Ir para o conteúdo principal

Terça-feira ,27 de Setembro de 2016.

O direito de “carga rápida” para cópia



Por Leandro Bertolazi Gauer,
advogado (OAB/RS nº 65.642)

Não é preciso dominar a teoria do diálogo das fontes (brilhantemente importada pela insigne professora Cláudia Lima Marques), para entender o raciocínio a seguir. O parágrafo segundo do artigo segundo da Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro (1) estabelece expressamente que "a lei nova, que estabeleça disposições gerais ou especiais a par das já existentes, não revoga nem modifica a lei anterior".

Pois bem.

O artigo 40, inciso I, do CPC, dispõe que o advogado tem direito de examinar, em cartório de justiça e secretaria de tribunal, autos de qualquer processo, salvo o disposto no art. 155.

O Código de Processo Civil é de 1973.

Pelo CPC, portanto, o advogado sem procuração nos autos poderia apenas examinar qualquer processo (com as ressalvas legais). Entretanto, a Lei nº 8.906/94 prevê em seu artigo 7°, inciso XIII, ser direito do advogado "examinar, em qualquer órgão dos Poderes Judiciário e Legislativo, ou da Administração Pública em geral, autos de processos findos ou em andamento, mesmo sem procuração, quando não estejam sujeitos a sigilo,assegurada a obtenção de cópias, podendo tomar apontamentos".
 
Como se vê, a lei posterior não revogou e nem modificou o CPC, porém acrescentou um direito ao advogado: o direito à obtenção de cópias de qualquer processo que não esteja sujeito a sigilo.
 
O advogado sem procuração nos autos pode, portanto, em uma interpretação sistêmica e harmônica do art. 7°, XIII, da EOAB com o art. 40, § 2°, do CPC (por isso a referência ao diálogo das fontes), retirar os autos de qualquer processo (observado o art. 155 do CPC) pelo prazo de uma hora para a obtenção de cópias.

Foi assegurada e não vedada a obtenção de cópias! É simples. Entretanto, em que pese a simplicidade, apenas esta semana, em duas diferentes oportunidades, com fundamento apenas no artigo 40 do CPC, servidores da Justiça Estadual do RS engrossaram a voz para infringir a lei e impedir a carga para cópia.

Queriam que eu fotografasse os autos no balcão! E mesmo depois de ofertar a retenção da minha carteira de advogado pelo prazo para cópia, a recusa foi imponente.

Por outro lado, o tratamento foi o inverso na Justiça Federal.

Requeri o desarquivamento de um processo ingressado na década de 70, na qual o papel utilizado na petição inicial foi o de sulfite, o “papiro”, lembrando o filme o Código Da Vince, sic, e singelamente tive livre acesso aos autos para cópia, ´scanner´, apontamentos etc... sem falar na excelente educação dos servidores.

Notem: estes autos encontram-se protegidos pela memória institucional da JFRS, e eu estava sem procuração; mas exercendo o meu direito de advogado e de cidadão!

Uma diferença gritante de tratamento.

Não vou pedir desagravo, embora a lei me assegure. Vou imprimir cópias desse singelo raciocínio e – cada vez que me recusarem a carga – pedirei a gentileza para que "leiam este texto". Talvez resolva; tomara que resolva.
 
Entretanto, vou aproveitar a deixa e fazer uma importante sugestão aos colegas advogados que foram eleitos deputados federais, ou ainda, ao estaduais, para que aqui no RS exista um pouco mais de respeito a essa função indispensável à administração da justiça (art. 133 da CF/88): a exemplo da Lei nº 12.291/20103, urge a necessidade de acrescentar à Lei nº 8.906/94 um artigo, com penalidade, em que se imponha a todos os cartórios (judiciais e extrajudiciais), repartições públicas e afins, a manterem, em local visível e de fácil acesso ao público, um exemplar do Estatuto da OAB.

Talvez, assim, as prerrogativas comecem a ser observadas, pois somos apenas servidores de um sistema integrado onde cada um tem que fazer o seu papel para o crescimento e aperfeiçoamento da humanidade.

leandrogauer@gmail.com

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Paralisação remunerada

(Do baú do Espaço Vital, mas sempre atual). “No Carnaval, enquanto os mortais caem na folia na terça-feira, a Justiça Federal já se abraça com Momo desde a segunda-feira. Na Semana Santa, enquanto o cidadão comum fica de folga na sexta-feira para cumprir suas obrigações religiosas, juízes, desembargadores e servidores abstêm-se de trabalhar a partir da quarta-feira, inclusive – certamente porque têm mais obrigações religiosas a cumprir...” Artigo de Rômulo Pizzolatti, magistrado federal do TRF-4

Tritrilhas.com

Os filhos de leprosos e o dano moral reconhecido

 

Os filhos de leprosos e o dano moral reconhecido

“Ora, se o próprio Estado reconhece o direito de pensionamento às pessoas atingidas pela doença, é corolário assegurar-se aos filhos o pagamento de indenizações por dano moral. Aplicação analógica das Leis nºs 11.520/2007 nº 10.559/2002”. Artigo de José Carlos Teixeira Giorgis, advogado e desembargador aposentado do TJRS. (Na foto, o hospital colônia, em Porto Alegre, que abrigava os portadores de hanseníase – lepra - obrigados a viver em segregação ou isolamento compulsório).

Cobrança indevida na conta de energia elétrica

“Decisão do STJ confirmou entendimento dos tribunais inferiores, no sentido de que se deve excluir da base de cálculo de ICMS as tarifas de transmissão e distribuição de energia”. Artigo da advogada Mayra Vieira Dias (OAB-SP).

A construção coletiva e criativa da jurisprudência

As novas súmulas do TRT-4 são o caminho para um direito do trabalho de precedentes.  E a participação da advocacia, ocupando espaços dialéticos propiciados pelo TRT-4, torna real e efetiva a interlocução da sociedade”. Artigo de Dênis Einloft, advogado e presidente da Agetra.

A criminosa inércia e o inaceitável desleixo das instituições

Ao analisar o triste caso ocorrido em Júlio de Castilhos (RS), a advogada Maria Berenice Dias, em artigo, analisa a postura do promotor e a omissão da magistrada.  “É necessário que todos saiam da confortável situação de espectadores”.

Suspensão cautelar de advogados

“A meu sentir, o sigilo deve prevalecer tanto no exercício profissional, quanto nos processos administrativos disciplinares”. Artigo do advogado João Francisco Rogowski.