Ir para o conteúdo principal

Quarta-feira , 03 de Fevereiro de 2016

TRF-4 julgará constitucionalidade de multa de 50% aplicada pela Receita Federal



O TRF da 4ª Região poderá ser o primeiro tribunal do país a decidir se é constitucional a cobrança pela Receita Federal de multa dos contribuintes que tiveram negados os pedidos de compensação de créditos tributários. A Corte Especial do TRF avaliará se a penalidade criada em 2010 pela Lei nº 12.249 pode ser aplicada. Apesar de o tema ter consequências para quase todas as empresas, são poucos os casos que já chegaram ao Judiciário. A maior parte está ainda na esfera administrativa.

A norma é questionada no TRF-4 por uma agroindústria cujo pedido preventivo para evitar multas foi negado pela Justiça Federal de Santa Catarina. A advogada do caso, Priscila Dalcomuni, afirma que sua cliente "não chegou a ser multada, mas entrou com uma ação para evitar penalidades futuras". Como o pedido foi negado, a empresa recorreu para o tribunal, que suscitou o que processualmente se chama de "incidente de arguição de inconstitucionalidade".

A lei contestada autorizou a Receita Federal a aplicar uma multa de 50% sobre o valor do crédito que o contribuinte tenha pedido para compensar, negado pelo órgão. Os créditos fiscais podem ser usados pelas companhias para pagar a maior parte dos tributos administrados pela Receita. As informações são do jornal Valor Econômico em sua edição de hoje (24), em matéria assinada por  Zínia Baeta.

No recurso que será julgado pelo TRF-4, a advogada Priscila Dalcomuni defende que a imposição da multa viola o direito de petição, os princípios do contraditório e da ampla defesa e que a mesma teria caráter confiscatório, pois o percentual corresponde a 50% do pedido.
 
Outro argumento é o de que o STF veda a aplicação de medidas cujo intuito seja o de sanção política. A mesma tese foi defendida em outros mandados de segurança propostos para clientes no RS.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Celibato obrigatório na caserna

Sexo em área militar é crime, mas a lei não pode falar em pederastia. O STF manteve a validade do artigo 235 do Código Penal Militar, que prevê pena de seis meses a um ano de prisão para a prática.

A bomba jurídica que poderia cair no colo de Sartori está parada...

Está nas mãos do procurador-geral da Assembléia Legislativa do RS, Fernando Guimarães Ferreira, a petição inicial da ação por crime de responsabilidade que teria sido cometida pelo governador do Estado. Advogada pede que a população acompanhe a tramitação (que começou lenta...)

Arte EV sobre foto Camera Press

Uma bomba jurídica no colo de Sartori

 

Uma bomba jurídica no colo de Sartori

Advogada gaúcha ingressa com denúncia por crime de responsabilidade.  Legislação aplicável prevê que o governador do RS poderá perder o cargo, com inabilitação até cinco anos, para o exercício de qualquer função pública, sem prejuízo da ação da justiça comum.