Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 29 de Abril de 2016.

Morte de jornalista: federalizar apuração



Por João Baptista Herkenhoff,
professor da Faculdade Estácio de Sá (ES).

Setores da opinião pública estão pedindo a federalização das investigações destinadas a apurar o assassinato do jornalista Décio Sá, morto a tiros no dia 23 de abril passado, quando estava num bar, em São Luís, após ter deixado a redação do jornal “O Estado do Maranhão”.

A federalização da competência para julgamento dos crimes contra os direitos humanos está inserida num sistema de cooperação de competências jurisdicionais desencadeada em determinadas situações, quando as instâncias de poder dos entes subnacionais (Estados e Distrito Federal) se revelam insuficientes para cumprir os objetivos inscritos na Constituição Federal. (Simone Schreiber e Flávio Dino de Castro e Costa).

Aqueles que, no campo doutrinário, opõem-se ao “deslocamento de competência” afirmam que a medida seria desnecessária porque existem na Constituição mecanismos que atenderiam os fins colimados: cooperação da Polícia Federal nas investigações; desaforamento na hipótese de suspeição sobre a imparcialidade do júri; intervenção federal no Estado-membro. Parece-lhes que este instituto fere princípios jurídicos relevantes: o do pacto federativo; o do juiz natural; o da legalidade; o que proíbe o pré-julgamento.

A meu ver as objeções não procedem.

A cooperação da Polícia Federal nas investigações é muito mais limitada do que o deslocamento da
competência jurisdicional. O desaforamento do júri tem a ver apenas com a suspeição em nível territorial. A intervenção federal é muito mais ampla do que o simples deslocamento de competência numa hipótese singular. Apelar para a intervenção federal seria, simbolicamente, buscar a UTI quando o pronto-socorro é suficiente.

O deslocamento de competência não despreza o pacto federativo. Se na transgressão aos direitos humanos é o Brasil, como Estado soberano, que responde perante as Cortes Internacionais, não pode a União quedar-se inerte diante da responsabilidade de assegurar o império interno desses direitos.

O princípio do juiz natural só é rompido quando o órgão acusador escolhe o juízo para a tramitação da causa. Na hipótese em discussão, desloca-se apenas a competência para a Justiça Federal, que não é um tribunal de exceção.

Não me parece também que o deslocamento de competência induza a um pré-julgamento. Quando o procurador-geral pleiteia e o STJ defere o deslocamento de competência, não estão eles pronunciando um juízo de culpabilidade. Estão somente reconhecendo que se encontram, em tese, diante de uma grave violação dos direitos humanos e que o ente subnacional (Estado federado) revela-se insuficiente para o provimento judicial neutro, insuspeito, merecedor da mais absoluta confiança da sociedade.

jbherkenhoff@uol.com.br

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O novo processo do trabalho à luz do NCPC/15

A controvérsia em torno das novas regras processuais. “Ficará a cargo do TST, colmatar as inúmeras lacunas deixadas pela IN nº 39/2016, com o propósito de conferir maior racionalidade ao sistema e, concomitantemente, velar pelo respeito ao devido processo legal em sua acepção substancial”.Artigo de Ricardo Souza Calcini.

Pra não dizer que não falei de impeachment

Adroaldo Furtado Fabrício recorda, a propósito do impeachment, “aquele deprimente espetáculo de vaidades, ignomínias e baixaria geral”. E imagina-se a escrever o roteiro de um ´western´ – inspirado em Brasília – a ser dirigido por Clint Eastwood. “Renomados e temidos pistoleiros estão em cena. Não se trata de um duelo, pois são três, cada um por si e contra os outros dois. Todos têm a certeza de que do encontro sobrará um só, se sobrar”... 

Alô, mamãe!

...E pelos meus filhinhos, digo SIM! No ar, mais um campeão de indecência!”. Artigo de Manoel Marcondes Machado Neto, doutor em Ciências da Comunicação pela USP.

Os próximos passos do processo de impeachment de Dilma

O brilhante Paulo Brossard, em 1993, publicou um artigo em que criticava a medievalidade desta feitura processual. O texto finalizava assim: ´Poucas pessoas se dão conta de que o impeachment declinou na Inglaterra quando, em seu lugar, a moção de censura entrou a funcionar e veio a substituir o cepo e o machado, que serviram para que rolassem algumas cabeças mais menos ilustres... e a linguagem não é figurada.´” Artigo do advogado Marcones Santos.

A palavra impeachment

“Deveríamos usar ´impeachment, como faz a maioria da imprensa; ´impedimento´, como preferem aqueles que se incomodam com os estrangeirismos; ou outro nome qualquer?” Artigo do advogado Gustavo Cardoso.

O Supremo e seu labirinto

“O resultado tem sido a centralização, a suprema judicialização inclusive dos destinos de uma nação. A centralização é tanta que o STF não consegue tudo resolver. Seleciona. A uns, a luz da decisão; a outros, cerca de 50 mil, a escuridão de esperas imemoriais”. Artigo de Joaquim Falcão, professor da FGV Direito Rio.