Ir para o conteúdo principal

Edição de Terça-feira, 17 de abril de 2018.

A alma que está no limbo



Romance forense

Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria


A sexagenária serviçal da paróquia interiorana - conhecida nas fofocas da cidade - como "a mulher do padre" fora demitida de todas as suas funções. Mas recebeu apenas o aviso prévio indenizado. Por isso foi à Justiça Comum em busca dos "seus direitos".  Relatou que iniciou como empregada doméstica da residência do religioso, mas que, com o passar do tempo, “ambos acederam aos apelos naturais da carne”.
 
O juiz não poupou palavrórios numa sentença de 40 laudas, de improcedência da ação: "não há prova do concubinato, embora o padre seja um homem de comportamento ético duvidoso, que pecou ao, no depoimento, atingir a honra dela, acusando-a injustamente por dois furtos não comprovados".
 
O processo subiu ao TJ, para exame da apelação da "mulher do padre" - aliás, empregada do padre.
 
Ao confirmar a sentença de improcedência, o relator levou em consideração quatro aspectos: 1. A diferença de mais de 30 anos de idade que separa ambos; 2. O desnível cultural, econômico e profissional; 3. O padre sempre teve um comportamento pessoal, social e profissional sem qualquer arranhão ou mácula – tanto que recebeu do Papa a dignidade de “prelado de honra”. 4. A inexistência de prova testemunhal que confirmasse que as relações tenham sido constantes e de cama e mesa.
 
Foi quando o revisor - acenando com o artigo 114, da Emenda Constitucional nº 45 - lembrou que a competência processual para o conhecimento da demanda é da Justiça do Trabalho. Processo declinado, nada de solução definitiva por enquanto.
 
Recentemente o padre faleceu, mas a ação - por ser decorrente da relação trabalhista - deve prosseguir na Justiça do Trabalho.
 
A agora já septuagenária doméstica tem falado às vizinhas que "perdeu a fé em Deus e a crença na justiça dos homens". Por isso, deixou de ir à missa dominical, onde sempre comungava.
 
Há quem diga que, por enquanto, a alma do padre está no limbo.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Quando a vida vira Coca-Cola

 

Quando a vida vira Coca-Cola

O departamento de aposentados da grande e atuante associação de juízes realiza um encontro de colegas jubiladas. Por sugestão de desembargadora oriunda do Ministério Público, convidam-se também promotoras e procuradoras de justiça.

Charge de Gerson Kauer

Amor à prova de balas

 

Amor à prova de balas

O homem é denunciado por tentativa de homicídio contra a própria companheira. Um tiro de raspão na cabeça; o outro num dos olhos dela. A vítima fica com apenas 50% da visão. Mais tarde, após a condenação dele, a reconciliação do casal. Adivinhem como era o nome dele?

 

Charge de Gerson Kauer

O sapo advogado

 

O sapo advogado

Pipocam, na Ordem, reclamações sobre a propaganda das performances e badalações de determinado profissional da advocacia. Então, o locutor da “rádio-corredor” evoca uma fábula de Ésopo: “O Doutor Frog foi estufando pescoço, bochechas, barriga, peito etc., mas terminou explodindo”.

Chargista Kauer

O perpétuo silêncio

 

O perpétuo silêncio

São quatro pesadas ações litigiosas entre marido e mulher. O juiz preocupa-se com as repercussões na sociedade da média cidade. Afinal, celebra-se o acordo. Mas na comarca, agora só se fala sobre ´swingueiros´ detalhes de várias alcovas com dois, três, seis – ou mais – personagens.

Charge de Gerson Kauer

O caixão das gavetas secretas

 

O caixão das gavetas secretas

Um provecto cidadão, em cidade gaúcha, está no leito da morte. Ele então pede a um dos filhos que atenda seu último desejo: colocar no seu esquife cinco mil dólares, que ficara devendo a um irmão com quem se desaviera, antes do falecimento deste. A história é contada pelo advogado Maurício Antonacci Krieger.