Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 18 de Abril de 2017

A demora nos processos judiciais



Por Lúcio Lauser,
advogado (OAB/RS n° 58.719)

Celeridade e efetividade são palavras imortalizadas no senso comum popular, especialmente no íntimo do cidadão que por alguma razão litiga como autor ou como réu em processo judicial no Brasil.

O universo jurídico é cada vez mais latente nas conversas informais de fim de tarde, o que denota empiricamente o aumento exponencial das demandas que chegam aos magistrados. Parece que cada pessoa ao lado possui um processo judicial.

Cabe questionar o porquê desse crescimento de confrontos judiciais. Será que sociologicamente estamos mais comprometidos em lutar por nossos interesses individuais e nos irresignarmos com as afrontas aos direitos das minorias, dos grupos chamados vulneráveis, dos direitos coletivos e dos direitos humanos?

Ou será talvez que tal aumento de litigiosidade se deve às novas tecnologias que ampliaram ainda mais o acesso à informação, e consequetemente ao judiciário?

De um modo ou de outro, fica a indagação: Por que os processos judiciais demoram tanto a serem resolvidos?

A reflexão se mostra sempre necessária e válida, para que o processo dedutivo-indutivo racional possa viabilizar uma alternativa ou proposta de solução mais adequada possível. É hora de ponderar sobre as razões, procedimentos e consequências dessa falta de agilidade da jurisdição, para que então, a decisão seja a mais acertada possível.

A sociedade civil precisa participar ativamente desse processo.

casserelauser@gmail.com

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Deboche bilionário

Quem assiste aos vídeos dos depoimentos das delações premiadas, liberados pelo STF, fica estupefato com a desfaçatez, o deboche e o escárnio com que os depoentes, mandatários maiores da empreiteira, e seus prepostos, tratam o Estado brasileiro e seus propósitos”. Artigo do jornalista Vilson Antonio Romero.

Falta combinar com o Judiciário

“Continuamos no mesmo limbo jurídico de antes e com a mesma insegurança na terceirização que não observa as situações acima indicadas: se houver demanda judicial entre a contratada e seu empregado, a tomadora continua pagando a conta?”. Artigo do advogado Marcus Vinicius Ramos Gonçalves (OAB-SP).

Quando o ex-presidente Lula será preso?

A tolerância e o diálogo são uma exigência da democracia. E Nietzsche está certo: ´As convicções são inimigas mais perigosas da verdade do que as mentiras´”.  Artigo de Nelson Jobim, advogado (OAB-DF) e ex-presidente do STF.

O tempo é a justiça

“Ao adiar o julgamento sobre a chapa Dilma-Temer, o TSE, no fundo, está mantendo a legalidade. Já se disse que o tempo é senhor da razão. Mas, no Brasil, a exacerbação e o jogo processual, com prazos infindáveis, faz do tempo o senhor da Justiça”. Artigo de Joaquim Falcão, professor da FGV Direito Rio.