Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 26 de Agosto de 2016.

Falta de norma permite a juiz com carro e motorista cogitar receber vale-transporte



Artigos Por Joaquim Falcão,
professor de Direito Constitucional da FGV Direito-Rio

 
O problema salarial dos magistrados não é o salário. São os adicionais. São os extras. Quando foi criado o Conselho Nacional de Justiça, estudo do ministro Nelson Jobim mostrava que existia cerca de 32 adicionais que aumentavam o salário.

Alguns previstos pela lei federal (Loman), como diárias e gratificações por serviços à Justiça Eleitoral. Outros não, criados pelos próprios tribunais, pelos próprios desembargadores, pelas Assembleias Legislativas estaduais.

O que o Supremo tem que decidir é isto: podem tribunais estaduais ou assembleias legislativas criar adicionais que aumentam salários acima do teto estabelecido pelo Congresso Nacional e que o Supremo tem reiteradamente dito que deve ser obedecido?

Em julgamento do caso específico do Rio, o procurador-geral da República disse que não pode. O relator Carlos Ayres Britto também diz que a lei é inconstitucional. Nos debates, Gilmar, Joaquim Barbosa, Peluso e Celso Mello se posicionaram contra os exageros da lei.

Provavelmente a lei seria considerada inconstitucional, mas Luiz Fux pediu vista. Interrompeu o julgamento.

Pelo regimento, o pedido de vista deve demorar uma semana. Mas existem pedidos que só voltam anos depois. Enquanto isto, os desembargadores continuam ganhando. Gilmar Mendes argumentou contra Fux que o Supremo já tinha posição sobre esse assunto e que essa tentativa do Tribunal do Rio de Janeiro não era isolada.

Vários tribunais a praticam. Já havia proposto, inclusive, sumula vinculante clara e de implantação imediata: "É inconstitucional a outorga a magistrado de vantagem não prevista na Loman".

O que está em jogo então? Simples. É a capacidade do Supremo de impedir de uma vez por todas que os tribunais inventem fórmulas para aumentar os salários.
 
No Paraná alguns desembargadores cogitam em pagar vale transporte a eles mesmos. Alegam que vale transporte é direito de todos. Embora já tenham carro, motoristas e cota de gasolina pagos pelo Tesouro.

Nos últimos anos o Supremo tem decidido com vigor. Mas está em jogo sua autoridade de fazer com que desembargadores desistam dessa recorrente guerrilha para aumentar seus salários. Para o Tesouro Nacional saber quando o ministro Fux vai votar é tão importante quanto saber como votará. Quando será?
 
joaquim.falcao@fgv.br

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A informatização do Judiciário

Ela se está prestando mais ao aperfeiçoamento das estruturas e métodos do que à fluidez e qualidade da prestação jurisdicional. Por outras palavras, o que melhora é o fluxo interno do trabalho, não a situação do destinatário, razão de ser dele – o jurisdicionado”.

Os Jogos Olímpicos ainda não acabaram!

“Na próxima quinta-feira (25) o Brasil vai querer ver como os senadores votarão e conquistarão as medalhas de ouro da honra; ou se serão eliminados e se lançarão no esquecimento, ou no rol de traidores da pátria”. Artigo do advogado Pedro Lagomarcino.

O direito de ser

“O processo de redesignação do sexo — realizado no campo saúde — há de contemplar a previsão de retificação automática de documentos relativos ao registro civil, a fim de evitar que, após a realização da cirurgia, ainda seja necessário o ajuizamento de medida judicial para a troca do nome”. Artigo de Flavia Piovesan, professora de Direito da PUC-SP e secretária especial de Direitos Humanos

Chamem o ladrão!

 

Chamem o ladrão!

“Estamos diante do paradoxo absoluto: pretende-se transformar em lei a vontade do criminoso de prender quem o investiga. Quem deve ser expurgado da vida pública não é quem investiga, nem o promotor que acusa, muito menos o juiz que julga, mas aqueles que recebem valores desviados do poder público”. Artigo de Antonio Carlos Welter e Carlos Fernando dos Santos Lima, procuradores regionais da República.

Controles governamentais

“A sucessão de malfeitorias, roubalheiras e inépcia governamental desfila sem parar. Parece que não se governa mais: tudo se reduz a cambalachos políticos e esquemas de corrupção, desde os deslumbrantes carpetes de Brasília até a mais obscura inspetoria de quarteirão”.