Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 12 de Fevereiro de 2016

A demora nos processos judiciais



Por Lúcio Lauser,
advogado (OAB/RS n° 58.719)

Celeridade e efetividade são palavras imortalizadas no senso comum popular, especialmente no íntimo do cidadão que por alguma razão litiga como autor ou como réu em processo judicial no Brasil.

O universo jurídico é cada vez mais latente nas conversas informais de fim de tarde, o que denota empiricamente o aumento exponencial das demandas que chegam aos magistrados. Parece que cada pessoa ao lado possui um processo judicial.

Cabe questionar o porquê desse crescimento de confrontos judiciais. Será que sociologicamente estamos mais comprometidos em lutar por nossos interesses individuais e nos irresignarmos com as afrontas aos direitos das minorias, dos grupos chamados vulneráveis, dos direitos coletivos e dos direitos humanos?

Ou será talvez que tal aumento de litigiosidade se deve às novas tecnologias que ampliaram ainda mais o acesso à informação, e consequetemente ao judiciário?

De um modo ou de outro, fica a indagação: Por que os processos judiciais demoram tanto a serem resolvidos?

A reflexão se mostra sempre necessária e válida, para que o processo dedutivo-indutivo racional possa viabilizar uma alternativa ou proposta de solução mais adequada possível. É hora de ponderar sobre as razões, procedimentos e consequências dessa falta de agilidade da jurisdição, para que então, a decisão seja a mais acertada possível.

A sociedade civil precisa participar ativamente desse processo.

casserelauser@gmail.com

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Incomunicáveis

O turista argentino, encerrado o veraneio em SC, parou o automóvel da família para abastecimento. Minutos depois, o ´hermano´ partiu, mas só se deu conta do “extravio” da cônjuge ao ser parado, 100 quilômetros adiante, pela Polícia Rodoviária. A propósito, Adroaldo Furtado Fabrício lembra um artigo, profético, do jurista Ruy Cirne Lima, intitulado “A rebelião das cousas”. Ele previu, há 50 anos, que as máquinas e os objetos tomariam o governo da vida humana.

O lucro fácil de alguns advogados

O que preocupa alguns defensores de réus da Operação Lava Jato – “é a garantia do lucro fácil – certamente, de não muito poucos milhões de reais! Vão além, a prestar desserviço à incipiente democracia brasileira, a não dispensar a transparência e a firmeza da Justiça”. Artigo de Edison Vicentini Barroso, desembargador do TJ-SP.

O começo do fim?

O Brasil debate-se hoje na crise múltipla que pode ser a maior de sua História. A saída é ainda uma incógnita absoluta, mas, seja qual for, com a mesma ou com outro Presidente, o País que dela vai emergir será diferente desse dos últimos treze anos”.

Eu tenho feito a minha parte!

Advogado se opõe ao ´festival de medalhas´ na Assembleia Legislativa do RS: 20 láureas para parentes de uma deputada. E uma também para Evo Morales... Artigo do advogado Pedro Lagomarcino.

Fim da amnésia cívica

Certa época, ´o brasileiro, a cada 15 minutos esquecia o que lhe aconteceu nos últimos 15 minutos´. Agora, o PT está sendo banido da História pelo Facebook”. Artigo do jornalista Ruy Fabiano.