Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 04 de Agosto de 2015

Morte de jornalista: federalizar apuração


Por João Baptista Herkenhoff,
professor da Faculdade Estácio de Sá (ES).

Setores da opinião pública estão pedindo a federalização das investigações destinadas a apurar o assassinato do jornalista Décio Sá, morto a tiros no dia 23 de abril passado, quando estava num bar, em São Luís, após ter deixado a redação do jornal “O Estado do Maranhão”.

A federalização da competência para julgamento dos crimes contra os direitos humanos está inserida num sistema de cooperação de competências jurisdicionais desencadeada em determinadas situações, quando as instâncias de poder dos entes subnacionais (Estados e Distrito Federal) se revelam insuficientes para cumprir os objetivos inscritos na Constituição Federal. (Simone Schreiber e Flávio Dino de Castro e Costa).

Aqueles que, no campo doutrinário, opõem-se ao “deslocamento de competência” afirmam que a medida seria desnecessária porque existem na Constituição mecanismos que atenderiam os fins colimados: cooperação da Polícia Federal nas investigações; desaforamento na hipótese de suspeição sobre a imparcialidade do júri; intervenção federal no Estado-membro. Parece-lhes que este instituto fere princípios jurídicos relevantes: o do pacto federativo; o do juiz natural; o da legalidade; o que proíbe o pré-julgamento.

A meu ver as objeções não procedem.

A cooperação da Polícia Federal nas investigações é muito mais limitada do que o deslocamento da
competência jurisdicional. O desaforamento do júri tem a ver apenas com a suspeição em nível territorial. A intervenção federal é muito mais ampla do que o simples deslocamento de competência numa hipótese singular. Apelar para a intervenção federal seria, simbolicamente, buscar a UTI quando o pronto-socorro é suficiente.

O deslocamento de competência não despreza o pacto federativo. Se na transgressão aos direitos humanos é o Brasil, como Estado soberano, que responde perante as Cortes Internacionais, não pode a União quedar-se inerte diante da responsabilidade de assegurar o império interno desses direitos.

O princípio do juiz natural só é rompido quando o órgão acusador escolhe o juízo para a tramitação da causa. Na hipótese em discussão, desloca-se apenas a competência para a Justiça Federal, que não é um tribunal de exceção.

Não me parece também que o deslocamento de competência induza a um pré-julgamento. Quando o procurador-geral pleiteia e o STJ defere o deslocamento de competência, não estão eles pronunciando um juízo de culpabilidade. Estão somente reconhecendo que se encontram, em tese, diante de uma grave violação dos direitos humanos e que o ente subnacional (Estado federado) revela-se insuficiente para o provimento judicial neutro, insuspeito, merecedor da mais absoluta confiança da sociedade.

jbherkenhoff@uol.com.br

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Lula e os judeus

Na ocasião da posse do Sindicato dos Bancários do ABC, o ex-presidente da República comparou as críticas que o PT e a esquerda vêm sofrendo com a perseguição feita aos judeus pelos nazistas”. Artigo do juiz federal Hugo Otávio Tavares Vilela.

Uber: a eficácia da livre concorrência

Os serviços de táxi não são serviços públicos, logo não estão sob monopólio. E por serem serviços privados estariam inseridos dentro da ideia do princípio da livre concorrência”. Artigo da advogada Clarissa Felipe Cid.

O Código Divino

Aquele que tiver pensamentos positivos irá atrair para si o mesmo tipo de frequência, ao passo que quem tiver com pensamentos negativos receberá do universo a mesma carga negativa”. Artigo do advogado Mauricio Antonacci Krieger (OAB-RS nº 73.357).

Ousadia judicial

Como advertiu o mestre Piero Calamandrei, “há mais coragem no magistrado em ser justo parecendo injusto, do que em ser injusto para salvaguardar as aparências de justiça". Artigo da advogada Kátia Tavares.

Em estado de emergência !?

A crise se agrava, como se fosse uma enchente sem fim. E quando a água baixar, não sabemos em qual estado estará o nosso país”. Artigo de Lucas Carini, assessor jurídico em escritório de advocacia.

Uma apreciável inovação no TJ gaúcho

Ação judicial paga sem a necessidade de sentença. Recursos públicos preservados. E honorários advocatícios recebidos. A isso se denomina sabedoria, força e até mesmo beleza”. Artigo do advogado Telmo Schorr (32.158), membro da Comissão de Precatórios da OAB-RS.