Ir para o conteúdo principal

Terça-feira , 28 de Junho de 2016.

A demora nos processos judiciais



Por Lúcio Lauser,
advogado (OAB/RS n° 58.719)

Celeridade e efetividade são palavras imortalizadas no senso comum popular, especialmente no íntimo do cidadão que por alguma razão litiga como autor ou como réu em processo judicial no Brasil.

O universo jurídico é cada vez mais latente nas conversas informais de fim de tarde, o que denota empiricamente o aumento exponencial das demandas que chegam aos magistrados. Parece que cada pessoa ao lado possui um processo judicial.

Cabe questionar o porquê desse crescimento de confrontos judiciais. Será que sociologicamente estamos mais comprometidos em lutar por nossos interesses individuais e nos irresignarmos com as afrontas aos direitos das minorias, dos grupos chamados vulneráveis, dos direitos coletivos e dos direitos humanos?

Ou será talvez que tal aumento de litigiosidade se deve às novas tecnologias que ampliaram ainda mais o acesso à informação, e consequetemente ao judiciário?

De um modo ou de outro, fica a indagação: Por que os processos judiciais demoram tanto a serem resolvidos?

A reflexão se mostra sempre necessária e válida, para que o processo dedutivo-indutivo racional possa viabilizar uma alternativa ou proposta de solução mais adequada possível. É hora de ponderar sobre as razões, procedimentos e consequências dessa falta de agilidade da jurisdição, para que então, a decisão seja a mais acertada possível.

A sociedade civil precisa participar ativamente desse processo.

casserelauser@gmail.com

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A democratização do Judiciário: o momento para uma discussão racional

Mais de 98% dos juízes brasileiros não são pretos ou indígenas. Em outras palavras, 98% dos magistrados do Brasil possivelmente jamais sofreram uma abordagem policial em razão da cor da sua pele. E 98% dos juízes brasileiros possivelmente jamais sofreram o temor de perder um pedaço coletivo de terra que consideram sagrada”. Artigo de André Augusto Salvador Bezerra, presidente do Conselho Executivo da Associação Juízes para a Democracia

Politicamente (in)correto

“Sem negar o repugnante que é o racismo, sua criminalização ingressou no universo jurídico brasileiro com feição bizarra. Quem chamar o negro de macaco pratica um crime inafiançável; quem matá-lo, poderá talvez prestar fiança e responder em liberdade”.

O celular e o futuro da justiça

“Um jovem advogado de Pernambuco teve, em dois anos, mais de mil casos na justiça. Não tem escritório. Não tem secretária. Não tem biblioteca, mas tem um celular. E basta”. Artigo de Joaquim Falcão, professor da FGV Direito Rio.

Fila ordinária” da ordem cronológica e “fila dupla” de idosos

O drama dos precatórios continua. “Não havendo recursos suficientes para saldar dívida bilionária, os valores são alcançados aos credores em doses homeopáticas. E os advogados estão sendo prejudicados nos pedidos de preferência”. Artigo do advogado Telmo Schorr.