Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 03 de Julho de 2015

A alma que está no limbo


Romance forense

Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria


A sexagenária serviçal da paróquia interiorana - conhecida nas fofocas da cidade - como "a mulher do padre" fora demitida de todas as suas funções. Mas recebeu apenas o aviso prévio indenizado. Por isso foi à Justiça Comum em busca dos "seus direitos".  Relatou que iniciou como empregada doméstica da residência do religioso, mas que, com o passar do tempo, “ambos acederam aos apelos naturais da carne”.
 
O juiz não poupou palavrórios numa sentença de 40 laudas, de improcedência da ação: "não há prova do concubinato, embora o padre seja um homem de comportamento ético duvidoso, que pecou ao, no depoimento, atingir a honra dela, acusando-a injustamente por dois furtos não comprovados".
 
O processo subiu ao TJ, para exame da apelação da "mulher do padre" - aliás, empregada do padre.
 
Ao confirmar a sentença de improcedência, o relator levou em consideração quatro aspectos: 1. A diferença de mais de 30 anos de idade que separa ambos; 2. O desnível cultural, econômico e profissional; 3. O padre sempre teve um comportamento pessoal, social e profissional sem qualquer arranhão ou mácula – tanto que recebeu do Papa a dignidade de “prelado de honra”. 4. A inexistência de prova testemunhal que confirmasse que as relações tenham sido constantes e de cama e mesa.
 
Foi quando o revisor - acenando com o artigo 114, da Emenda Constitucional nº 45 - lembrou que a competência processual para o conhecimento da demanda é da Justiça do Trabalho. Processo declinado, nada de solução definitiva por enquanto.
 
Recentemente o padre faleceu, mas a ação - por ser decorrente da relação trabalhista - deve prosseguir na Justiça do Trabalho.
 
A agora já septuagenária doméstica tem falado às vizinhas que "perdeu a fé em Deus e a crença na justiça dos homens". Por isso, deixou de ir à missa dominical, onde sempre comungava.
 
Há quem diga que, por enquanto, a alma do padre está no limbo.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

A presença de Adão e Eva num acórdão do STJ

 

A presença de Adão e Eva num acórdão do STJ

Um homem, uma mulher, uma maçã, uma serpente, uma nudez – induziam-nos, no passado, a grande medo e precauções. Mas, “não de doenças sexualmente transmissíveis porque, quanto a isso, azar de quem pegasse uma gonorreia ou tivesse o púbis invadido por aqueles insetos anapluros, da família dos pediculídeos, popularmente conhecidos como ´chatos´”...

Charge de Gerson Kauer

O usucapião da mulher

 

O usucapião da mulher

Em um famoso bar de Porto Alegre, dois advogados e um juiz e um garçom discutem o inusitado: a posse mansa e pacífica de uma mulher. Mas a conclusão a que chegam – depois do palpite do garçom - é que “manso e pacífico” é o corno namorado dela.

Charge de Gerson Kauer

´Strip-tease´ antijurídico...

 

´Strip-tease´ antijurídico...

O novel e tímido juiz, recém nomeado, caiu numa esparrela criada por astutos operadores jurídicos e aceitou comparecer a uma festa de aniversário. Num sítio, “coelhinhas” profissionais protagonizaram um “tira-a-roupa” que acabou causando a defenestração do magistrado. Foi o fim do estágio probatório dele.

Charge de Gerson Kauer

O tio tarado

 

O tio tarado

A surpresa da sobrinha, ao descobrir que um titio bem aquinhoado espiava e gravava os banhos dela. Ele usava uma microcâmera incrustada em um cano verde, no meio de folhagens. O acórdão deplora o “caráter degenerado e depravado” do homem que também gostava de bonecas infláveis.

Charge de Gerson Kauer

“Dei porque quis” !

 

Dei porque quis” !

Na empresa de engenharia, a Virginia (solteira) era uma funcionária competente e curvilínea. E foi, justo por esse dublê, que ela atraiu a admiração profissional e a cobiça pessoal do gerente-geral Onofre (casado). Mas o assédio sexual não era bem isso... E tudo ficou esclarecido quando ela prestou depoimento pessoal.

Charge de Gerson Kauer

Teste para reprovar estagiário

 

Teste para reprovar estagiário

O desembargador recrutava mais um estagiário para reforçar seu gabinete jurisdicional. Além da cultura jurídica, o escolhido deveria ser inteligente, esperto, ativo etc. Na última etapa da seleção, o candidato foi preterido por não acertar o número do box de garagem em que estava estacionado o automóvel oficial (de placas discretas) usado pelo presidente da Corte. Detalhe: o leitor do EV é convidado, também, a fazer o mesmo teste.