Ir para o conteúdo principal

Edição antecipada 21-22 de junho de 2018.

TRF-4 julgará constitucionalidade de multa de 50% aplicada pela Receita Federal



O TRF da 4ª Região poderá ser o primeiro tribunal do país a decidir se é constitucional a cobrança pela Receita Federal de multa dos contribuintes que tiveram negados os pedidos de compensação de créditos tributários. A Corte Especial do TRF avaliará se a penalidade criada em 2010 pela Lei nº 12.249 pode ser aplicada. Apesar de o tema ter consequências para quase todas as empresas, são poucos os casos que já chegaram ao Judiciário. A maior parte está ainda na esfera administrativa.

A norma é questionada no TRF-4 por uma agroindústria cujo pedido preventivo para evitar multas foi negado pela Justiça Federal de Santa Catarina. A advogada do caso, Priscila Dalcomuni, afirma que sua cliente "não chegou a ser multada, mas entrou com uma ação para evitar penalidades futuras". Como o pedido foi negado, a empresa recorreu para o tribunal, que suscitou o que processualmente se chama de "incidente de arguição de inconstitucionalidade".

A lei contestada autorizou a Receita Federal a aplicar uma multa de 50% sobre o valor do crédito que o contribuinte tenha pedido para compensar, negado pelo órgão. Os créditos fiscais podem ser usados pelas companhias para pagar a maior parte dos tributos administrados pela Receita. As informações são do jornal Valor Econômico em sua edição de hoje (24), em matéria assinada por  Zínia Baeta.

No recurso que será julgado pelo TRF-4, a advogada Priscila Dalcomuni defende que a imposição da multa viola o direito de petição, os princípios do contraditório e da ampla defesa e que a mesma teria caráter confiscatório, pois o percentual corresponde a 50% do pedido.
 
Outro argumento é o de que o STF veda a aplicação de medidas cujo intuito seja o de sanção política. A mesma tese foi defendida em outros mandados de segurança propostos para clientes no RS.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

STF proíbe a condução coercitiva de réus e investigados

Instrumento utilizado em investigações já havia sido suspenso por decisão liminar de Gilmar Mendes. O resultado de ontem (14) foi aquele parelho frequente no Plenário: 6 x 5. Rosa Weber foi a “fiel” da balança. Instrumento utilizado em investigações já havia sido suspenso por decisão liminar de Gilmar Mendes. O resultado de ontem (14) foi aquele parelho frequente no Plenário: 6 x 5. Rosa Weber foi a “fiel” da balança.

STF cassa censura a publicações jornalísticas

Duas decisões do ministro Luís Roberto Barroso, em reclamações, liberam publicações jornalísticas envolvendo dois governadores. Flexibilidade do conceito de segredo de justiça, quando houver interesse público, inclusive como fator inibidor de transgressões futuras.

Com maioria para o fim do foro privilegiado, STF retoma hoje o julgamento

Cronologia da demora: o julgamento começou em maio de 2017, com o voto do ministro Luís Roberto Barroso, que manteve no Supremo somente processos por crimes ocorridos durante o mandato e relacionados ao cargo. Prosseguiu em novembro, com o voto de Alexandre de Moraes, que deixa no STF apenas os casos ocorridos durante o mandato, ainda que não relacionados ao cargo. Quando estava 8 x 0, então Toffoli pediu vista...