Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 03 de Julho de 2015

Pênis artificial em baixa...


A Câmara Especial Regional de Chapecó/SC confirmou sentença que negou indenização a um homem que ficou insatisfeito com os  resultados de implante peniano. Uma infecção decorrente da rejeição à colocação da prótese levou à retirada do órgão artificial.
 
O pedido foi julgado improcedente porque "não houve dano material ou moral".

A petição inicial alegava que "houve negligência, imprudência e imperícia do médico e do centro hospitalar". O laudo pericial, no entanto, concluiu que "a infecção decorreu de um processo microbiológico já previsto na literatura médica, o qual pode acontecer em até 3% dos casos de implante de prótese peniana".
 
O juiz admitiu que "assim, mesmo com todas as precauções, ainda existe o risco de quem se submete ao implante".

Apesar de os desembargadores catarinenses compreenderem "a importância da realização da cirurgia para a melhoria da qualidade de vida do autor" e reconhecerem a obrigação de resultado, e não de meio, estabelecida nesse procedimento médico, concluiram que o resultado final é subjetivo.
 
De acordo com o desembargador substituto Eduardo Mattos Gallo Júnior, relator da ação, "Baseado na perícia realizada, a entidade hospitalar tomou todas as recomendações constantes na Portaria n. 2.626/98, expedida pelo Ministério da Saúde, de modo que não se pode lhe imputar qualquer culpa, não podendo considerar-se defeituoso o serviço prestado ao apelante, quando deste ocorre dano em virtude dos riscos que dele razoavelmente se espera".
 
Pela conclusão dos magistrados, mesmo que o réu tivesse aplicado todas as técnicas disponíveis, ele não teria como garantir 100% de satisfação ao paciente. (Proc. em segredo de justiça)

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Juiz extingue 55 mil processos eletrônicos sobre ´credit scoring´

O magistrado considerou a dificuldade de apreciação de todos os pedidos na forma convencional, em razão do travamento do sistema por sobrecarga na "fila virtual", falta de pessoal, e retardo no normal andamento dos mais de 2,5 mil processos que tramitam no 2º JEC Cível de Florianópolis.

Correção monetária garantida para poupadores

Em recurso repetitivo, STJ define os critérios para os cálculos de todas as ações sobre expurgos inflacionários de planos econômicos editados de 1986 a 1994.

Menor de idade tem direito a cobertura de cirurgia bariátrica

Decisão do TJRS determina que a Unimed custeie a intervenção médico-hospitalar. Paciente com 16 anos de idade está acometida por grave quadro de obesidade e síndrome metabólica, causando intensas dores relacionadas ao excesso de peso.

Perdas da poupança devem incluir expurgos posteriores ao Plano Verão

Decisão do STJ, em recurso repetitivo oriundo do RS,  define que havendo um montante fixo já definido na sentença – dependente apenas de mero cálculo aritmético –, a inclusão, na fase de execução individual, de correção monetária não contemplada na sentença não hostiliza a coisa julgada.