Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 27 de Maio de 2016.

A demora nos processos judiciais



Por Lúcio Lauser,
advogado (OAB/RS n° 58.719)

Celeridade e efetividade são palavras imortalizadas no senso comum popular, especialmente no íntimo do cidadão que por alguma razão litiga como autor ou como réu em processo judicial no Brasil.

O universo jurídico é cada vez mais latente nas conversas informais de fim de tarde, o que denota empiricamente o aumento exponencial das demandas que chegam aos magistrados. Parece que cada pessoa ao lado possui um processo judicial.

Cabe questionar o porquê desse crescimento de confrontos judiciais. Será que sociologicamente estamos mais comprometidos em lutar por nossos interesses individuais e nos irresignarmos com as afrontas aos direitos das minorias, dos grupos chamados vulneráveis, dos direitos coletivos e dos direitos humanos?

Ou será talvez que tal aumento de litigiosidade se deve às novas tecnologias que ampliaram ainda mais o acesso à informação, e consequetemente ao judiciário?

De um modo ou de outro, fica a indagação: Por que os processos judiciais demoram tanto a serem resolvidos?

A reflexão se mostra sempre necessária e válida, para que o processo dedutivo-indutivo racional possa viabilizar uma alternativa ou proposta de solução mais adequada possível. É hora de ponderar sobre as razões, procedimentos e consequências dessa falta de agilidade da jurisdição, para que então, a decisão seja a mais acertada possível.

A sociedade civil precisa participar ativamente desse processo.

casserelauser@gmail.com

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Cuidado com o prazo para a citação por edital!

Pelo novo Código de Processo Civil, "incumbe ao autor adotar, no prazo de dez dias, as providências necessárias”. Artigo de Sérgio Souza Araújo, serventuário da justiça aposentado.

Nem as moscas

 

Nem as moscas

Ouvi de um pessimista que, desta vez, ´nem as moscas mudam´. De fato, a nominata do Ministério Temer passa a ideia sugerida pela fala de certa personagem de Giuseppe di Lampedusa, em Il Gatopardo: as mudanças se fazem para que tudo continue como está”.

Judicialização e impeachment

O Judiciário, ao contrário dos demais Poderes, pode interferir diretamente no resultado das atividades do Legislativo e do Executivo (por via do controle da constitucionalidade e da legalidade), mas – também nisso diferente deles – não se move por iniciativa própria”.

Novos contratos da construção civil e resolução de disputas

“Ainda que a opção pelo Poder Judiciário seja prática comum, os contratantes têm optado pelas chamadas ´soluções alternativas´ de conflitos, em que a arbitragem reina”. Artigo dos advogados Luis Renato Ferreira da Silva e Guilherme Carneiro Monteiro Nitschke.

Anatel: o sindicato das empresas de telefonia

O País precisa aplicar a lógica dos direitos do consumidor. Quando se examinam os baixos índices de crescimento da economia, nem sempre se levam em conta fatores que violam as mais elementares relações de consumo”. Artigo de Claudio Lamachia, presidente nacional da OAB.