Ir para o conteúdo principal

Terça -feira ,06 de Dezembro de 2016.

A demora nos processos judiciais



Por Lúcio Lauser,
advogado (OAB/RS n° 58.719)

Celeridade e efetividade são palavras imortalizadas no senso comum popular, especialmente no íntimo do cidadão que por alguma razão litiga como autor ou como réu em processo judicial no Brasil.

O universo jurídico é cada vez mais latente nas conversas informais de fim de tarde, o que denota empiricamente o aumento exponencial das demandas que chegam aos magistrados. Parece que cada pessoa ao lado possui um processo judicial.

Cabe questionar o porquê desse crescimento de confrontos judiciais. Será que sociologicamente estamos mais comprometidos em lutar por nossos interesses individuais e nos irresignarmos com as afrontas aos direitos das minorias, dos grupos chamados vulneráveis, dos direitos coletivos e dos direitos humanos?

Ou será talvez que tal aumento de litigiosidade se deve às novas tecnologias que ampliaram ainda mais o acesso à informação, e consequetemente ao judiciário?

De um modo ou de outro, fica a indagação: Por que os processos judiciais demoram tanto a serem resolvidos?

A reflexão se mostra sempre necessária e válida, para que o processo dedutivo-indutivo racional possa viabilizar uma alternativa ou proposta de solução mais adequada possível. É hora de ponderar sobre as razões, procedimentos e consequências dessa falta de agilidade da jurisdição, para que então, a decisão seja a mais acertada possível.

A sociedade civil precisa participar ativamente desse processo.

casserelauser@gmail.com

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A união estável e a capacidade civil

O Estatuto da Pessoa com Deficiência afirma peremptoriamente que a deficiência não afeta a plena capacidade civil da pessoa, inclusive para casar-se e constituir união estável”. Artigo de José Carlos Teixeira Giorgis.

Charge de Gerson Kauer

Desinteresse em acabar com a corrupção?

 

Desinteresse em acabar com a corrupção?

“A Ciência Médica sabe como transformar o colesterol em testosterona. Mas não faz isso porque os laboratórios precisam vender remédios. Não lhes interessa acabar com a doença. Será que a OAB não se interessa pelo fim da corrupção porque precisa dos corruptos para abastecer o mercado de trabalho dos seus filiados?”. Artigo do advogado Antonio Silvestri (OAB-RS nº 17.672).

O Congresso quer enquadrar o Judiciário

“Deputados sem rosto tentam aprovar texto que permita uma interpretação extensiva do que seria o caixa dois. Querem mudar o passado. Alcançar e desfazer atos já praticados de lavagem de dinheiro, corrupção e evasão de divisas”. Artigo de Joaquim Falcão, professor da FGV Direito Rio.

Heróis da resistência

“Os bem-nascidos com pedigree familiar - que tanto receberam do país onde fizeram suas fortunas - indo embora! Os marajás inúteis lutando com unhas e dentes para manter seus privilégios”. Artigo do advogado João-francisco Rogowski.