Ir para o conteúdo principal

Terça-feira , 28 de Junho de 2016.

Uma fotografia: mil palavras - Artigo de Ivar Hartmann



Artigos

O Dia.Ig.com.br

Imagem da Matéria

Junto com Lula estavam o deputado Sarney Filho (primeiro à direita), seguido dos senadores Renan Calheiros e Gim Argello. À esquerda, o líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (cortado) e o médico Raul Cutait.


Por Ivar Hartmann,
promotor de justiça (RS) aposentado.


Alguém criou a expressão: uma fotografia vale por mil palavras.

Que o diga Ita Kirsch, festejado fotógrafo brasileiro, que ao longo dos anos vem percorrendo o Brasil, fotografando seu povo e suas paragens, em uma missão que agora parece corriqueira, mas que daqui a 50 anos será indispensável à consulta, a quem quiser conhecer o Brasil do fim do Século XX, início do XXI.

A foto referida no título é recente e emblemática. De uma força de expressão que só a casualidade permite. A maioria dos leitores deve ter visto, mas gostaria de analisá-la.

Vejam: em um quarto de hospital de São Paulo, foram fotografados o senador Renan Calheiros - aquele que paga a amante com nosso imposto; o senador acamado José Sarney - aquele que um livro seria pouco para enumerar o que cometeu junto com seus familiares; e o ex-presidente Lula: aquele que escapou do escândalo do mensalão, graças ao patrocínio dos outros dois e à mediocridade da oposição.

É uma fotografia de causar inveja aos luminares desta arte. Porque conseguiu reunir em um mesmo ambiente três das figuras mais maquiavélicas do país, em torno dos quais gravitam todos os escândalos desta geração. Por ação. Por omissão. Foram os grandes artífices de uma nação em que tudo é permitido, em que ninguém é condenado, em que o Congresso Nacional e os Ministérios tornaram-se mercado ao varejo de vilanias.

Na cama Sarney. De cada lado, cada um de seus camaradas: Lula e Renan. A cama, centro da foto é o próprio retrato de um país enfermo, cansado, vilipendiado, sofrido. O trio que, aos olhos da imprensa ou nas sombras próprias dos lupanares, organizou vários dos maiores esquemas de corrupção do mundo. Profissionais de respeito nesta arte.

Talvez o Brasil possa melhorar. Talvez seja possível com Sarney doente e Lula sem garantia de saúde. Talvez seja possível com a limpeza que Dilma está fazendo entre ministros, secretários e diretores de órgãos públicos federais. Talvez seja possível com a corregedora do Conselho Nacional de Justiça que está perseguindo desembargadores e juízes envolvidos com a riqueza fácil, advindas da venda de sentenças espúrias.

Talvez seja possível com a CPI criada para tirar a limpo a vida de governadores, senadores e deputados da situação e oposição. E das empreiteiras que enriquecem distribuindo dinheiro aos executivos públicos. Talvez.

O leitor acredita?

ivarhartmann@terra.com.br

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A democratização do Judiciário: o momento para uma discussão racional

Mais de 98% dos juízes brasileiros não são pretos ou indígenas. Em outras palavras, 98% dos magistrados do Brasil possivelmente jamais sofreram uma abordagem policial em razão da cor da sua pele. E 98% dos juízes brasileiros possivelmente jamais sofreram o temor de perder um pedaço coletivo de terra que consideram sagrada”. Artigo de André Augusto Salvador Bezerra, presidente do Conselho Executivo da Associação Juízes para a Democracia

Fila ordinária” da ordem cronológica e “fila dupla” de idosos

O drama dos precatórios continua. “Não havendo recursos suficientes para saldar dívida bilionária, os valores são alcançados aos credores em doses homeopáticas. E os advogados estão sendo prejudicados nos pedidos de preferência”. Artigo do advogado Telmo Schorr.

O celular e o futuro da justiça

“Um jovem advogado de Pernambuco teve, em dois anos, mais de mil casos na justiça. Não tem escritório. Não tem secretária. Não tem biblioteca, mas tem um celular. E basta”. Artigo de Joaquim Falcão, professor da FGV Direito Rio.

Politicamente (in)correto

“Sem negar o repugnante que é o racismo, sua criminalização ingressou no universo jurídico brasileiro com feição bizarra. Quem chamar o negro de macaco pratica um crime inafiançável; quem matá-lo, poderá talvez prestar fiança e responder em liberdade”.