Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 22 de Julho de 2016.

O preço do rebolado compulsório



"Convidado" pelo gerente a rebolar em reuniões, um vendedor da Refrigerantes Minas Gerais Ltda. receberá reparação de R$ 25 mil por danos morais. O recurso da empresa não foi conhecido pelo TST.
 
Na inicial, o vendedor contou que o gerente o chamava de "Bros" - apelido do qual não gostava e o constrangia, por não ser tratado por seu nome de batismo.
 
Disse também que os colegas e coordenadores faziam brincadeiras de mau gosto, como perguntar se usava calcinha por baixo da calça e chamá-lo de "bicha" perante todos os colegas. A situação culminou com o fato de, numa reunião, o gerente ter pedido a ele para se levantar e rebolar.
 
O valor (R$ 4 mil) arbitrado pela sentença foi majorado para R$ 25 mil pelo TRT mineiro. Ao confirmar o julgado o TST abordou a situação interna na empresa: "os demais empregados e até o gerente humilhavam o trabalhador com apelidos e manifestações agressivas, irônicas e maliciosas, criando um ambiente de trabalho agressivo".

A reclamada é fabricante de bebidas da linha Coca-Cola. (RR nº 115-51.2010.5.03.0005).

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Nudez tarifada

R$ 80 mil para a atriz global Nathalia Dill, pelo dano moral por ter aparecido desnuda, sem autorizar, em página dupla da revista Playboy.

Charge de Gerson Kauer

Aventura jurídica e o fim dos tempos!

 

Aventura jurídica e o fim dos tempos!

Juiz se diz indignado com a natureza da ação de um consumidor gaúcho que buscou reparação por dano moral – causado por “situação humilhante e vexatória” - porque um sachet de maionese continha apenas 260 gramas do produto, e não os 500 gramas anunciados no rótulo.

Arte de Camila Adamoli

Indenização de R$ 267.590 para o presidente do TJRS

 

Indenização de R$ 267.590 para o presidente do TJRS

Condenação solidária alcança o jornal Zero Hora e a jornalista Rosane de Oliveira. Controvérsia judicial envolve matérias publicadas em 2013, quatro dias após a tragédia da boate Kiss, insinuando uma anterior omissão do desembargador Luis Felipe Silveira Difini. Tal teria -  segundo a publicação - ocorrido na abertura de uma outra boate em Porto Alegre, nove anos antes.