Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 29 de Abril de 2016.

A demora nos processos judiciais



Por Lúcio Lauser,
advogado (OAB/RS n° 58.719)

Celeridade e efetividade são palavras imortalizadas no senso comum popular, especialmente no íntimo do cidadão que por alguma razão litiga como autor ou como réu em processo judicial no Brasil.

O universo jurídico é cada vez mais latente nas conversas informais de fim de tarde, o que denota empiricamente o aumento exponencial das demandas que chegam aos magistrados. Parece que cada pessoa ao lado possui um processo judicial.

Cabe questionar o porquê desse crescimento de confrontos judiciais. Será que sociologicamente estamos mais comprometidos em lutar por nossos interesses individuais e nos irresignarmos com as afrontas aos direitos das minorias, dos grupos chamados vulneráveis, dos direitos coletivos e dos direitos humanos?

Ou será talvez que tal aumento de litigiosidade se deve às novas tecnologias que ampliaram ainda mais o acesso à informação, e consequetemente ao judiciário?

De um modo ou de outro, fica a indagação: Por que os processos judiciais demoram tanto a serem resolvidos?

A reflexão se mostra sempre necessária e válida, para que o processo dedutivo-indutivo racional possa viabilizar uma alternativa ou proposta de solução mais adequada possível. É hora de ponderar sobre as razões, procedimentos e consequências dessa falta de agilidade da jurisdição, para que então, a decisão seja a mais acertada possível.

A sociedade civil precisa participar ativamente desse processo.

casserelauser@gmail.com

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O novo processo do trabalho à luz do NCPC/15

A controvérsia em torno das novas regras processuais. “Ficará a cargo do TST, colmatar as inúmeras lacunas deixadas pela IN nº 39/2016, com o propósito de conferir maior racionalidade ao sistema e, concomitantemente, velar pelo respeito ao devido processo legal em sua acepção substancial”.Artigo de Ricardo Souza Calcini.

Pra não dizer que não falei de impeachment

Adroaldo Furtado Fabrício recorda, a propósito do impeachment, “aquele deprimente espetáculo de vaidades, ignomínias e baixaria geral”. E imagina-se a escrever o roteiro de um ´western´ – inspirado em Brasília – a ser dirigido por Clint Eastwood. “Renomados e temidos pistoleiros estão em cena. Não se trata de um duelo, pois são três, cada um por si e contra os outros dois. Todos têm a certeza de que do encontro sobrará um só, se sobrar”... 

Alô, mamãe!

...E pelos meus filhinhos, digo SIM! No ar, mais um campeão de indecência!”. Artigo de Manoel Marcondes Machado Neto, doutor em Ciências da Comunicação pela USP.

Os próximos passos do processo de impeachment de Dilma

O brilhante Paulo Brossard, em 1993, publicou um artigo em que criticava a medievalidade desta feitura processual. O texto finalizava assim: ´Poucas pessoas se dão conta de que o impeachment declinou na Inglaterra quando, em seu lugar, a moção de censura entrou a funcionar e veio a substituir o cepo e o machado, que serviram para que rolassem algumas cabeças mais menos ilustres... e a linguagem não é figurada.´” Artigo do advogado Marcones Santos.

Vizinho do Lula

Adroaldo Furtado Fabrício vizinhou com o ex-presidente da República por algumas horas, no Hotel Golden Tulip, em Brasília. E questiona “sobre quem estaria suportando a conta da falada suíte do terceiro andar, hoje funcionando como uma espécie de prolongamento da Esplanada dos Ministérios, frequentada por todos os maiores figurões do poder”.

O Supremo e seu labirinto

“O resultado tem sido a centralização, a suprema judicialização inclusive dos destinos de uma nação. A centralização é tanta que o STF não consegue tudo resolver. Seleciona. A uns, a luz da decisão; a outros, cerca de 50 mil, a escuridão de esperas imemoriais”. Artigo de Joaquim Falcão, professor da FGV Direito Rio.