Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 26 de Agosto de 2016.

Ex-juiz é acusado de abusar de menino



O ex-juiz Mário José Pinto da Rocha, compulsoriamente aposentado, 65 de idade - e que agora exerce a Advocacia - foi preso na noite de domingo (6) em Belo Horizonte (MG), acusado de estuprar um garoto de 11 anos. O menino foi encontrado na casa do ex-magistrado, sob a cama.
 
O menino, que é guardador de carros, confirmou que havia acabado de manter relações sexuais com o suspeito. Ele contou que recebia R$ 15 por relação. Segundo a polícia, o ex-juiz já foi preso duas vezes por atentado violento ao pudor. Ele foi exonerado em 2003 pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

A prisão ocorreu após vizinhos denunciarem o suspeito. O próprio acusado, que mantém escritório de Advocacia na capital mineira, permitiu a entrada dos policiais, que encontraram a criança escondida debaixo da cama do ex-juiz.
 
Mário José foi conduzido à Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente, onde foi autuado em flagrante pela delegada Andrea Aparecida Alves Cunha. O homem nega as acusações da criança, que foi encaminhada a exame de lesões.
 
Algumas horas após a prisão, já na manhã de segunda-feira (7), um professor de futebol também foi preso suspeito de abusar de um garoto de 12 anos. A mãe do menino foi quem fez a denúncia e acusou o professor de ter abusado de outras crianças que têm aula na escolinha de futebol.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli

Ministério Público denuncia cinco advogados

 

Ministério Público denuncia cinco advogados

Acusação por formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e patrocínio infiel é voltada contra os gaúchos Maurício Dal Agnol, Marco Antonio Bezerra Campos, Gabriel de Freitas Melro Magadan e Pablo Pacheco dos Santos e contra o baiano (radicado no Rio), Eurico de Jesus Teles Neto, diretor jurídico da Oi Telefonia.

Sinais de profunda intolerância no mundo!

Confusão no cinema. Homem é condenado penalmente por vias de fato, por empurrar mulher – e derrubar seus pertences. Dispondo do ingresso correto, ela procurava acomodar-se no assento exato, que estava ocupado. O mesmo incidente já tem sentença cível condenatória por dano moral. Leia a íntegra dos julgados.

A absolvição moral, 76 anos depois

O filho de médico gaúcho condenado em 1940 a dois meses de prisão por suposta imperícia médica, obtém – em nome do pai - a revisão criminal da pena que, pouco antes de seu cumprimento, causou o suicídio do profissional da medicina.

Cumprimento da pena de prisão antes do trânsito em julgado

Nova decisão monocrática no STF manda prender prefeito condenado em 2012 por fraude em licitações e desvio de recursos em proveito próprio e alheio. Ministro Edson Fachin revoga decisão proferida, durante o recesso de julho, pelo presidente Ricardo Lewandowski.