Ir para o conteúdo principal

Quarta-feira , 03 de Fevereiro de 2016

TJ-SP deu R$ 7 milhões de verba extra a 41 magistrados



Quarenta e um juízes e desembargadores paulistas receberam quantias superiores a R$ 100 mil a título de pagamentos antecipados do Tribunal de Justiça de São Paulo, entre 2006 e 2010. Foram depositados R$ 7,13 milhões na conta dos magistrados por férias e licenças-prêmio não tiradas a seu tempo, com incidência de Fator de Atualização Monetária. A forma como os desembolsos ocorreram está sob inspeção da presidência e do Órgão Especial da corte.
Alguns receberam muito além do patamar de R$ 100 mil, como indica a Diretoria da Folha de Pagamento da Magistratura. O documento reúne cópias das planilhas com todos os "pagamentos excepcionais" concedidos ao grupo dos 41.

Sob variadas alegações - "saúde familiar, problemas financeiros, necessidade premente, implante malsucedido", entre outras versões e justificativas -, os magistrados pleitearam satisfação antecipada de créditos a que teriam direito. As informações são da edição de hoje (27) do jornal O Estado de S. Paulo, em matéria assinada pelo jornalista Fausto Macedo.

Os pagamentos foram autorizados em sua maior parte na gestão dos presidentes Vallim Bellocchi (2008/2009) e Vianna Santos (2010); este morreu no exercício do mandato, em janeiro de 2011. Os dois são os que receberam maior quantia, em suas próprias administrações. Bellocchi levou R$ 1,44 milhão e Vianna Santos, R$ 1,26 milhão.

A presidência do TJ conduz apuração específica sobre os recursos liberados a este grupo. A investigação busca identificar os motivos e as circunstâncias que levaram a liberação dos créditos - muitas outras solicitações apresentadas por juízes não foram acatadas, sob argumento de "limitações orçamentárias".

O desembargador Ivan Sartori, atual presidente do TJ-SP, destaca que são devidas as verbas liberadas a seus colegas, "porque têm natureza trabalhista e alimentar". O número um da lista é o desembargador Alexandre Augusto Pinto Moreira Marcondes que, segundo a DFM, recebeu R$ 436.413,15, a maior parte em 2009 (R$ 123.517,65) e 2010 (R$ 140 mil). A justificativa foi "saúde do filho e do mesmo".

Também alegaram problemas de saúde Alfredo Fanucchi Neto (R$ 289.402,20), Antonio Carlos Mathias Couto (R$159.240,79) e Arthur Alegretti Joly (R$ 257.760,00).

O desembargador Celso Luiz Limongi, que presidiu o TJ-SP entre 2006 e 2007, recebeu R$ 220 mil, em 2010, em uma parcela de R$ 100 mil, uma de R$ 50 mil e duas de R$ 35 mil. Sua alegação: "Problema no apartamento com rachaduras por causa das chuvas".

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Cartunista Jota.A

Um ano, três meses e três dias de auxílio-moradia!

 

Um ano, três meses e três dias de auxílio-moradia!

A “rádio-corredor” da OAB-RJ criou, este ano, pertinente potim sobre um dos mais repugnantes penduricalhos que abençoam magistrados, membros do Ministério Público, conselheiros dos tribunais de contas e outros apaniguados. Segundo a entidade “o auxílio-moradia para quem já tem casa é o mesmo que pagá-lo para a tartaruga”. Rememore as principais charges que criticaram a aberração.

Duas mulheres farão parte da nova administração do TJRS

Essa dupla presença feminina é inédita no alto comando, em toda a história da corte estadual gaúcha. Para a presidência foi eleito o favorito: desembargador Luiz Felipe Silveira Difini. Ele venceu por 95 x 39 votos.

Tendência punitivista da magistratura brasileira

Pesquisa realizada pela AMB revelou também que a instituição em que os juízes mais confiam é a Polícia Federal. A OAB está na 10ª posição, numa relação de 14. Os úitimos são o Congresso Nacional e o Governo Federal.

Arte de Camila Adamoli

Uma servidora substitui magistrado no comando da audiência!

 

Uma servidora substitui magistrado no comando da audiência!

Irregularidade foi suscitada pela Defensoria Pública do RS, que juntou as gravações de áudio do ato. O TJ gaúcho cassou a sentença proferida por juiz que se ausentou durante a coleta da prova testemunhal. Corregedoria-Geral da Justiça já está ciente. Com a nulidade, o réu – acusado de homicídio – teve que ser posto em liberdade.