Ir para o conteúdo principal

Quarta-feira , 03 de Fevereiro de 2016

A alma que está no limbo



Romance forense

Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria


A sexagenária serviçal da paróquia interiorana - conhecida nas fofocas da cidade - como "a mulher do padre" fora demitida de todas as suas funções. Mas recebeu apenas o aviso prévio indenizado. Por isso foi à Justiça Comum em busca dos "seus direitos".  Relatou que iniciou como empregada doméstica da residência do religioso, mas que, com o passar do tempo, “ambos acederam aos apelos naturais da carne”.
 
O juiz não poupou palavrórios numa sentença de 40 laudas, de improcedência da ação: "não há prova do concubinato, embora o padre seja um homem de comportamento ético duvidoso, que pecou ao, no depoimento, atingir a honra dela, acusando-a injustamente por dois furtos não comprovados".
 
O processo subiu ao TJ, para exame da apelação da "mulher do padre" - aliás, empregada do padre.
 
Ao confirmar a sentença de improcedência, o relator levou em consideração quatro aspectos: 1. A diferença de mais de 30 anos de idade que separa ambos; 2. O desnível cultural, econômico e profissional; 3. O padre sempre teve um comportamento pessoal, social e profissional sem qualquer arranhão ou mácula – tanto que recebeu do Papa a dignidade de “prelado de honra”. 4. A inexistência de prova testemunhal que confirmasse que as relações tenham sido constantes e de cama e mesa.
 
Foi quando o revisor - acenando com o artigo 114, da Emenda Constitucional nº 45 - lembrou que a competência processual para o conhecimento da demanda é da Justiça do Trabalho. Processo declinado, nada de solução definitiva por enquanto.
 
Recentemente o padre faleceu, mas a ação - por ser decorrente da relação trabalhista - deve prosseguir na Justiça do Trabalho.
 
A agora já septuagenária doméstica tem falado às vizinhas que "perdeu a fé em Deus e a crença na justiça dos homens". Por isso, deixou de ir à missa dominical, onde sempre comungava.
 
Há quem diga que, por enquanto, a alma do padre está no limbo.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O juiz que não gostava de processos

 

O juiz que não gostava de processos

Depois de tanto ´empurrar para adiante´ a solução do litígio judicial, o magistrado leu surpreso o que não esperava que um dos advogados escrevesse em letras vermelhas: “As partes já cansaram de dizer; por isso, diga agora o juiz quando vai prolatar a sentença".

Morto e soterrado sob a frialdade da terra

 

Morto e soterrado sob a frialdade da terra

Até o juiz que julgou extinto o executivo fiscal se emocionou, no final, com a petição que alfinetava o credor. Magistrado escreveu que “Deus tenha acolhido a alma do suposto devedor e que o credor conforme-se com o insucesso executivo”.

Uma esmola de 300 reais

 

Uma esmola de 300 reais

O desfecho inusitado de uma audiência na Justiça do Trabalho. O aquinhoado reclamado aceita a solução conciliatória sugerida pelo magistrado, tira o dinheiro do bolso e ofende: “Dou trezentos pilas para esse morto de fome”...

O inimigo secreto

 

O inimigo secreto

Como a festa de troca de presentes no Natal de 2014, entre 20 integrantes de uma grande banca advocatícia gaúcha, se transformou num caso judicial. Resultado: a condenação de um advogado a indenizar uma estagiária de meia idade, inapropriadamente chamada de “anta feia como o diabo”.

Juiz ladrão

 

Juiz ladrão

Era uma tarde quente, na cidade interiorana. No fórum local transcorria, de forma solene, uma audiência presidida por juiz recém chegado à comarca.  Como o ar condicionado da sala estivesse pifado, as janelas estavam abertas. Ao fundo, escutava-se distante - aproximando-se - o som de um piston, alguns tambores e os gritos de “não tem conversa não; o juiz é um ladrão”.