Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 25 Julho de 2017

TRF-4 julgará constitucionalidade de multa de 50% aplicada pela Receita Federal



O TRF da 4ª Região poderá ser o primeiro tribunal do país a decidir se é constitucional a cobrança pela Receita Federal de multa dos contribuintes que tiveram negados os pedidos de compensação de créditos tributários. A Corte Especial do TRF avaliará se a penalidade criada em 2010 pela Lei nº 12.249 pode ser aplicada. Apesar de o tema ter consequências para quase todas as empresas, são poucos os casos que já chegaram ao Judiciário. A maior parte está ainda na esfera administrativa.

A norma é questionada no TRF-4 por uma agroindústria cujo pedido preventivo para evitar multas foi negado pela Justiça Federal de Santa Catarina. A advogada do caso, Priscila Dalcomuni, afirma que sua cliente "não chegou a ser multada, mas entrou com uma ação para evitar penalidades futuras". Como o pedido foi negado, a empresa recorreu para o tribunal, que suscitou o que processualmente se chama de "incidente de arguição de inconstitucionalidade".

A lei contestada autorizou a Receita Federal a aplicar uma multa de 50% sobre o valor do crédito que o contribuinte tenha pedido para compensar, negado pelo órgão. Os créditos fiscais podem ser usados pelas companhias para pagar a maior parte dos tributos administrados pela Receita. As informações são do jornal Valor Econômico em sua edição de hoje (24), em matéria assinada por  Zínia Baeta.

No recurso que será julgado pelo TRF-4, a advogada Priscila Dalcomuni defende que a imposição da multa viola o direito de petição, os princípios do contraditório e da ampla defesa e que a mesma teria caráter confiscatório, pois o percentual corresponde a 50% do pedido.
 
Outro argumento é o de que o STF veda a aplicação de medidas cujo intuito seja o de sanção política. A mesma tese foi defendida em outros mandados de segurança propostos para clientes no RS.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Vaquejada constitucional!...

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou, em segundo turno, a chamada PEC da Vaquejada, que acaba com os entraves jurídicos para a realização dessa atividade no Brasil.

Constitucionalidade, ou não, de honorários sucumbenciais a advogados públicos

A Corte Especial do TRF-4 decidirá se é constitucional o artigo 85, parágrafo 19º, do CPC. Segundo o julgado na ação que gerou a arguição de inconstitucionalidade, "o preceito legal contém vício formal, tendo em vista que só o chefe do Executivo de cada esfera de governo pode disciplinar a remuneração de seus agentes".

O Código Civil de 2002 chegou atrasado

A avaliação é do ministro Luis Roberto Barroso, do STF, em dois votos que estabeleceram o fim das diferenças entre cônjuge e companheiro, para fins sucessórios. Dos dois casos em ações com repercussão geral reconhecida, um é de Porto Alegre. Leia o inteiro teor do artigo do CCB declarado inconstitucional.

STF libera a remuneração acima do teto

Segundo a tese com repercussão geral aprovada por 10 x 1 votos, “nos casos autorizados, constitucionalmente, de acumulação de cargos, empregos e funções, a incidência do artigo 37, inciso XI, da Constituição Federal, pressupõe consideração de cada um dos vínculos formalizados, afastada a observância do teto remuneratório quanto ao somatório dos ganhos do agente público”.