Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira ,23 de Setembro de 2016.

Morte de jornalista: federalizar apuração



Por João Baptista Herkenhoff,
professor da Faculdade Estácio de Sá (ES).

Setores da opinião pública estão pedindo a federalização das investigações destinadas a apurar o assassinato do jornalista Décio Sá, morto a tiros no dia 23 de abril passado, quando estava num bar, em São Luís, após ter deixado a redação do jornal “O Estado do Maranhão”.

A federalização da competência para julgamento dos crimes contra os direitos humanos está inserida num sistema de cooperação de competências jurisdicionais desencadeada em determinadas situações, quando as instâncias de poder dos entes subnacionais (Estados e Distrito Federal) se revelam insuficientes para cumprir os objetivos inscritos na Constituição Federal. (Simone Schreiber e Flávio Dino de Castro e Costa).

Aqueles que, no campo doutrinário, opõem-se ao “deslocamento de competência” afirmam que a medida seria desnecessária porque existem na Constituição mecanismos que atenderiam os fins colimados: cooperação da Polícia Federal nas investigações; desaforamento na hipótese de suspeição sobre a imparcialidade do júri; intervenção federal no Estado-membro. Parece-lhes que este instituto fere princípios jurídicos relevantes: o do pacto federativo; o do juiz natural; o da legalidade; o que proíbe o pré-julgamento.

A meu ver as objeções não procedem.

A cooperação da Polícia Federal nas investigações é muito mais limitada do que o deslocamento da
competência jurisdicional. O desaforamento do júri tem a ver apenas com a suspeição em nível territorial. A intervenção federal é muito mais ampla do que o simples deslocamento de competência numa hipótese singular. Apelar para a intervenção federal seria, simbolicamente, buscar a UTI quando o pronto-socorro é suficiente.

O deslocamento de competência não despreza o pacto federativo. Se na transgressão aos direitos humanos é o Brasil, como Estado soberano, que responde perante as Cortes Internacionais, não pode a União quedar-se inerte diante da responsabilidade de assegurar o império interno desses direitos.

O princípio do juiz natural só é rompido quando o órgão acusador escolhe o juízo para a tramitação da causa. Na hipótese em discussão, desloca-se apenas a competência para a Justiça Federal, que não é um tribunal de exceção.

Não me parece também que o deslocamento de competência induza a um pré-julgamento. Quando o procurador-geral pleiteia e o STJ defere o deslocamento de competência, não estão eles pronunciando um juízo de culpabilidade. Estão somente reconhecendo que se encontram, em tese, diante de uma grave violação dos direitos humanos e que o ente subnacional (Estado federado) revela-se insuficiente para o provimento judicial neutro, insuspeito, merecedor da mais absoluta confiança da sociedade.

jbherkenhoff@uol.com.br

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A construção coletiva e criativa da jurisprudência

As novas súmulas do TRT-4 são o caminho para um direito do trabalho de precedentes.  E a participação da advocacia, ocupando espaços dialéticos propiciados pelo TRT-4, torna real e efetiva a interlocução da sociedade”. Artigo de Dênis Einloft, advogado e presidente da Agetra.

A criminosa inércia e o inaceitável desleixo das instituições

Ao analisar o triste caso ocorrido em Júlio de Castilhos (RS), a advogada Maria Berenice Dias, em artigo, analisa a postura do promotor e a omissão da magistrada.  “É necessário que todos saiam da confortável situação de espectadores”.

Suspensão cautelar de advogados

“A meu sentir, o sigilo deve prevalecer tanto no exercício profissional, quanto nos processos administrativos disciplinares”. Artigo do advogado João Francisco Rogowski.

A lei para os mais fracos

A operação Lava Jato já condenou 74 réus a penas de mais de mil anos de prisão. Mas tem sido cautelosa ao botar gente na cadeia: políticos em atividade, por exemplo, são poucos; empresários de peso foram presos, foram condenados, mas só os de trato mais difícil estão na cadeia. Outros fizeram delação premiada e hoje vivem confortavelmente em suas mansões”. Artigo do jornalista Carlos Brickmann.

É café com leite, Lewandowski!

Uma pessoa entra em uma lanchonete e dirige-se ao balcão. O atendente se aproxima e o cliente pede: “Por favor, um café com leite”. O funcionário pergunta: “O senhor deseja um copo com café e outro com leite, um copo com ambos juntos ou, ainda, apenas café ou somente leite?”.

Artigo de Diego Dutra Goulart, promotor de Justiça do MP-SP.

Chargista Myrria

Um mal que emperra a Justiça

 

Um mal que emperra a Justiça

Com um exército de escritórios e pareceristas, os bancos protocolam uma enxurrada de recursos idênticos. Promovem visitas incessantes aos juízes, com objetivo de vencer pelo cansaço e reverter posições favoráveis aos cidadãos. Usando o discurso do medo, afirmam que o país pode quebrar, caso precisem pagar suas dívidas milionárias com os poupadores”. Artigo de Walter José Faiad de Moura, advogado (DF) do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor.