Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 26 de Maio de 2015

A alma que está no limbo


Romance forense
Imagem da Matéria

A sexagenária serviçal da paróquia interiorana - conhecida nas fofocas da cidade - como "a mulher do padre" fora demitida de todas as suas funções. Mas recebeu apenas o aviso prévio indenizado. Por isso foi à Justiça Comum em busca dos "seus direitos".  Relatou que iniciou como empregada doméstica da residência do religioso, mas que, com o passar do tempo, “ambos acederam aos apelos naturais da carne”.
 
O juiz não poupou palavrórios numa sentença de 40 laudas, de improcedência da ação: "não há prova do concubinato, embora o padre seja um homem de comportamento ético duvidoso, que pecou ao, no depoimento, atingir a honra dela, acusando-a injustamente por dois furtos não comprovados".
 
O processo subiu ao TJ, para exame da apelação da "mulher do padre" - aliás, empregada do padre.
 
Ao confirmar a sentença de improcedência, o relator levou em consideração quatro aspectos: 1. A diferença de mais de 30 anos de idade que separa ambos; 2. O desnível cultural, econômico e profissional; 3. O padre sempre teve um comportamento pessoal, social e profissional sem qualquer arranhão ou mácula – tanto que recebeu do Papa a dignidade de “prelado de honra”. 4. A inexistência de prova testemunhal que confirmasse que as relações tenham sido constantes e de cama e mesa.
 
Foi quando o revisor - acenando com o artigo 114, da Emenda Constitucional nº 45 - lembrou que a competência processual para o conhecimento da demanda é da Justiça do Trabalho. Processo declinado, nada de solução definitiva por enquanto.
 
Recentemente o padre faleceu, mas a ação - por ser decorrente da relação trabalhista - deve prosseguir na Justiça do Trabalho.
 
A agora já septuagenária doméstica tem falado às vizinhas que "perdeu a fé em Deus e a crença na justiça dos homens". Por isso, deixou de ir à missa dominical, onde sempre comungava.
 
Há quem diga que, por enquanto, a alma do padre está no limbo.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Teste para reprovar estagiário

Teste para reprovar estagiário

O desembargador recrutava mais um estagiário para reforçar seu gabinete jurisdicional. Além da cultura jurídica, o escolhido deveria ser inteligente, esperto, ativo etc. Na última etapa da seleção, o candidato foi preterido por não acertar o número do box de garagem em que estava estacionado o automóvel oficial (de placas discretas) usado pelo presidente da Corte. Detalhe: o leitor do EV é convidado, também, a fazer o mesmo teste.

Entrevista para emprego

Entrevista para emprego

Por favor, conte até dez!” – pede o recrutador de uma empresa de seleção de pessoal que busca pessoas em condições de preencherem  diversos cargos, incluindo operadores jurídicos. Um dos candidatos é assessor de um notório deputado...

O chulé que espantou Gisele Bündchen

O chulé que espantou Gisele Bündchen

Contada originalmente por um advogado, a história envolve o ex-craque Ronaldo, o pai dele (“seu Nélio”) e a famosa modelo gaúcha. Foi durante um voo da Tam, de Guarulhos para Milão.