Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 25 Julho de 2017

A alma que está no limbo



Romance forense

Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria


A sexagenária serviçal da paróquia interiorana - conhecida nas fofocas da cidade - como "a mulher do padre" fora demitida de todas as suas funções. Mas recebeu apenas o aviso prévio indenizado. Por isso foi à Justiça Comum em busca dos "seus direitos".  Relatou que iniciou como empregada doméstica da residência do religioso, mas que, com o passar do tempo, “ambos acederam aos apelos naturais da carne”.
 
O juiz não poupou palavrórios numa sentença de 40 laudas, de improcedência da ação: "não há prova do concubinato, embora o padre seja um homem de comportamento ético duvidoso, que pecou ao, no depoimento, atingir a honra dela, acusando-a injustamente por dois furtos não comprovados".
 
O processo subiu ao TJ, para exame da apelação da "mulher do padre" - aliás, empregada do padre.
 
Ao confirmar a sentença de improcedência, o relator levou em consideração quatro aspectos: 1. A diferença de mais de 30 anos de idade que separa ambos; 2. O desnível cultural, econômico e profissional; 3. O padre sempre teve um comportamento pessoal, social e profissional sem qualquer arranhão ou mácula – tanto que recebeu do Papa a dignidade de “prelado de honra”. 4. A inexistência de prova testemunhal que confirmasse que as relações tenham sido constantes e de cama e mesa.
 
Foi quando o revisor - acenando com o artigo 114, da Emenda Constitucional nº 45 - lembrou que a competência processual para o conhecimento da demanda é da Justiça do Trabalho. Processo declinado, nada de solução definitiva por enquanto.
 
Recentemente o padre faleceu, mas a ação - por ser decorrente da relação trabalhista - deve prosseguir na Justiça do Trabalho.
 
A agora já septuagenária doméstica tem falado às vizinhas que "perdeu a fé em Deus e a crença na justiça dos homens". Por isso, deixou de ir à missa dominical, onde sempre comungava.
 
Há quem diga que, por enquanto, a alma do padre está no limbo.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Gerson Kauer

É dando que se recebe...

 

É dando que se recebe...

O advogado papão, com muito jeito e cautela, tenta se aproximar da juíza linda – ambos solteiros. Na segunda-feira, numa audiência, há troca de olhares. Na quinta, ele é atendido para “conversar sobre um processo”. Atos finais: um tapa na cara e voz de prisão...

Charge do Kauer

A rifa íntima

 

A rifa íntima

 Ao atender uma possível nova cliente para uma “causa de família”, o advogado porto-alegrense – bem instalado em prédio classe A - se surpreende com a pretensão da chamativa visitante. Ex-gerente de vendas, desempregada, ela agora dedica-se a serviços prestados de cama...

Charge de Gerson Kauer

Assédio no quartel

 

Assédio no quartel

Ao elaborar as escalas de trabalho, o superior hierárquico tinha como um de seus objetivos que a simpática e recém recrutada soldado da Brigada Militar se transformasse no “anjinho celestial” dele. Custou caro!

Gerson Kauer

Impasse conjugal

 

Impasse conjugal

O cidadão sofreu grave acidente de trânsito e sua masculinidade foi danificada. O médico assegurou-lhe que a ciência moderna poderia devolver a virilidade, mas que o seguro-saúde não cobriria o procedimento. A esposa teve decisiva participação na decisão.

Gerson Kauer

Primorosa carreira na televisão

 

Primorosa carreira na televisão

Atores e principalmente atrizes que buscavam trabalhos em novelas e programas de tevê passavam por um constrangimento: aceitar, ou não, “fazer nu”. É que “a emissora não aceitava tatuagens, nem marcas na pele”. Depois, vinha um outro tipo de assédio. Antonieta, uma das vítimas, já foi indenizada: R$ 30 mil.

Gerson Kauer

O ilustre e ignorante magistrado

 

O ilustre e ignorante magistrado

O que significam as palavras reproduzidas na charge acima, que o advogado – velha ´raposa´ das lides jurídicas – desfechou, repetidas vezes, contra o juiz que presidia o tribunal do júri?...