Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 23 de Maio de 2017

Pênis artificial em baixa...



A Câmara Especial Regional de Chapecó/SC confirmou sentença que negou indenização a um homem que ficou insatisfeito com os  resultados de implante peniano. Uma infecção decorrente da rejeição à colocação da prótese levou à retirada do órgão artificial.
 
O pedido foi julgado improcedente porque "não houve dano material ou moral".

A petição inicial alegava que "houve negligência, imprudência e imperícia do médico e do centro hospitalar". O laudo pericial, no entanto, concluiu que "a infecção decorreu de um processo microbiológico já previsto na literatura médica, o qual pode acontecer em até 3% dos casos de implante de prótese peniana".
 
O juiz admitiu que "assim, mesmo com todas as precauções, ainda existe o risco de quem se submete ao implante".

Apesar de os desembargadores catarinenses compreenderem "a importância da realização da cirurgia para a melhoria da qualidade de vida do autor" e reconhecerem a obrigação de resultado, e não de meio, estabelecida nesse procedimento médico, concluiram que o resultado final é subjetivo.
 
De acordo com o desembargador substituto Eduardo Mattos Gallo Júnior, relator da ação, "Baseado na perícia realizada, a entidade hospitalar tomou todas as recomendações constantes na Portaria n. 2.626/98, expedida pelo Ministério da Saúde, de modo que não se pode lhe imputar qualquer culpa, não podendo considerar-se defeituoso o serviço prestado ao apelante, quando deste ocorre dano em virtude dos riscos que dele razoavelmente se espera".
 
Pela conclusão dos magistrados, mesmo que o réu tivesse aplicado todas as técnicas disponíveis, ele não teria como garantir 100% de satisfação ao paciente. (Proc. em segredo de justiça)

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Moeda antiga no interior de mariola saboreada por advogado porto-alegrense

Condenação da fabricante DaColônia Alimentos Naturais e da Cia. Zaffari Comércio e Indústria.  Configuração do dano moral sem que se exija a ingestão completa do alimento com o corpo estranho. “A potencial exposição do consumidor a risco já basta para a configuração da lesão extrapatrimonial” – diz o julgado.

TJRS põe fim a tarifas abusivas cobradas pela Sky

Procedência de ação civil pública ajuizada por entidade de defesa dos consumidores obtém o fim da cobrança de penduricalhos de “licenciamento de software e segurança, locação de equipamento de sistema opcional e sistema de gravação”. Segundo a Adecon trata-se de uma burla para substituir a “taxa por ponto extra”, que foi proibida pela Anatel.

Proibida a cobrança de bagagens em voos

Liminar da Justiça Federal de São Paulo, em ação civil pública do Ministério Público Federal com efeitos nacionais, derruba norma da ANAC que entraria em vigor nesta terça-feira (14). Agência reguladora foi criada em 2005, no primeiro governo Lula, prometendo “descentralização administrativa e menor influência política direta”.