Ir para o conteúdo principal

Quinta-feira , 23 de Fevereiro de 2017

Ex-juiz é acusado de abusar de menino



O ex-juiz Mário José Pinto da Rocha, compulsoriamente aposentado, 65 de idade - e que agora exerce a Advocacia - foi preso na noite de domingo (6) em Belo Horizonte (MG), acusado de estuprar um garoto de 11 anos. O menino foi encontrado na casa do ex-magistrado, sob a cama.
 
O menino, que é guardador de carros, confirmou que havia acabado de manter relações sexuais com o suspeito. Ele contou que recebia R$ 15 por relação. Segundo a polícia, o ex-juiz já foi preso duas vezes por atentado violento ao pudor. Ele foi exonerado em 2003 pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

A prisão ocorreu após vizinhos denunciarem o suspeito. O próprio acusado, que mantém escritório de Advocacia na capital mineira, permitiu a entrada dos policiais, que encontraram a criança escondida debaixo da cama do ex-juiz.
 
Mário José foi conduzido à Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente, onde foi autuado em flagrante pela delegada Andrea Aparecida Alves Cunha. O homem nega as acusações da criança, que foi encaminhada a exame de lesões.
 
Algumas horas após a prisão, já na manhã de segunda-feira (7), um professor de futebol também foi preso suspeito de abusar de um garoto de 12 anos. A mãe do menino foi quem fez a denúncia e acusou o professor de ter abusado de outras crianças que têm aula na escolinha de futebol.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A perversão da Justiça brasileira

Vale a pena ler, em detalhes, como é arquitetado para que o sistema jurisdicional não funcione. E como políticos driblam juízes, desembargadores e ministros, para que as ações em que são réus cheguem à prescrição.

Caso dos “30 estupradores” tem três condenações

Saiu a sentença do crime que ganhou repercussão mundial: o do estupro coletivo, em maio passado, de uma jovem de 16 anos, no Rio de Janeiro. Sete pessoas foram indiciadas, mas as provas contra quatro não eram confiáveis.

A lenta e carinhosa ação do “furacão” judicial

O inebriante “efeito orloff” da operação Hurricane, nos meandros do foro privilegiado. Por prescrição da pretensão punitiva contra um integrante do Ministério Público Federal, duas ações sobre a venda de sentenças vão para a Justiça Federal de primeiro grau, dez anos depois. E o ministro Paulo Geraldo Medina, do STJ, aposentado compulsoriamente, segue recebendo seus salários.