Ir para o conteúdo principal

Terça-feira , 03 de Maio de 2016.

Cândido Silva Leal Junior é nomeado desembargador do TRF-4



Base de dados EV

Imagem da Matéria

Cândido: o mais jovem da corte

O juiz federal Cândido Alfredo Silva Leal Junior foi nomeado ontem (28) para o cargo de desembargador do TRF da 4ª Região. O decreto assinado pela presidente da República, Dilma Rousseff, foi publicado no Diário Oficial da União.

Ele ocupará a vaga decorrente da aposentadoria da desembargadora federal Silvia Maria Gonçalves Goraieb, ocorrida em dezembro de 2011.

Cândido Alfredo, 42 de idade, é o mais jovem magistrado da corte.  Ele carrega a fama de ser um grande estudioso, não só das letras jurídicas, mas também da Filosofia e da Informática -  essencial para quem opera somente no processo eletrônico. "Na sua cidade natal, Santa Maria (RS), era tido como um dos alunos mais brilhantes do curso pré-vestibular e da universidade local; e ele teve a quem puxar, pois ´Candinho´, seu pai, exerceu a promotoria pública do município com talento" - depõe o jornalista Jomar Martins, correspondente (RS) do saite Consultor Jurídico.

A cerimônia de posse será realizada no dia 22 de junho. O magistrado, que já vem atuando no tribunal como convocado, é natural de Santa Maria (RS) e tem 42 anos. Formado em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Federal de Santa Maria em 1992, é especialista em Direito Processual Civil e em Direito Sanitário e mestre em Filosofia.

Ingressou na magistratura federal em setembro de 1993, tendo atuado inicialmente na 18ª Vara Federal de Porto Alegre e depois na 5ª Vara Federal de Porto Alegre, posteriormente transformada em Vara Federal Ambiental, Agrária e Residual da capital gaúcha.

É vice-presidente de Patrimônio e Finanças da Associação dos Juízes Federais do RS.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Duas novidades do STJ

Em recurso repetitivo, tribunal dispõe sobre o protesto realizado por tabelionato de comarca diversa do domicílio do devedor. E determina a restituição, à administração pública, de proventos depositados por engano a servidor público falecido.

Novamente, velhos golpes sobre vitórias em processos judiciais

O STJ publicou alerta sobre cartas e telefonemas partidos de supostos escritórios de advocacia, que dão notícias sobre processos verdadeiros. Mas que, falsamente, incluem pessoas que não foram partes em ações vitoriosas envolvendo a Capemi e cadernetas de poupança.