Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 17 Outubro de 2017

Ex-juiz é acusado de abusar de menino



O ex-juiz Mário José Pinto da Rocha, compulsoriamente aposentado, 65 de idade - e que agora exerce a Advocacia - foi preso na noite de domingo (6) em Belo Horizonte (MG), acusado de estuprar um garoto de 11 anos. O menino foi encontrado na casa do ex-magistrado, sob a cama.
 
O menino, que é guardador de carros, confirmou que havia acabado de manter relações sexuais com o suspeito. Ele contou que recebia R$ 15 por relação. Segundo a polícia, o ex-juiz já foi preso duas vezes por atentado violento ao pudor. Ele foi exonerado em 2003 pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

A prisão ocorreu após vizinhos denunciarem o suspeito. O próprio acusado, que mantém escritório de Advocacia na capital mineira, permitiu a entrada dos policiais, que encontraram a criança escondida debaixo da cama do ex-juiz.
 
Mário José foi conduzido à Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente, onde foi autuado em flagrante pela delegada Andrea Aparecida Alves Cunha. O homem nega as acusações da criança, que foi encaminhada a exame de lesões.
 
Algumas horas após a prisão, já na manhã de segunda-feira (7), um professor de futebol também foi preso suspeito de abusar de um garoto de 12 anos. A mãe do menino foi quem fez a denúncia e acusou o professor de ter abusado de outras crianças que têm aula na escolinha de futebol.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Advogado gaúcho condenado por fraude em seguro-desemprego

A pena é de cinco anos e três meses de reclusão, em regime semiaberto. A sentença alcança também um motorista: três anos e quatro meses, com reversão para pena restritiva de direito. Os dois réus terão que ressarcir os cofres públicos. Não há trânsito em julgado.

Negado habeas corpus a advogado condenado por estelionato

Luiz Ademaro Pinheiro Prezia Júnior falsificou sentença favorável à redução de IPTU e orientou o cliente a depositar o valor das parcelas – com o valor supostamente apontado por decisão judicial - em sua própria conta.  Posteriormente, até as guias de depósitos judiciais eram falsificadas.