Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 28 de Março de 2017

A alma que está no limbo



Romance forense

Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria


A sexagenária serviçal da paróquia interiorana - conhecida nas fofocas da cidade - como "a mulher do padre" fora demitida de todas as suas funções. Mas recebeu apenas o aviso prévio indenizado. Por isso foi à Justiça Comum em busca dos "seus direitos".  Relatou que iniciou como empregada doméstica da residência do religioso, mas que, com o passar do tempo, “ambos acederam aos apelos naturais da carne”.
 
O juiz não poupou palavrórios numa sentença de 40 laudas, de improcedência da ação: "não há prova do concubinato, embora o padre seja um homem de comportamento ético duvidoso, que pecou ao, no depoimento, atingir a honra dela, acusando-a injustamente por dois furtos não comprovados".
 
O processo subiu ao TJ, para exame da apelação da "mulher do padre" - aliás, empregada do padre.
 
Ao confirmar a sentença de improcedência, o relator levou em consideração quatro aspectos: 1. A diferença de mais de 30 anos de idade que separa ambos; 2. O desnível cultural, econômico e profissional; 3. O padre sempre teve um comportamento pessoal, social e profissional sem qualquer arranhão ou mácula – tanto que recebeu do Papa a dignidade de “prelado de honra”. 4. A inexistência de prova testemunhal que confirmasse que as relações tenham sido constantes e de cama e mesa.
 
Foi quando o revisor - acenando com o artigo 114, da Emenda Constitucional nº 45 - lembrou que a competência processual para o conhecimento da demanda é da Justiça do Trabalho. Processo declinado, nada de solução definitiva por enquanto.
 
Recentemente o padre faleceu, mas a ação - por ser decorrente da relação trabalhista - deve prosseguir na Justiça do Trabalho.
 
A agora já septuagenária doméstica tem falado às vizinhas que "perdeu a fé em Deus e a crença na justiça dos homens". Por isso, deixou de ir à missa dominical, onde sempre comungava.
 
Há quem diga que, por enquanto, a alma do padre está no limbo.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Sete dias (só) de intenso romance

 

Sete dias (só) de intenso romance

O homem cinquentão; ela trintona. Escaparam do inverno porto-alegrense e foram ao ameno verão nova-iorquino. Passagens em executiva por conta dele e demais gastos pagos por ela, porque o cidadão esquecera os cartões de crédito em Porto Alegre. Na viagem de volta, eles se desentenderam. A solução financeira foi judicial...

Charge de Gerson Kauer

O constrangedor erro do “copia/cola”

 

O constrangedor erro do “copia/cola

O equívoco do advogado que, ao apresentar os memoriais ao tribunal, não se apercebeu que inserira na peça judicial a cópia de uma divagação de cunho sexual, que enviara à namorada: “Minha amada, a estimulação vaginal pode aliviar dores crônicas nas costas, dores nas pernas e de cabeça, bem como enxaquecas”. O desembargador relator ficou espantado!

Charge de Gerson Kauer

Amélia, a mulher de verdade

 

Amélia, a mulher de verdade

Depois de oito anos de um relacionamento íntimo interessante, médico e professora se desavieram financeiramente na hora da separação. Um dos detalhes da prova revela que cabia a ela, sempre, pagar a conta mais cara, quando ambos iam juntos ao supermercado. “Era uma Amélia...” – observou a desembargadora revisora.

Charge de Gerson Kauer

   O pinto da comarca

 

O pinto da comarca

O vigário da cidade, em uma comarca de entrância inicial tinha, como mascote, um pinto chamado Valente. Certo dia, Valente desapareceu, e o religioso imaginou que alguém o havia furtado. No domingo, à hora do sermão, o padre perguntou à comunidade: “Alguém de vocês, aqui, tem um pinto”?...

Charge de Gerson Kauer

O marido, a esposa e o cunhado

 

O marido, a esposa e o cunhado

A chocante surpresa na sala de audiências da Vara de Família, quando a mulher - que estava a se divorciar consensualmente -  revelou ao juiz qual a verdadeira causa do rompimento conjugal. Ela assinou o termo e chorosa, pedindo desculpas, saiu porta afora...