Ir para o conteúdo principal

Terça -feira ,06 de Dezembro de 2016.

Negado o reconhecimento de união estável à viúva de milionário



A Justiça do Rio negou anteontem (22) recurso de apelação no qual a ex-cabeleireira Adriana Ferreira Almeida pedia reconhecimento de união estável com Renné Senna, ganhador da Mega-Sena, assassinado em 2007.
 
O prêmio pago foi de R$ 51,8 milhões. A defesa de Adriana diz que vai recorrer da decisão ao STJ, sustentando a validade de um testamento de Renné Senna em que ele destina metade de sua fortuna à companheira.

Adriana foi acusada de ser a mandante do assassinato, mas foi absolvida em 2011. O Ministério Público recorreu da decisão, motivo pelo qual a herança de Renné segue bloqueada.
 
Para recordar o caso
 
* Ex-lavrador, Renné Senna (1953 – 2007), ganhou 51,8 milhões de reais na Megassena em julho de 2005 e foi assassinado no dia 7 de janeiro de 2007 com quatro tiros em um bar em Rio Bonito (RJ). A viúva, Adriana Almeida (a quem foi dada a alcunha pejorativa de “Égua Loura”) era 25 anos mais jovem que Senna e foi apontada pela polícia como a mandante do crime, supostamente motivada pela herança.
 
* Renné Senna trabalhava desde criança como lavrador. Mais velho empregou-se num açougue, de onde saiu quando precisou amputar as pernas por complicações de diabetes. Sem emprego, contando apenas com a aposentadoria, vendia flores em cadeira de rodas à beira da estrada Rio-Santos. Foi abandonado pela primeira mulher, que levou sua única filha. A situação de Renné ficou tão complicada que ele nem sequer tinha onde morar.

* Os amigos descrevem Renné como uma pessoa generosa mesmo nos tempos de dificuldades. Mesmo à beira da miséria, ele dava parte de sua pensão do INSS à filha, Renata, e ajudava como podia os seus onze irmãos. Vivia de favor numa casa no quintal de uma escola.

* Foi nesta deprimente situação que ele conheceu Adriana Almeida, residente no mesmo bairro que ele em Rio Bonito, por quem se apaixonou. Segundo os amigos ele mantinha distância porque não se julgava à altura dela. Adriana tinha um salão de beleza e era cobiçada pelos homens do bairro, mas antes de casar com Renné, sua vida financeira não ia bem. Fechou o salão de cabeleireiro porque não tinha dinheiro para pagar o aluguel do imóvel e passou a atender clientes em casa.

* Em julho de 2005 Renne Senna viu sua vida mudar ao ganhar os quase 52 milhões de reais na Mega-Sena. Logo comprou um quadriciclo de 19 mil reais, e deu imóveis aos irmãos. Depois do prêmio, tentou mudar de bairro e foi para o Recreio dos Bandeirantes, bairro nobre no Rio de Janeiro. Não se adaptou e voltou para Rio Bonito, que dizia ser o melhor lugar do mundo para viver. Construiu para si uma casa de 9 milhões de reais, onde acompanhava de perto a criação das 846 cabeças de gado e dos 12 cavalos.
 
* Andava com seguranças porque tinha medo de sequestro, mas não mudou seus hábitos. Continuava bebendo nos bares de Rio Bonito e conversando com os antigos amigos.
 
* Adriana mudou completamente depois do casamento com Renné, em 2006: não trabalhou mais e passou a circular em um automóvel Mercedes-Benz, sempre acompanhada por seguranças. Passava boa parte do tempo em uma academia de ginástica. Colocou silicone nos lábios, pintou os cabelos de louro e, quando foi presa, usava óculos imensos e se vestia como um clone de Daniella Cicarelli.
 
* Por Adriana, Renné modificou seu testamento. Os onze irmãos e a filha, antes os únicos beneficiários, passaram a ter de dividir com ela a herança em caso de morte.
 
* Quatro dias antes do crime, Renné, em consulta habitual ao gerente do banco onde tinha tinha o dinheio depositado, descobriu que Adriana havia sacado R$ 300 mil da conta conjunta do casal para comprar uma cobertura em Arraial do Cabo, na Região dos Lagos do Rio.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Camera Press

Um homem gaúcho e suas duas mulheres

 

Um homem gaúcho e suas duas mulheres

Uma relação amorosa – que se tornou duradoura - entre um militar (casado), 39 de idade, e uma jovem na florescência dos seus 15 de idade, teve -, 40 anos depois, vários desdobramentos jurídicos. Em Juízo foram fixados alimentos. A “companheira” também recebeu, por acordo, R$ 1 milhão. E o STJ acaba de confirmar a solução patrimonial “tripartida”, com a divisão dos bens entre os três integrantes do “triângulo”.

Irrevogabilidade do reconhecimento de paternidade feito por piedade

Decisão é do STJ. O autor da ação afirmou que seu pai estava sexualmente impotente desde alguns anos antes do nascimento dos gêmeos – supostamente seus filhos - em decorrência de cirurgia cerebral. O idoso teria escrito um bilhete no qual dizia que registrara os dois bebês apenas por piedade.

Nulidade de doação que ultrapassou metade do patrimônio comum de casal

Em caso oriundo de Porto Alegre, o STJ nega dois recursos especiais e mantém decisão que anulou, parcialmente, doação de ações realizada entre um empresário e seus filhos.  O valor a ser restituído ao patrimônio do casal será apurado durante a fase de liquidação de sentença.

União estável, por oito anos, de tio com sobrinha! Será?

STJ suspende o julgamento de recurso ordinário em mandado de segurança. TJ do Rio de Janeiro considerou que houve uma simulação de união estável, “provavelmente em reconhecimento dos cuidados que a sobrinha dispensou ao tio idoso e doente”.

Retorno imediato a Portugal de crianças mantidas ilegalmente no Brasil

Os irmãos têm nove e seis anos de idade. Eles viajaram com a mãe para o Brasil em 2011, com autorização do pai. Entretanto, a mãe resolveu não voltar ao território português.  Desde 1º de janeiro de 2012, o caso é considerado sequestro internacional de menores.