Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 22 de Julho de 2016.

Falta de norma permite a juiz com carro e motorista cogitar receber vale-transporte



Artigos Por Joaquim Falcão,
professor de Direito Constitucional da FGV Direito-Rio

 
O problema salarial dos magistrados não é o salário. São os adicionais. São os extras. Quando foi criado o Conselho Nacional de Justiça, estudo do ministro Nelson Jobim mostrava que existia cerca de 32 adicionais que aumentavam o salário.

Alguns previstos pela lei federal (Loman), como diárias e gratificações por serviços à Justiça Eleitoral. Outros não, criados pelos próprios tribunais, pelos próprios desembargadores, pelas Assembleias Legislativas estaduais.

O que o Supremo tem que decidir é isto: podem tribunais estaduais ou assembleias legislativas criar adicionais que aumentam salários acima do teto estabelecido pelo Congresso Nacional e que o Supremo tem reiteradamente dito que deve ser obedecido?

Em julgamento do caso específico do Rio, o procurador-geral da República disse que não pode. O relator Carlos Ayres Britto também diz que a lei é inconstitucional. Nos debates, Gilmar, Joaquim Barbosa, Peluso e Celso Mello se posicionaram contra os exageros da lei.

Provavelmente a lei seria considerada inconstitucional, mas Luiz Fux pediu vista. Interrompeu o julgamento.

Pelo regimento, o pedido de vista deve demorar uma semana. Mas existem pedidos que só voltam anos depois. Enquanto isto, os desembargadores continuam ganhando. Gilmar Mendes argumentou contra Fux que o Supremo já tinha posição sobre esse assunto e que essa tentativa do Tribunal do Rio de Janeiro não era isolada.

Vários tribunais a praticam. Já havia proposto, inclusive, sumula vinculante clara e de implantação imediata: "É inconstitucional a outorga a magistrado de vantagem não prevista na Loman".

O que está em jogo então? Simples. É a capacidade do Supremo de impedir de uma vez por todas que os tribunais inventem fórmulas para aumentar os salários.
 
No Paraná alguns desembargadores cogitam em pagar vale transporte a eles mesmos. Alegam que vale transporte é direito de todos. Embora já tenham carro, motoristas e cota de gasolina pagos pelo Tesouro.

Nos últimos anos o Supremo tem decidido com vigor. Mas está em jogo sua autoridade de fazer com que desembargadores desistam dessa recorrente guerrilha para aumentar seus salários. Para o Tesouro Nacional saber quando o ministro Fux vai votar é tão importante quanto saber como votará. Quando será?
 
joaquim.falcao@fgv.br

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli

Dezoito anos em busca de uma indenização

 

Dezoito anos em busca de uma indenização

A dor de uma advogada gaúcha que perdeu seu marido em acidente de trabalho ocorrido em 1978. Os impropérios na contestação do Estado. A indenização pífia. O precatório que não é pago. “Estou, até hoje, engasgada; a minha dor é a de tantos seres humanos injustiçados”.

Charge de Gerson Kauer

Advogado quebra, mas não verga!

 

Advogado quebra, mas não verga!

Antes nós tínhamos juízes que pensavam e agiam como deuses; a gente foi deixando, fazendo piada, aguentando, às vezes brigando... Agora há também gabinetes jurisdicionais que são templos que abrigam deuses (“eles...”), semideuses (assessores) e vice deuses (estagiários). Que saudade do tempo em que só havia deuses!”. Artigo da advogada Bernadete Kurtz (OAB-RS nº 6.937)

O preço de não dialogar e a mediação

Quando você estiver num conflito, e pensar em ajuizar uma ação para que o Poder Judiciário lhe dê uma resposta, pense bem”. Artigo de Eliana Giusto, advogada e mediadora.

O usucapião extrajudicial

Instituído pelo novo Código de Processo Civil, o procedimento ocorre diretamente no Registro de Imóveis da comarca em que estiver jurisdicionado o imóvel usucapiendo, a requerimento do interessado e representado por um advogado”. Artigo de Rodrigo Isolan, tabelião substituto.

O preconceito dos juízes em relação aos honorários advocatícios

O conhecido jurista – juiz de carreira e ex-presidente do TJRS – aborda a síndrome de onipotência que acomete alguns magistrados. “Indica verdadeiro colapso da ordem jurídica quando eles chegam a esse inacreditável ponto de esquiva ao cumprimento da norma por não gostarem dela”.

Prazos no Supremo Tribunal Federal

A liminar (2014) de Luiz Fux que concedeu o auxílio-moradia à magistratura. “Conforme o artigo 940 do novo CPC, ´o relator ou outro juiz que não se considerar habilitado a proferir imediatamente seu voto poderá solicitar vista pelo prazo máximo de dez dias, após o qual o recurso será reincluído em pauta para julgamento na sessão seguinte à data da devolução´". Artigo de Sérgio Souza de Araújo, escrivão judicial aposentado.