Ir para o conteúdo principal

Edição antecipada 21-22 de junho de 2018.

Contratação de temporários dá direito de nomeação a candidata aprovada fora das vagas



A 2ª Turma do STJ concedeu direito de nomeação e posse a candidata aprovada fora do número de vagas previsto em edital. Antes de vencido o prazo de validade do concurso público, foram contratados professores temporários.
A Justiça do Maranhão denegou a segurança tendo em vista que, "embora a impetrante tenha sido aprovada no concurso, sua classificação encontra-se fora do número de vagas previsto no edital".

O ministro Mauro Campbell Marques observou o entendimento do STJ de que a mera expectativa de nomeação dos candidatos aprovados fora do número de vagas passa a ser direito líquido e certo no caso de contratação de pessoal de forma precária para o preenchimento de vagas existentes dentro do prazo de validade do concurso.

O relator ressaltou ainda que a própria lei estadual que regula a contratação temporária de professores no estado do Maranhão reforça o entendimento. A norma fixa que tal contratação só é possível quando não existam candidatos aprovados em concurso público e devidamente habilitados. (Com informações do STJ).

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Professor réu em ação criminal não pode assumir cargo público

Ele foi aprovado em certame para “assistente de alunos”. Mas tem uma condenação – sem trânsito em julgado – por tráfico de drogas. O TRF-4 considerou que “a precaução com o interesse público deve prevalecer frente ao interesse do particular”.

Inclusão da cota racial em concursos para cartórios

O CNJ modifica seu entendimento anterior e permite que os tribunais estaduais adotem a prática, já que têm autonomia para disciplinar editais. Precedente foi criado em certame para cartório de notas e registros de Tocantins.

Liminar suspende concurso para juiz de Direito no RS

Os participantes são cerca de 11 mil. Cinquenta impetrantes de mandado de segurança alegaram “falta de transparência no certame”. Relator reconheceu que “há, por parte da banca examinadora, ausência de publicidade dos critérios de valoração”.