Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira ,30 de Setembro de 2016.

A demora nos processos judiciais



Por Lúcio Lauser,
advogado (OAB/RS n° 58.719)

Celeridade e efetividade são palavras imortalizadas no senso comum popular, especialmente no íntimo do cidadão que por alguma razão litiga como autor ou como réu em processo judicial no Brasil.

O universo jurídico é cada vez mais latente nas conversas informais de fim de tarde, o que denota empiricamente o aumento exponencial das demandas que chegam aos magistrados. Parece que cada pessoa ao lado possui um processo judicial.

Cabe questionar o porquê desse crescimento de confrontos judiciais. Será que sociologicamente estamos mais comprometidos em lutar por nossos interesses individuais e nos irresignarmos com as afrontas aos direitos das minorias, dos grupos chamados vulneráveis, dos direitos coletivos e dos direitos humanos?

Ou será talvez que tal aumento de litigiosidade se deve às novas tecnologias que ampliaram ainda mais o acesso à informação, e consequetemente ao judiciário?

De um modo ou de outro, fica a indagação: Por que os processos judiciais demoram tanto a serem resolvidos?

A reflexão se mostra sempre necessária e válida, para que o processo dedutivo-indutivo racional possa viabilizar uma alternativa ou proposta de solução mais adequada possível. É hora de ponderar sobre as razões, procedimentos e consequências dessa falta de agilidade da jurisdição, para que então, a decisão seja a mais acertada possível.

A sociedade civil precisa participar ativamente desse processo.

casserelauser@gmail.com

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Dano moral no atraso salarial aos servidores

“O ´não pago porque não tenho´, pode ser uma resposta contingente sincera, para exonerar o administrador do Governo de responsabilidades pessoais. Mas não exonera o Estado-administrador das suas responsabilidades indenizatórias, tanto materiais como morais”. 

Home office”: desafios de uma nova realidade

“O fato de o trabalhador prestar serviços em domicílio, por si só, não gera o dever da empresa custear gastos com energia elétrica, internet, telefone. (...). Mas mesmo trabalhando em casa, o empregado tem garantidos todos os direitos trabalhistas e previdenciários”. Artigo da advogada Karla Guimarães da Rocha Louro.

Paralisação remunerada

(Do baú do Espaço Vital, mas sempre atual). “No Carnaval, enquanto os mortais caem na folia na terça-feira, a Justiça Federal já se abraça com Momo desde a segunda-feira. Na Semana Santa, enquanto o cidadão comum fica de folga na sexta-feira para cumprir suas obrigações religiosas, juízes, desembargadores e servidores abstêm-se de trabalhar a partir da quarta-feira, inclusive – certamente porque têm mais obrigações religiosas a cumprir...” Artigo de Rômulo Pizzolatti, magistrado federal do TRF-4

Tritrilhas.com

Os filhos de leprosos e o dano moral reconhecido

 

Os filhos de leprosos e o dano moral reconhecido

“Ora, se o próprio Estado reconhece o direito de pensionamento às pessoas atingidas pela doença, é corolário assegurar-se aos filhos o pagamento de indenizações por dano moral. Aplicação analógica das Leis nºs 11.520/2007 nº 10.559/2002”. Artigo de José Carlos Teixeira Giorgis, advogado e desembargador aposentado do TJRS. (Na foto, o hospital colônia, em Porto Alegre, que abrigava os portadores de hanseníase – lepra - obrigados a viver em segregação ou isolamento compulsório).

Cobrança indevida na conta de energia elétrica

“Decisão do STJ confirmou entendimento dos tribunais inferiores, no sentido de que se deve excluir da base de cálculo de ICMS as tarifas de transmissão e distribuição de energia”. Artigo da advogada Mayra Vieira Dias (OAB-SP).

A construção coletiva e criativa da jurisprudência

As novas súmulas do TRT-4 são o caminho para um direito do trabalho de precedentes.  E a participação da advocacia, ocupando espaços dialéticos propiciados pelo TRT-4, torna real e efetiva a interlocução da sociedade”. Artigo de Dênis Einloft, advogado e presidente da Agetra.