Ir para o conteúdo principal

Terça-feira ,27 de Setembro de 2016.

A alma que está no limbo



Romance forense

Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria


A sexagenária serviçal da paróquia interiorana - conhecida nas fofocas da cidade - como "a mulher do padre" fora demitida de todas as suas funções. Mas recebeu apenas o aviso prévio indenizado. Por isso foi à Justiça Comum em busca dos "seus direitos".  Relatou que iniciou como empregada doméstica da residência do religioso, mas que, com o passar do tempo, “ambos acederam aos apelos naturais da carne”.
 
O juiz não poupou palavrórios numa sentença de 40 laudas, de improcedência da ação: "não há prova do concubinato, embora o padre seja um homem de comportamento ético duvidoso, que pecou ao, no depoimento, atingir a honra dela, acusando-a injustamente por dois furtos não comprovados".
 
O processo subiu ao TJ, para exame da apelação da "mulher do padre" - aliás, empregada do padre.
 
Ao confirmar a sentença de improcedência, o relator levou em consideração quatro aspectos: 1. A diferença de mais de 30 anos de idade que separa ambos; 2. O desnível cultural, econômico e profissional; 3. O padre sempre teve um comportamento pessoal, social e profissional sem qualquer arranhão ou mácula – tanto que recebeu do Papa a dignidade de “prelado de honra”. 4. A inexistência de prova testemunhal que confirmasse que as relações tenham sido constantes e de cama e mesa.
 
Foi quando o revisor - acenando com o artigo 114, da Emenda Constitucional nº 45 - lembrou que a competência processual para o conhecimento da demanda é da Justiça do Trabalho. Processo declinado, nada de solução definitiva por enquanto.
 
Recentemente o padre faleceu, mas a ação - por ser decorrente da relação trabalhista - deve prosseguir na Justiça do Trabalho.
 
A agora já septuagenária doméstica tem falado às vizinhas que "perdeu a fé em Deus e a crença na justiça dos homens". Por isso, deixou de ir à missa dominical, onde sempre comungava.
 
Há quem diga que, por enquanto, a alma do padre está no limbo.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Nota zero não é ato ilícito

 

Nota zero não é ato ilícito

Fazendo o papel de seu cliente - estudante reprovado por “colar” numa prova - o advogado achou melhor recitar rimas e trocadilhos. A câmara julgadora deixou consignado que “versinhos de bancos escolares não são fundamentos jurídicos e não substituem ensinamentos doutrinários, tampouco pesquisa jurisprudencial”.

Charge de Gerson Kauer

O magistrado, o promotor, o advogado e... o celeiro

 

O magistrado, o promotor, o advogado e... o celeiro

Um magistrado (israelita), um promotor (hindu) e um advogado (político brasileiro) tiveram problemas com o carro em uma estrada próxima a uma fazenda, a 200 km de Brasília. Já era bem tarde, quando eles encontraram o fazendeiro e pediram-lhe se podiam passar a noite em sua propriedade.

Charge de Gerson Kauer

As atribuições na comarca

 

As atribuições na comarca

A Subseção da OAB ficou sabendo da distribuição de tarefas forenses. A estagiária não remunerada “ordena o expediente, redige os ofícios, digita as audiências e faz projetos de sentenças”. E a solução dos embargos de declaração é com o assessor remunerado.

Charge de Gerson Kauer

   O homem sem cuecas

 

O homem sem cuecas

Ao se preparar para a audiência de instrução, o juiz se deparou com uma situação inusitada: a petição inicial afirmava que o reclamante não podia usar cuecas no trabalho e era obrigado a ficar totalmente nu durante as revistas. E às vezes, tinha que se abaixar...