Ir para o conteúdo principal

Terça -feira ,20 de Dezembro de 2016.

A demora nos processos judiciais



Por Lúcio Lauser,
advogado (OAB/RS n° 58.719)

Celeridade e efetividade são palavras imortalizadas no senso comum popular, especialmente no íntimo do cidadão que por alguma razão litiga como autor ou como réu em processo judicial no Brasil.

O universo jurídico é cada vez mais latente nas conversas informais de fim de tarde, o que denota empiricamente o aumento exponencial das demandas que chegam aos magistrados. Parece que cada pessoa ao lado possui um processo judicial.

Cabe questionar o porquê desse crescimento de confrontos judiciais. Será que sociologicamente estamos mais comprometidos em lutar por nossos interesses individuais e nos irresignarmos com as afrontas aos direitos das minorias, dos grupos chamados vulneráveis, dos direitos coletivos e dos direitos humanos?

Ou será talvez que tal aumento de litigiosidade se deve às novas tecnologias que ampliaram ainda mais o acesso à informação, e consequetemente ao judiciário?

De um modo ou de outro, fica a indagação: Por que os processos judiciais demoram tanto a serem resolvidos?

A reflexão se mostra sempre necessária e válida, para que o processo dedutivo-indutivo racional possa viabilizar uma alternativa ou proposta de solução mais adequada possível. É hora de ponderar sobre as razões, procedimentos e consequências dessa falta de agilidade da jurisdição, para que então, a decisão seja a mais acertada possível.

A sociedade civil precisa participar ativamente desse processo.

casserelauser@gmail.com

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Teto constitucional, acumulação de cargos e contradições

“Um dos projetos aprovados pela Comissão Especial do Extrateto do Senado Federal contém contradição com o próprio texto constitucional. É o caso da aplicação do teto nas hipóteses de acumulação de cargos”. Artigo do advogado Adovaldo Dias de Medeiros Filho.

Medo do Poder Judiciário?

“As leis e regras criadas pelo Legislativo têm preferência, pois resultam da arena democrática. Mas não é preferência absoluta”. Artigo de Carlos Luiz Strapazzon, doutor em Direito (UF-SC).

Os corruptos são felizes?

“Mais uma face desse espelho distorcido que engana a tantos: olhe no rosto daquele que você julgar corrupto, tente buscar um sinal de felicidade e não encontrará!”. Artigo de Alvaro Fernando, autor de “Comunicação e Persuasão – O Poder do Diálogo”.

Juízes que fazem as suas próprias leis

A Constituição do Brasil afirma, em seu artigo 2º, a independência e harmonia entre Legislativo, Executivo e Judiciário, o que supõe que cada um dos Três Poderes se limite a exercer as funções que lhe cabem. Daí que o Judiciário não pode legislar. Essa é uma prerrogativa do Legislativo”. Artigo de Eros Roberto Grau, ministro aposentado do STF.

O Supremo contra o Supremo

“Em 2015, em 84% das decisões o ministro decidiu sozinho. Ao plenário, foram somente 2,4% delas. Onze Supremos. Por tolerar que os ministros não devolvam no prazo os pedidos de vista, transformaram este procedimento administrativo em velada arma de políticas e interesses inconstitucionais”. Artigo de Joaquim Falcão, professor e diretor da Escola de Direito da FGV-Rio.

A união estável e a capacidade civil

O Estatuto da Pessoa com Deficiência afirma peremptoriamente que a deficiência não afeta a plena capacidade civil da pessoa, inclusive para casar-se e constituir união estável”. Artigo de José Carlos Teixeira Giorgis.