Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 13 Outubro de 2017

Lei trabalhista tira atriz de novela da Globo



Imagem da Matéria

Um dos primeiros nomes confirmados no remake da novela Guerra dos Sexos, a paranaense Grazi Massafera foi cortada da produção na semana passada. Tudo por causa de uma lei trabalhista que protege as novas mães. As informações são do jornal Folha de Londrina (PR).

Segundo a publicação, o departamento jurídico da Globo informou o artístico de que a atriz só poderia voltar ao trabalho quatro meses após ter dado à luz.

Como o parto do seu filho com Cauã Reymond está previsto para o dia 15 de maio, Grazi só estaria liberada a partir de 15 de setembro.
 
Como a sua personagem, Vânia Trabucco, é uma das principais e conta com diversas cenas, o atraso não poderia ser contornado. Outra intérprete será contratada pela emissora. Guerra dos Sexos deve estrear no dia 1º de outubro.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Estado de atenção alterado

TRT afasta a justa causa aplicada por empresa gaúcha a motorista que se negou a dirigir caminhão por estar utilizando medicamentos controlados. Acórdão reconhece o perigo de conduzir veículos e operar máquinas, enquanto realiza o tratamento.

Bradesco é condenado por acidente que causou amputação de braços de um técnico

Reparação será de R$ 500 mil. Condenação subsidiária do banco juntamente com duas empresas que realizavam reforma nas instalações de ar condicionado.


• O banco questionou também as indenizações por dano moral e estético e por dano material - fixada sobre o valor da remuneração do trabalhador (R$ 622,50) multiplicada pela quantidade de meses restantes até que complete 72 anos e sete meses, com pagamento de uma só vez.

• Segundo o ministro Belmonte, o TRT cearense levou em consideração todas as peculiaridades do caso, tais como o grau de redução da capacidade laboral (incapacidade para o exercício de todas as atividades que demandem o uso dos braços), o valor do salário, a gravidade do dano, o grau de culpa e a capacidade financeira das empresas. Por isso, “não há que se falar em violação dos artigos 5º, incisos V e X, da Constituição da República  e 944 do Código Civil”

• Para o relator, as indenizações de R$ 250 mil por dano estético e R$ 250 mil por danos morais se “encontram dentro dos critérios de proporcionalidade e razoabilidade”. (RR nº 19900-07.2009.5.07.0010 – com informações do TST e da redação do Espaço Vital).