Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 27 de Maio de 2016.

Falta de norma permite a juiz com carro e motorista cogitar receber vale-transporte



Artigos Por Joaquim Falcão,
professor de Direito Constitucional da FGV Direito-Rio

 
O problema salarial dos magistrados não é o salário. São os adicionais. São os extras. Quando foi criado o Conselho Nacional de Justiça, estudo do ministro Nelson Jobim mostrava que existia cerca de 32 adicionais que aumentavam o salário.

Alguns previstos pela lei federal (Loman), como diárias e gratificações por serviços à Justiça Eleitoral. Outros não, criados pelos próprios tribunais, pelos próprios desembargadores, pelas Assembleias Legislativas estaduais.

O que o Supremo tem que decidir é isto: podem tribunais estaduais ou assembleias legislativas criar adicionais que aumentam salários acima do teto estabelecido pelo Congresso Nacional e que o Supremo tem reiteradamente dito que deve ser obedecido?

Em julgamento do caso específico do Rio, o procurador-geral da República disse que não pode. O relator Carlos Ayres Britto também diz que a lei é inconstitucional. Nos debates, Gilmar, Joaquim Barbosa, Peluso e Celso Mello se posicionaram contra os exageros da lei.

Provavelmente a lei seria considerada inconstitucional, mas Luiz Fux pediu vista. Interrompeu o julgamento.

Pelo regimento, o pedido de vista deve demorar uma semana. Mas existem pedidos que só voltam anos depois. Enquanto isto, os desembargadores continuam ganhando. Gilmar Mendes argumentou contra Fux que o Supremo já tinha posição sobre esse assunto e que essa tentativa do Tribunal do Rio de Janeiro não era isolada.

Vários tribunais a praticam. Já havia proposto, inclusive, sumula vinculante clara e de implantação imediata: "É inconstitucional a outorga a magistrado de vantagem não prevista na Loman".

O que está em jogo então? Simples. É a capacidade do Supremo de impedir de uma vez por todas que os tribunais inventem fórmulas para aumentar os salários.
 
No Paraná alguns desembargadores cogitam em pagar vale transporte a eles mesmos. Alegam que vale transporte é direito de todos. Embora já tenham carro, motoristas e cota de gasolina pagos pelo Tesouro.

Nos últimos anos o Supremo tem decidido com vigor. Mas está em jogo sua autoridade de fazer com que desembargadores desistam dessa recorrente guerrilha para aumentar seus salários. Para o Tesouro Nacional saber quando o ministro Fux vai votar é tão importante quanto saber como votará. Quando será?
 
joaquim.falcao@fgv.br

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Cuidado com o prazo para a citação por edital!

Pelo novo Código de Processo Civil, "incumbe ao autor adotar, no prazo de dez dias, as providências necessárias”. Artigo de Sérgio Souza Araújo, serventuário da justiça aposentado.

Nem as moscas

 

Nem as moscas

Ouvi de um pessimista que, desta vez, ´nem as moscas mudam´. De fato, a nominata do Ministério Temer passa a ideia sugerida pela fala de certa personagem de Giuseppe di Lampedusa, em Il Gatopardo: as mudanças se fazem para que tudo continue como está”.

Judicialização e impeachment

O Judiciário, ao contrário dos demais Poderes, pode interferir diretamente no resultado das atividades do Legislativo e do Executivo (por via do controle da constitucionalidade e da legalidade), mas – também nisso diferente deles – não se move por iniciativa própria”.

Novos contratos da construção civil e resolução de disputas

“Ainda que a opção pelo Poder Judiciário seja prática comum, os contratantes têm optado pelas chamadas ´soluções alternativas´ de conflitos, em que a arbitragem reina”. Artigo dos advogados Luis Renato Ferreira da Silva e Guilherme Carneiro Monteiro Nitschke.

Anatel: o sindicato das empresas de telefonia

O País precisa aplicar a lógica dos direitos do consumidor. Quando se examinam os baixos índices de crescimento da economia, nem sempre se levam em conta fatores que violam as mais elementares relações de consumo”. Artigo de Claudio Lamachia, presidente nacional da OAB.