Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Ex-juiz é acusado de abusar de menino



O ex-juiz Mário José Pinto da Rocha, compulsoriamente aposentado, 65 de idade - e que agora exerce a Advocacia - foi preso na noite de domingo (6) em Belo Horizonte (MG), acusado de estuprar um garoto de 11 anos. O menino foi encontrado na casa do ex-magistrado, sob a cama.
 
O menino, que é guardador de carros, confirmou que havia acabado de manter relações sexuais com o suspeito. Ele contou que recebia R$ 15 por relação. Segundo a polícia, o ex-juiz já foi preso duas vezes por atentado violento ao pudor. Ele foi exonerado em 2003 pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

A prisão ocorreu após vizinhos denunciarem o suspeito. O próprio acusado, que mantém escritório de Advocacia na capital mineira, permitiu a entrada dos policiais, que encontraram a criança escondida debaixo da cama do ex-juiz.
 
Mário José foi conduzido à Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente, onde foi autuado em flagrante pela delegada Andrea Aparecida Alves Cunha. O homem nega as acusações da criança, que foi encaminhada a exame de lesões.
 
Algumas horas após a prisão, já na manhã de segunda-feira (7), um professor de futebol também foi preso suspeito de abusar de um garoto de 12 anos. A mãe do menino foi quem fez a denúncia e acusou o professor de ter abusado de outras crianças que têm aula na escolinha de futebol.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Relator da Lava Jato confirma revogação da decisão que mandava libertar Lula

“A qualidade que se auto atribui o ex-presidente não tem nenhuma propriedade intrínseca que lhe garanta qualquer tratamento jurídico diferenciado, ou que lhe assegure liberdade de locomoção incondicional” – escreveu o desembargador João Pedro Gebran Neto. Revogadas todas as decisões proferidas pelo plantonista Rogério Favreto.

STJ nega novo habeas corpus interposto em favor de Lula

Após o conflito jurisdicional do domingo, houve o ingresso de 146 HCs na corte superior. Presidente Laurita Vaz diz que a decisão do plantonista Rogério Favreto, do TRF-4, foi “inusitada e teratológica”.