Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 27 de Maio de 2016.

A alma que está no limbo



Romance forense

Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria


A sexagenária serviçal da paróquia interiorana - conhecida nas fofocas da cidade - como "a mulher do padre" fora demitida de todas as suas funções. Mas recebeu apenas o aviso prévio indenizado. Por isso foi à Justiça Comum em busca dos "seus direitos".  Relatou que iniciou como empregada doméstica da residência do religioso, mas que, com o passar do tempo, “ambos acederam aos apelos naturais da carne”.
 
O juiz não poupou palavrórios numa sentença de 40 laudas, de improcedência da ação: "não há prova do concubinato, embora o padre seja um homem de comportamento ético duvidoso, que pecou ao, no depoimento, atingir a honra dela, acusando-a injustamente por dois furtos não comprovados".
 
O processo subiu ao TJ, para exame da apelação da "mulher do padre" - aliás, empregada do padre.
 
Ao confirmar a sentença de improcedência, o relator levou em consideração quatro aspectos: 1. A diferença de mais de 30 anos de idade que separa ambos; 2. O desnível cultural, econômico e profissional; 3. O padre sempre teve um comportamento pessoal, social e profissional sem qualquer arranhão ou mácula – tanto que recebeu do Papa a dignidade de “prelado de honra”. 4. A inexistência de prova testemunhal que confirmasse que as relações tenham sido constantes e de cama e mesa.
 
Foi quando o revisor - acenando com o artigo 114, da Emenda Constitucional nº 45 - lembrou que a competência processual para o conhecimento da demanda é da Justiça do Trabalho. Processo declinado, nada de solução definitiva por enquanto.
 
Recentemente o padre faleceu, mas a ação - por ser decorrente da relação trabalhista - deve prosseguir na Justiça do Trabalho.
 
A agora já septuagenária doméstica tem falado às vizinhas que "perdeu a fé em Deus e a crença na justiça dos homens". Por isso, deixou de ir à missa dominical, onde sempre comungava.
 
Há quem diga que, por enquanto, a alma do padre está no limbo.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Bruna surfistinha, a estagiária gaúcha

 

Bruna surfistinha, a estagiária gaúcha

Na empresa especializada em “conceder créditos sem que o cliente tenha que sair de casa”, a jovem estagiária tinha – ante a anunciada vocação de ser juíza - a incumbência de examinar os cadastros dos interessados na grana a ser emprestada, e na formalização das garantias. O dono da ´financeira´ também estava de olho nela...

Charge de Gerson Kauer

Casado à noite, mas solteiro à tarde...

 

Casado à noite, mas solteiro à tarde...

O ´Excelentíssimo Senhor Operador Jurídico´ exercia sua bem remunerada profissão com as confortáveis achegas de criticados penduricalhos. Como era possível não ser assíduo ao trabalho, ele eventualmente usava o horário vespertino para praticar o nobre esporte dos leitos.

Charge de Gerson Kauer

O gigolô da campeã de vendas

 

O gigolô da campeã de vendas

A inusitada avaliação pública do diretor, no Brasil, de um grande laboratório multinacional, ao premiar sua melhor vendedora. “Ela só não é perfeita porque se submete aos caprichos do seu namorado, aqui presente, que nada mais é do que um barato e desligado explorador... um rotundo gigolô!”

Charge de Gerson Kauer

Petição de falecimento

 

Petição de falecimento

Para defender seu cliente, erradamente alvo de uma citação com hora certa, o advogado não poupou críticas ao auxílio-moradia dos magistrados e ao poder dos estagiários. Quanto ao efetivo executado, a petição foi candente: “a robustecida alma do pobre devedor, ora se banha na estanhada lisura das águas tépidas do luzente lago, onde o cisne do espírito se nutre naquilo que, comumente, chamamos de eternidade”.

Charge de Gerson Kauer

Escapadinha no motel

 

Escapadinha no motel

Casal sem filhos, o Péricles e a Luiziana viviam bem, no seu casamento de três anos. Mas, um dia, se desavieram; ela saiu de casa e foi morar com a mãe. Era uma separação de fato. Foi então que ela reencontrou um ex-namorado e resolveu recordar profundas intimidades. O desfecho foi no WhatsApp.

Charge de Gerson Kauer

A mulher do padre

 

A mulher do padre

Ela cuidava do religioso e das coisas da igreja desde 1973. Eles frequentavam, juntos, assembleias religiosas, jantares, eventos, aniversários, etc. Em 1994, os dois passaram a morar sob o mesmo teto.