Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 04 de Agosto de 2015

A alma que está no limbo


Romance forense

Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria


A sexagenária serviçal da paróquia interiorana - conhecida nas fofocas da cidade - como "a mulher do padre" fora demitida de todas as suas funções. Mas recebeu apenas o aviso prévio indenizado. Por isso foi à Justiça Comum em busca dos "seus direitos".  Relatou que iniciou como empregada doméstica da residência do religioso, mas que, com o passar do tempo, “ambos acederam aos apelos naturais da carne”.
 
O juiz não poupou palavrórios numa sentença de 40 laudas, de improcedência da ação: "não há prova do concubinato, embora o padre seja um homem de comportamento ético duvidoso, que pecou ao, no depoimento, atingir a honra dela, acusando-a injustamente por dois furtos não comprovados".
 
O processo subiu ao TJ, para exame da apelação da "mulher do padre" - aliás, empregada do padre.
 
Ao confirmar a sentença de improcedência, o relator levou em consideração quatro aspectos: 1. A diferença de mais de 30 anos de idade que separa ambos; 2. O desnível cultural, econômico e profissional; 3. O padre sempre teve um comportamento pessoal, social e profissional sem qualquer arranhão ou mácula – tanto que recebeu do Papa a dignidade de “prelado de honra”. 4. A inexistência de prova testemunhal que confirmasse que as relações tenham sido constantes e de cama e mesa.
 
Foi quando o revisor - acenando com o artigo 114, da Emenda Constitucional nº 45 - lembrou que a competência processual para o conhecimento da demanda é da Justiça do Trabalho. Processo declinado, nada de solução definitiva por enquanto.
 
Recentemente o padre faleceu, mas a ação - por ser decorrente da relação trabalhista - deve prosseguir na Justiça do Trabalho.
 
A agora já septuagenária doméstica tem falado às vizinhas que "perdeu a fé em Deus e a crença na justiça dos homens". Por isso, deixou de ir à missa dominical, onde sempre comungava.
 
Há quem diga que, por enquanto, a alma do padre está no limbo.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O tatu de estimação

 

O tatu de estimação

O advogado viaja pela BR, vê um tatu atordoado na beira, para  o carro, utiliza um apetrecho que usava para pescas e pega o bicho. Coloca-o no porta-malas e segue viagem.  Alguns quilômetros adiante, um policial rodoviário manda parar o veículo... Crime ambiental?

Charge de Gerson Kauer

Semelhanças entre um juiz e um chapista de carnes

 

Semelhanças entre um juiz e um chapista de carnes

Confesso que já recebi de inúmeros juízes de direito, em diversas oportunidades, um pedaço de ´polenta´, ao invés do ´frango grelhado´ que solicitei. O excesso de processos, de filas e de causos é sempre alegado para justificar o injustificável atendimento”. Texto do advogado Maurício Brum Esteves.

Charge de Gerson Kauer

O apreciador dos ´cofrinhos´ femininos

 

O apreciador dos ´cofrinhos´ femininos

Numa das lojas da grande rede, o gerente assediava as funcionárias. Dizia-lhes que elas tinham “o símbolo do prazer, que também podia garantir algum dinheiro extra”. E definia os ´cofrinhos´ como “misteriosos, obscuros, mas produtivos”. Só para indenizar uma das lesadas, a empresa vai pagar R$ 36 mil.

Charge de Gerson Kauer

Um habeas para as macacas

 

Um habeas para as macacas

O pedido original foi feito por duas advogadas: “manter as chimpanzés Lili e Megh reclusas, pois afinal depois de três anos de cativeiro, não se readaptarão com a natureza”. O relator fulminou: “admite-se habeas corpus apenas para humanos”...

Charge de Gerson Kauer

A presença de Adão e Eva num acórdão do STJ

 

A presença de Adão e Eva num acórdão do STJ

Um homem, uma mulher, uma maçã, uma serpente, uma nudez – induziam-nos, no passado, a grande medo e precauções. Mas, “não de doenças sexualmente transmissíveis porque, quanto a isso, azar de quem pegasse uma gonorreia ou tivesse o púbis invadido por aqueles insetos anapluros, da família dos pediculídeos, popularmente conhecidos como ´chatos´”...

Charge de Gerson Kauer

O usucapião da mulher

 

O usucapião da mulher

Em um famoso bar de Porto Alegre, dois advogados e um juiz e um garçom discutem o inusitado: a posse mansa e pacífica de uma mulher. Mas a conclusão a que chegam – depois do palpite do garçom - é que “manso e pacífico” é o corno namorado dela.