Ir para o conteúdo principal

Terça-feira , 26 de Julho de 2016.

A demora nos processos judiciais



Por Lúcio Lauser,
advogado (OAB/RS n° 58.719)

Celeridade e efetividade são palavras imortalizadas no senso comum popular, especialmente no íntimo do cidadão que por alguma razão litiga como autor ou como réu em processo judicial no Brasil.

O universo jurídico é cada vez mais latente nas conversas informais de fim de tarde, o que denota empiricamente o aumento exponencial das demandas que chegam aos magistrados. Parece que cada pessoa ao lado possui um processo judicial.

Cabe questionar o porquê desse crescimento de confrontos judiciais. Será que sociologicamente estamos mais comprometidos em lutar por nossos interesses individuais e nos irresignarmos com as afrontas aos direitos das minorias, dos grupos chamados vulneráveis, dos direitos coletivos e dos direitos humanos?

Ou será talvez que tal aumento de litigiosidade se deve às novas tecnologias que ampliaram ainda mais o acesso à informação, e consequetemente ao judiciário?

De um modo ou de outro, fica a indagação: Por que os processos judiciais demoram tanto a serem resolvidos?

A reflexão se mostra sempre necessária e válida, para que o processo dedutivo-indutivo racional possa viabilizar uma alternativa ou proposta de solução mais adequada possível. É hora de ponderar sobre as razões, procedimentos e consequências dessa falta de agilidade da jurisdição, para que então, a decisão seja a mais acertada possível.

A sociedade civil precisa participar ativamente desse processo.

casserelauser@gmail.com

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Estatística é passo indispensável para o debate jurídico

Não basta aos juízes, especialmente os de tribunais especiais, apenas conhecer o texto legal. Devem estar atentos às consequências práticas de suas decisões. Isso passa pela análise de dados estatísticos relativos à realidade na qual o caso se insere”. Artigo de Adilson Simonis e Marcelo Guedes Nunes.

Querem acabar com a Justiça do Trabalho!...

Nunca esteve tão forte a presença do Banco Mundial, com seus objetivos fundamentais (Instrução Técnica nº 319): ´Os honorários advocatícios devem ser reduzidos, desestimulando o exercício profissional digno, independente e combativo; e, na medida do possível, o advogado deve ser afastado do processo judicial´´”... Artigo da advogada Bernadete Kurtz.

Arte de Camila Adamoli

Dezoito anos em busca de uma indenização

 

Dezoito anos em busca de uma indenização

A dor de uma advogada gaúcha que perdeu seu marido em acidente de trabalho ocorrido em 1978. Os impropérios na contestação do Estado. A indenização pífia. O precatório que não é pago. “Estou, até hoje, engasgada; a minha dor é a de tantos seres humanos injustiçados”.

Charge de Gerson Kauer

Advogado quebra, mas não verga!

 

Advogado quebra, mas não verga!

Antes nós tínhamos juízes que pensavam e agiam como deuses; a gente foi deixando, fazendo piada, aguentando, às vezes brigando... Agora há também gabinetes jurisdicionais que são templos que abrigam deuses (“eles...”), semideuses (assessores) e vice deuses (estagiários). Que saudade do tempo em que só havia deuses!”. Artigo da advogada Bernadete Kurtz (OAB-RS nº 6.937)

O preço de não dialogar e a mediação

Quando você estiver num conflito, e pensar em ajuizar uma ação para que o Poder Judiciário lhe dê uma resposta, pense bem”. Artigo de Eliana Giusto, advogada e mediadora.

O usucapião extrajudicial

Instituído pelo novo Código de Processo Civil, o procedimento ocorre diretamente no Registro de Imóveis da comarca em que estiver jurisdicionado o imóvel usucapiendo, a requerimento do interessado e representado por um advogado”. Artigo de Rodrigo Isolan, tabelião substituto.