Ir para o conteúdo principal

Terça-feira , 24 de Maio de 2016.

Ex-juiz é acusado de abusar de menino



O ex-juiz Mário José Pinto da Rocha, compulsoriamente aposentado, 65 de idade - e que agora exerce a Advocacia - foi preso na noite de domingo (6) em Belo Horizonte (MG), acusado de estuprar um garoto de 11 anos. O menino foi encontrado na casa do ex-magistrado, sob a cama.
 
O menino, que é guardador de carros, confirmou que havia acabado de manter relações sexuais com o suspeito. Ele contou que recebia R$ 15 por relação. Segundo a polícia, o ex-juiz já foi preso duas vezes por atentado violento ao pudor. Ele foi exonerado em 2003 pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

A prisão ocorreu após vizinhos denunciarem o suspeito. O próprio acusado, que mantém escritório de Advocacia na capital mineira, permitiu a entrada dos policiais, que encontraram a criança escondida debaixo da cama do ex-juiz.
 
Mário José foi conduzido à Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente, onde foi autuado em flagrante pela delegada Andrea Aparecida Alves Cunha. O homem nega as acusações da criança, que foi encaminhada a exame de lesões.
 
Algumas horas após a prisão, já na manhã de segunda-feira (7), um professor de futebol também foi preso suspeito de abusar de um garoto de 12 anos. A mãe do menino foi quem fez a denúncia e acusou o professor de ter abusado de outras crianças que têm aula na escolinha de futebol.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Absolvição para acusado de matar o amante da esposa

Ao voltar mais cedo para casa, na madrugada, o marido encontrou – debaixo da cama do casal - um homem nu, usando apenas meias. Quase dez anos depois do homicídio, a absolvição no júri popular.

O uso arbitrário das próprias razões da prostituta

STJ concede habeas corpus a uma garota de programa que fora condenada a quatro anos de reclusão. Ela ameaçou com faca e furtou cordão folheado a ouro, de cliente que não adimpliu o pagamento.

Não se pode punir a “criminalização do andar de baixo

Turma Recursal Criminal dos Juizados Especiais do RS absolve homem que fora condenado, no interior do Estado, por ser arrecadador do jogo do bicho. Julgado refere que “a tutela do bem jurídico não encontra mais justificativa diante do atual cenário do Estado Democrático de Direito, que restringe o poder punitivo do Estado aos casos de maior gravidade e relevância social”.