Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira, 20 de fevereiro de 2018.

Uma fotografia: mil palavras - Artigo de Ivar Hartmann



Artigos

O Dia.Ig.com.br

Imagem da Matéria

Junto com Lula estavam o deputado Sarney Filho (primeiro à direita), seguido dos senadores Renan Calheiros e Gim Argello. À esquerda, o líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (cortado) e o médico Raul Cutait.


Por Ivar Hartmann,
promotor de justiça (RS) aposentado.


Alguém criou a expressão: uma fotografia vale por mil palavras.

Que o diga Ita Kirsch, festejado fotógrafo brasileiro, que ao longo dos anos vem percorrendo o Brasil, fotografando seu povo e suas paragens, em uma missão que agora parece corriqueira, mas que daqui a 50 anos será indispensável à consulta, a quem quiser conhecer o Brasil do fim do Século XX, início do XXI.

A foto referida no título é recente e emblemática. De uma força de expressão que só a casualidade permite. A maioria dos leitores deve ter visto, mas gostaria de analisá-la.

Vejam: em um quarto de hospital de São Paulo, foram fotografados o senador Renan Calheiros - aquele que paga a amante com nosso imposto; o senador acamado José Sarney - aquele que um livro seria pouco para enumerar o que cometeu junto com seus familiares; e o ex-presidente Lula: aquele que escapou do escândalo do mensalão, graças ao patrocínio dos outros dois e à mediocridade da oposição.

É uma fotografia de causar inveja aos luminares desta arte. Porque conseguiu reunir em um mesmo ambiente três das figuras mais maquiavélicas do país, em torno dos quais gravitam todos os escândalos desta geração. Por ação. Por omissão. Foram os grandes artífices de uma nação em que tudo é permitido, em que ninguém é condenado, em que o Congresso Nacional e os Ministérios tornaram-se mercado ao varejo de vilanias.

Na cama Sarney. De cada lado, cada um de seus camaradas: Lula e Renan. A cama, centro da foto é o próprio retrato de um país enfermo, cansado, vilipendiado, sofrido. O trio que, aos olhos da imprensa ou nas sombras próprias dos lupanares, organizou vários dos maiores esquemas de corrupção do mundo. Profissionais de respeito nesta arte.

Talvez o Brasil possa melhorar. Talvez seja possível com Sarney doente e Lula sem garantia de saúde. Talvez seja possível com a limpeza que Dilma está fazendo entre ministros, secretários e diretores de órgãos públicos federais. Talvez seja possível com a corregedora do Conselho Nacional de Justiça que está perseguindo desembargadores e juízes envolvidos com a riqueza fácil, advindas da venda de sentenças espúrias.

Talvez seja possível com a CPI criada para tirar a limpo a vida de governadores, senadores e deputados da situação e oposição. E das empreiteiras que enriquecem distribuindo dinheiro aos executivos públicos. Talvez.

O leitor acredita?

ivarhartmann@terra.com.br

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Sucumbência inoportuna

“Se a sentença for prolatada após a edição da Lei nº 13.467, é legal a condenação em honorários de sucumbência para o vencido, ainda que a inicial tenha sido distribuída antes da edição da referida lei”. Artigo da juíza do Trabalho Olga Vishnevsky Fortes

Adoção: um direito que não existe

“Se nada for feito - em face das críticas que vêm sendo feitas ao PLS nº 394/2017, sem que qualquer sugestão seja apresentada para aperfeiçoá-lo - continuará tudo igual: cerca de 100 mil crianças invisíveis, literalmente esquecidas em abrigos”. Artigo de Maria Berenice Dias.

Lamúrias infundadas

“Os desagradáveis e já insuportáveis lamentos do Executivo Federal sobre a tal nomeação de uma deputada para ocupar o Ministério do Trabalho”. Artigo do advogado Antonio Silvestri.

Advogado, você precisa mesmo de um escritório físico?

“Se você está em dúvida entre advogar e prestar concurso público - ou mesmo abandonando o barco porque não aguenta mais as despesas - esqueça o aluguel da sala, as contas de luz, etc. Gente com visão de futuro já carrega seus escritórios na mochila, dispensando o espaço físico”. Artigo do advogado Pedro Custódio (OAB-SP nº 350.531).

Bloco da saúde no STF

“Enquanto havia pendências no STF, empresas de planos deitaram e rolaram. (...) Os idosos teriam que arcar com a culpa, expressa em pecúnia, por demandar assistência para seguir envelhecendo”. Artigo de Ligia Bahia, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro.