Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira , 22 de Julho de 2016.

Clínica estética condenada por resultado insatisfatório de lipoescultura



O procedimento de lipoaspiração de abdômen de natureza estética caracteriza obrigação de resultado. Com base nesse entendimento, os integrantes da 10ª Câmara Cível do TJRS mantiveram a condenação da Zafine Medicina Estética a indenizar dano moral à paciente pelos "desastrosos resultados estéticos produzidos", e duplicaram a indenização para R$ 20 mil.

A autora da ação realizou cirurgia plástica abdominal na clínica ré. Após a intervenção, surgiram grandes nódulos na barriga, que permanecem,  apesar dos diversos procedimentos realizados para amenizar o dano estético ocasionado pela negligência e imperícia dos demandados.

Na sentença, a juíza Rosane Wanner da Silva Bordasch, da 2ª Vara Cível do Foro Central de Porto Alegre, determinou que a clínica deve responder pelos danos causados à paciente em razão da cirurgia estética que não atingiu o seu objetivo. A reparação do dano moral foi fixada em R$ 10 mil, a serem corrigidos monetariamente, e danoa materiais restritos às despesas devidamente comprovadas, perfazendo um total aproximado de R$ 9 mil, também corrigidos.

Insatisfeitas, as partes apelaram da sentença. A clínica Zafine Medicina Estética alegou, em preliminares, ilegitimidade passiva e prescrição. No mérito, a inexistência do dano. A autora recorreu adesivamente pedindo, em síntese, a majoração da indenização por danos morais para montante equivalente a dez vezes o valor fixado na sentença.

No tribunal, o relator do acórdão, desembargador Jorge Alberto Schreiner Pestana, afastou tanto a
preliminar de ilegitimidade passiva da clínica demandada, quanto a prescrição.

No mérito, o entendimento do relator foi o de que "inegavelmente os resultados estéticos da lipoescultura realizada na autora foram desastrosos". Segundo reiterada jurisprudência, "em se tratando de procedimento puramente estético, como na hipótese, objetivando apenas o embelezamento, o contrato médico-paciente é de resultado, não de meio".

O advogado Celso Armando Borges Furtado atua em nome da autora da ação. (Proc.  nº 70039109657 - com informações do TJRS e da redação do Espaço Vital).

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Nudez tarifada

R$ 80 mil para a atriz global Nathalia Dill, pelo dano moral por ter aparecido desnuda, sem autorizar, em página dupla da revista Playboy.

Charge de Gerson Kauer

Aventura jurídica e o fim dos tempos!

 

Aventura jurídica e o fim dos tempos!

Juiz se diz indignado com a natureza da ação de um consumidor gaúcho que buscou reparação por dano moral – causado por “situação humilhante e vexatória” - porque um sachet de maionese continha apenas 260 gramas do produto, e não os 500 gramas anunciados no rótulo.

Arte de Camila Adamoli

Indenização de R$ 267.590 para o presidente do TJRS

 

Indenização de R$ 267.590 para o presidente do TJRS

Condenação solidária alcança o jornal Zero Hora e a jornalista Rosane de Oliveira. Controvérsia judicial envolve matérias publicadas em 2013, quatro dias após a tragédia da boate Kiss, insinuando uma anterior omissão do desembargador Luis Felipe Silveira Difini. Tal teria -  segundo a publicação - ocorrido na abertura de uma outra boate em Porto Alegre, nove anos antes.