Ir para o conteúdo principal

Atualização em 22.03.2017, às 16h

A demora nos processos judiciais



Por Lúcio Lauser,
advogado (OAB/RS n° 58.719)

Celeridade e efetividade são palavras imortalizadas no senso comum popular, especialmente no íntimo do cidadão que por alguma razão litiga como autor ou como réu em processo judicial no Brasil.

O universo jurídico é cada vez mais latente nas conversas informais de fim de tarde, o que denota empiricamente o aumento exponencial das demandas que chegam aos magistrados. Parece que cada pessoa ao lado possui um processo judicial.

Cabe questionar o porquê desse crescimento de confrontos judiciais. Será que sociologicamente estamos mais comprometidos em lutar por nossos interesses individuais e nos irresignarmos com as afrontas aos direitos das minorias, dos grupos chamados vulneráveis, dos direitos coletivos e dos direitos humanos?

Ou será talvez que tal aumento de litigiosidade se deve às novas tecnologias que ampliaram ainda mais o acesso à informação, e consequetemente ao judiciário?

De um modo ou de outro, fica a indagação: Por que os processos judiciais demoram tanto a serem resolvidos?

A reflexão se mostra sempre necessária e válida, para que o processo dedutivo-indutivo racional possa viabilizar uma alternativa ou proposta de solução mais adequada possível. É hora de ponderar sobre as razões, procedimentos e consequências dessa falta de agilidade da jurisdição, para que então, a decisão seja a mais acertada possível.

A sociedade civil precisa participar ativamente desse processo.

casserelauser@gmail.com

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Um sonho: aproximação e harmonia entre magistrados e advogados

“Não vejo motivo para que os personagens estejam distanciados, nem sob o ponto de vista das relações humanas, nem sob o ponto de vista profissional, já que são classes que se complementam”. Artigo do advogado Paulo A. P. Cordeiro (OAB-RS nº 79.834).

Rodrigo Maia: Quem é você que não sabe o que diz?

“A consequência da livre negociação, nesta relação desigual, resulta no denominado capitalismo selvagem. Nele os trabalhadores são submetidos às regras impostas pelos patrões, sujeitando-se a jornadas de trabalho de até 16, 18 horas diárias”. Artigo do advogado Sergio Martins de Macedo.

A Reforma da Previdência e o preço de ser mulher hoje

“É vista com normalidade e sem escândalo, nos lares brasileiros, a cena de um homem sentado no sofá vendo televisão e descansando, enquanto alguma mulher da família, após longa jornada de trabalho, desdobra-se cuidar da casa e dar a melhor atenção possível aos familiares dependentes”. Artigo da advogada Elisa Torelly.