Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 29 de Abril de 2016.

Conceitos básicos de alimentos



Artigos Por Adaiana Francescato de Pizzol,
advogada (OAB-RS nº 45.927)

Os termos técnicos que circundam os alimentos são, muitas vezes, confundidos, pelo que, de forma sucinta, os conceitos abaixo visam ajudar no entendimento deste tema tão corriqueiro da vida.

Os alimentos podem ser legais, voluntários ou indenizatórios, dependendo de sua origem:

a) Legais, também chamados de legítimos, são os alimentos que decorrem da relação familiar (parentesco ou união afetiva), pelo princípio da solidariedade familiar. Exemplo: alimentos pagos pelo pai ao filho. Estes alimentos estão previstos no art. 1.694 do Código Civil:

b) Voluntários são os alimentos que podem ser instituídos por ato espontâneo, pois quem os presta não está obrigado a fazê-lo. Tal prestação pode ocorrer por meio de doações periódicas (inter vivos) ou legados de alimentos (causa mortis). Exemplo: legado de alimentos deixado pelo falecido a um amigo.

O Código Civil prevê:
c) Indenizatórios, também conhecidos como ressarcitórios, são os alimentos decorrentes de ato ilícito e são fixados em sentença judicial condenatória em ação de responsabilidade civil. Exemplo: condenação ao pagamento de alimentos ao filho de vítima morta em acidente de trânsito. O Código Civil disciplina:
No que diz respeito à natureza dos alimentos, os mesmos podem ser civis ou naturais. São ditos civis aqueles  necessários para a pessoa, mantendo a mesma e também seu status social; isto é, alimentação, padrão de vida, vestuário, habitação, saúde, educação, lazer etc. Os alimentos a serem prestados pelos pais a seus filhos, por exemplo, são alimentos civis.

Já os alimentos naturais são aqueles estritamente necessários para a sobrevivência, isto é, os essenciais para a vida (alimentação, vestuário, habitação e saúde) e são destinados a quem culposamente dá origem à situação de necessidade (arts. 1.694, § 2º, e 1.704, parágrafo único, do CCB).

O momento de concessão dos alimentos determina se os mesmos são provisórios, provisionais ou definitivos. A definição é procedimental.

Os alimentos provisórios e provisionais são fixados em antecipação de tutela e visam a manutenção do alimentando durante o curso do processo. São ditos alimentos provisórios quando há uma prova pré-constituída da obrigação alimentar (certidão de nascimento, certidão de casamento etc), nos termos do art. 4º, da Lei 5.478/68.

Por sua vez, são chamados de alimentos provisionais quando não existe ainda a prova da obrigação alimentar (art. 1.706, CCB, e art. 852, do CPC), como é o caso, por exemplo, de uma ação de investigação de paternidade, em que se necessite de alimentos para o menor durante o curso do processo.

Os alimentos definitivos são aqueles fixados por sentença ou por acordo entre as partes, após a sua homologação. É importante esclarecer que definitivos não significa imutáveis, pois os alimentos poderão ser revistos para mais, ou para menos, quando ocorrer mudança fática na situação de quem recebe os alimentos, ou de quem pagos os mesmos.

Ainda, há de se registrar outros conceitos que envolvem os alimentos, tais como alimentos transitórios ou temporários, alimentos compensatórios e alimentos gravídicos, os quais podem assim ser explicados:

a) Os alimentos transitórios ou temporários não possuem previsão legal, mas são uma construção jurisprudencial que visa evitar o ócio das pessoas que recebem alimentos, de forma que, no momento da fixação já se estipula o tempo em que serão pagos. Estes alimentos são muito comuns de serem fixados quando ocorre o divórcio e um dos cônjuges é jovem e apto ao trabalho, mas ainda não possui um emprego; assim são fixados por um certo período para que a pessoa consiga se manter até conseguir um emprego, por exemplo.

b) Os alimentos compensatórios buscam minimizar o desequilíbrio financeiro entre os cônjuges ocorrido em decorrência do divórcio, a fim de proporcionar entre os divorciados o mesmo padrão socioeconômico. Estes alimentos podem ser estabelecidos de forma limitada no tempo, como, por exemplo, enquanto não for ultimada a partilha de bens.

c) Os alimentos gravídicos vinham sendo admitidos pela jurisprudência há muitos anos, mas foi em 2008 que passaram a ser regulado pela Lei nº 11.804, e podem ser pleiteados pela mulher grávida para que sejam recebidos da concepção ao parto do bebê, com a finalidade de lhe suprir as necessidades adicionais decorrentes da gravidez (alimentação, exames, consultas médicas, despesas hospitalares etc).

Em todas as formas de alimentos, a fixação do valor a ser pago/recebido leva em consideração os fatos do caso concreto, pelo que a produção das provas, na instrução do processo, é fundamental para ambas as partes (alimentante e alimentado).

adaiana@barufaldiadvogados.com.br

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O novo processo do trabalho à luz do NCPC/15

A controvérsia em torno das novas regras processuais. “Ficará a cargo do TST, colmatar as inúmeras lacunas deixadas pela IN nº 39/2016, com o propósito de conferir maior racionalidade ao sistema e, concomitantemente, velar pelo respeito ao devido processo legal em sua acepção substancial”.Artigo de Ricardo Souza Calcini.

Pra não dizer que não falei de impeachment

Adroaldo Furtado Fabrício recorda, a propósito do impeachment, “aquele deprimente espetáculo de vaidades, ignomínias e baixaria geral”. E imagina-se a escrever o roteiro de um ´western´ – inspirado em Brasília – a ser dirigido por Clint Eastwood. “Renomados e temidos pistoleiros estão em cena. Não se trata de um duelo, pois são três, cada um por si e contra os outros dois. Todos têm a certeza de que do encontro sobrará um só, se sobrar”... 

Alô, mamãe!

...E pelos meus filhinhos, digo SIM! No ar, mais um campeão de indecência!”. Artigo de Manoel Marcondes Machado Neto, doutor em Ciências da Comunicação pela USP.

Os próximos passos do processo de impeachment de Dilma

O brilhante Paulo Brossard, em 1993, publicou um artigo em que criticava a medievalidade desta feitura processual. O texto finalizava assim: ´Poucas pessoas se dão conta de que o impeachment declinou na Inglaterra quando, em seu lugar, a moção de censura entrou a funcionar e veio a substituir o cepo e o machado, que serviram para que rolassem algumas cabeças mais menos ilustres... e a linguagem não é figurada.´” Artigo do advogado Marcones Santos.

A palavra impeachment

“Deveríamos usar ´impeachment, como faz a maioria da imprensa; ´impedimento´, como preferem aqueles que se incomodam com os estrangeirismos; ou outro nome qualquer?” Artigo do advogado Gustavo Cardoso.

O Supremo e seu labirinto

“O resultado tem sido a centralização, a suprema judicialização inclusive dos destinos de uma nação. A centralização é tanta que o STF não consegue tudo resolver. Seleciona. A uns, a luz da decisão; a outros, cerca de 50 mil, a escuridão de esperas imemoriais”. Artigo de Joaquim Falcão, professor da FGV Direito Rio.