas da RBS.

Na mensagem que distribuiu, Nelson revela o início de "um processo de sucessão planejado, cujo objetivo principal é o de aperfeiçoamento da nossa governança corporativa".

O despertar de Eduardo Melzer no mundo dos negócios coincidiu, nos anos 90, com os primeiros meses do governo Collor. Na ocasião, abriu-se um período favorável para a venda de importados. Duda aproveitou e trouxe para Porto Alegre a "Sweet Sweet Way", loja de balas, doces e produtos importados.

“Era um negócio diferente, o sujeito entrava na loja, escolhia as balas e pesava. Comecei não só a ter as minhas lojas, mas a franquear  para o Brasil também” - contou ele, alguns anos atrás, ao saite Coletiva.

“Foi uma responsabilidade bárbara, tinha quatro lojas próprias, 50 funcionários e um monte de franqueados. Assumi uma responsabilidade muito à frente do meu tempo ou do que as pessoas esperavam para um jovem” - complementou na ocasião.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Amarildo – www.amarildo.com.br

Cerco aos tribunais

 

Cerco aos tribunais

Revista IstoÉ registra que “contrariando um princípio fundamental da democracia - a autonomia dos Poderes - a presidente Dilma pressiona sem cerimônias ministros do STF, TSE e TCU a fim de evitar a aprovação de processos que podem levar ao seu afastamento da Presidência”.

Supremo reafirma o direito de criticar

Revertido acórdão que condenara o jornalista Paulo Henrique Amorim a indenizar o banqueiro Daniel Dantas. Decisão de Celso de Mello refere que “o interesse social, que legitima o direito de criticar, sobrepõe-se a eventuais suscetibilidades que possam revelar as figuras públicas, independentemente de ostentarem qualquer grau de autoridade”.

"A tesoura que assombra a RBS"

Matéria assinada pelo jornalista Luiz Cláudio Cunha afirma que "o foco da Rede Brasil Sul de Comunicações não está mais no jornalismo".