Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 19 de outubro de 2018.

Ex-juiz é acusado de abusar de menino



O ex-juiz Mário José Pinto da Rocha, compulsoriamente aposentado, 65 de idade - e que agora exerce a Advocacia - foi preso na noite de domingo (6) em Belo Horizonte (MG), acusado de estuprar um garoto de 11 anos. O menino foi encontrado na casa do ex-magistrado, sob a cama.
 
O menino, que é guardador de carros, confirmou que havia acabado de manter relações sexuais com o suspeito. Ele contou que recebia R$ 15 por relação. Segundo a polícia, o ex-juiz já foi preso duas vezes por atentado violento ao pudor. Ele foi exonerado em 2003 pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais.

A prisão ocorreu após vizinhos denunciarem o suspeito. O próprio acusado, que mantém escritório de Advocacia na capital mineira, permitiu a entrada dos policiais, que encontraram a criança escondida debaixo da cama do ex-juiz.
 
Mário José foi conduzido à Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente, onde foi autuado em flagrante pela delegada Andrea Aparecida Alves Cunha. O homem nega as acusações da criança, que foi encaminhada a exame de lesões.
 
Algumas horas após a prisão, já na manhã de segunda-feira (7), um professor de futebol também foi preso suspeito de abusar de um garoto de 12 anos. A mãe do menino foi quem fez a denúncia e acusou o professor de ter abusado de outras crianças que têm aula na escolinha de futebol.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli

Denunciados três advogados de grupo que planejava morte de juiz, policiais e testemunhas

 

Denunciados três advogados de grupo que planejava morte de juiz, policiais e testemunhas

Magistrado Felipe Keunecke de Oliveira estava na mira para ser morto numa das suas habituais idas à sede náutica do União, ou antes de um grande jogo noturno na Arena do Grêmio. A juíza do regime de exceção da Vara Criminal do Foro Regional do Alto Petrópolis em Porto Alegre – embora sem deferir a prisão dos advogados acusados – proibiu-lhes o exercício da profissão, o que já foi comunicado à OAB-RS. Leia também e-mail enviado, ao Espaço Vital, pela magistrada Betina Meinhardt Ronchetti, titular da vara mencionada.