Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 28 de Agosto de 2015

A demora nos processos judiciais


Por Lúcio Lauser,
advogado (OAB/RS n° 58.719)

Celeridade e efetividade são palavras imortalizadas no senso comum popular, especialmente no íntimo do cidadão que por alguma razão litiga como autor ou como réu em processo judicial no Brasil.

O universo jurídico é cada vez mais latente nas conversas informais de fim de tarde, o que denota empiricamente o aumento exponencial das demandas que chegam aos magistrados. Parece que cada pessoa ao lado possui um processo judicial.

Cabe questionar o porquê desse crescimento de confrontos judiciais. Será que sociologicamente estamos mais comprometidos em lutar por nossos interesses individuais e nos irresignarmos com as afrontas aos direitos das minorias, dos grupos chamados vulneráveis, dos direitos coletivos e dos direitos humanos?

Ou será talvez que tal aumento de litigiosidade se deve às novas tecnologias que ampliaram ainda mais o acesso à informação, e consequetemente ao judiciário?

De um modo ou de outro, fica a indagação: Por que os processos judiciais demoram tanto a serem resolvidos?

A reflexão se mostra sempre necessária e válida, para que o processo dedutivo-indutivo racional possa viabilizar uma alternativa ou proposta de solução mais adequada possível. É hora de ponderar sobre as razões, procedimentos e consequências dessa falta de agilidade da jurisdição, para que então, a decisão seja a mais acertada possível.

A sociedade civil precisa participar ativamente desse processo.

casserelauser@gmail.com

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

´Prêmio Abacaxi´ para os advogados

Vaidades das vaidades. Tudo é vaidade. Mas o ´troféu´ é entregue somente àqueles que se dispõem a pagar uma considerável soma em dinheiro”. Artigo do advogado Zarur Mariano.

O testamento vital

Trata-se de uma escritura pública declaratória, realizada em tabelionato, que terá efeitos enquanto a pessoa estiver viva e obviamente sob tratamento médico. O Instituto Brasileiro de Direito de Família elenca dez razões para a confecção do documento”. Artigo do advogado Marcelo Santagada de Aguiar.

Arte EV sobre foto Camera Press

Onze de agosto de 2015, muito mais a comemorar

 

Onze de agosto de 2015, muito mais a comemorar

Nossa maior conquista foi o resgate da autoestima da advocacia. A OAB retomou seu papel institucional, recuperou sua credibilidade junto à sociedade e se reabilitou como porta voz dos interesses da cidadania. Ainda temos muito a fazer. Um novo ciclo de desafios se inicia”. Artigo de Claudio Lamachia, vice-presidente nacional da OAB

A advocacia e sua essencialidade à dignidade humana

Convivo diariamente com advogados que buscam - de modo transparente, profissional e com muita dignidade - alcançar aos indivíduos, seus clientes ou assistidos, os direitos proclamados pela Constituição e pelas leis da República”. Artigo do juiz Marcelo Malizia Cabral.