Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 01 de Julho de 2016.

PMs pedem R$ 24 mil de Rita Lee por dano moral



Pelo menos 16 policiais militares entraram com ações por danos morais contra a cantora Rita Lee. Eles alegam ter sido ofendidos pela roqueira, em 29 de janeiro deste ano, quando ela fazia seu show de despedida na Praia Atalaia Nova, em Barra dos Coqueiros, Região Metropolitana de Aracaju. No fim do show, ela foi presa por desacato à autoridade, mas em seguida foi liberada. Naquela noite, os policiais faziam a segurança do evento.

O advogado Plínio Karlo, que representa sete militares, garantiu que "o fato de a cantora ter revelado ao Fantástico, da TV Globo, que sofre de transtorno bipolar não vai prejudicar o andamento da ação". Ele pede indenização de R$ 24.880 para cada militar agredido verbalmente pela artista.

Karlo explicou que preferiu ingressar com ações individuais porque, "nesses casos, a Justiça é mais célere para julgar os processos". Já foram agendadas diversas audiências para este mês, e os processos tramitam nas 1.ª, 3.ª, 5.ª e 8.ª Varas Cíveis de Aracaju.

Na semana passada, a Justiça propôs a Rita Lee que doasse o cachê, de R$ 115 mil, para o Fundo Municipal para Criança e Adolescente da Barra dos Coqueiros e prestasse serviços à comunidade por três meses, para não dar prosseguimento à ação penal.

Rita Lee foi presa durante o evento Verão Sergipe, após ofender policiais militares. Ela os mandou fumar um "baseado" e que se retirassem do show. A situação piorou quando a artista partiu para agressões verbais, chamando os agentes de segurança de "f.d.p.", "cachorros" e outros palavrões.

Ao fim da apresentação, a cantora foi presa e encaminhada para a Delegacia Plantonista em Aracaju para prestar esclarecimentos. Ela postou no Twitter: "Tô indo p/ a delegacia...a polícia de Aracaju não gosta de mim, mas Sergipe gosta, estou dentro do carro", "Último show e ela vai presa? Não poderia ser mais la cantante, afff".

Rita Lee, após prestar depoimento, foi liberada. Ela foi enquadrada por desacato à autoridade.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Nudez tarifada

R$ 80 mil para a atriz global Nathalia Dill, pelo dano moral por ter aparecido desnuda, sem autorizar, em página dupla da revista Playboy.

Charge de Gerson Kauer

Aventura jurídica e o fim dos tempos!

 

Aventura jurídica e o fim dos tempos!

Juiz se diz indignado com a natureza da ação de um consumidor gaúcho que buscou reparação por dano moral – causado por “situação humilhante e vexatória” - porque um sachet de maionese continha apenas 260 gramas do produto, e não os 500 gramas anunciados no rótulo.

Arte de Camila Adamoli

Indenização de R$ 267.590 para o presidente do TJRS

 

Indenização de R$ 267.590 para o presidente do TJRS

Condenação solidária alcança o jornal Zero Hora e a jornalista Rosane de Oliveira. Controvérsia judicial envolve matérias publicadas em 2013, quatro dias após a tragédia da boate Kiss, insinuando uma anterior omissão do desembargador Luis Felipe Silveira Difini. Tal teria -  segundo a publicação - ocorrido na abertura de uma outra boate em Porto Alegre, nove anos antes.