Ir para o conteúdo principal

Terça-feira , 26 de Julho de 2016.

Uma fotografia: mil palavras - Artigo de Ivar Hartmann



Artigos

O Dia.Ig.com.br

Imagem da Matéria

Junto com Lula estavam o deputado Sarney Filho (primeiro à direita), seguido dos senadores Renan Calheiros e Gim Argello. À esquerda, o líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (cortado) e o médico Raul Cutait.


Por Ivar Hartmann,
promotor de justiça (RS) aposentado.


Alguém criou a expressão: uma fotografia vale por mil palavras.

Que o diga Ita Kirsch, festejado fotógrafo brasileiro, que ao longo dos anos vem percorrendo o Brasil, fotografando seu povo e suas paragens, em uma missão que agora parece corriqueira, mas que daqui a 50 anos será indispensável à consulta, a quem quiser conhecer o Brasil do fim do Século XX, início do XXI.

A foto referida no título é recente e emblemática. De uma força de expressão que só a casualidade permite. A maioria dos leitores deve ter visto, mas gostaria de analisá-la.

Vejam: em um quarto de hospital de São Paulo, foram fotografados o senador Renan Calheiros - aquele que paga a amante com nosso imposto; o senador acamado José Sarney - aquele que um livro seria pouco para enumerar o que cometeu junto com seus familiares; e o ex-presidente Lula: aquele que escapou do escândalo do mensalão, graças ao patrocínio dos outros dois e à mediocridade da oposição.

É uma fotografia de causar inveja aos luminares desta arte. Porque conseguiu reunir em um mesmo ambiente três das figuras mais maquiavélicas do país, em torno dos quais gravitam todos os escândalos desta geração. Por ação. Por omissão. Foram os grandes artífices de uma nação em que tudo é permitido, em que ninguém é condenado, em que o Congresso Nacional e os Ministérios tornaram-se mercado ao varejo de vilanias.

Na cama Sarney. De cada lado, cada um de seus camaradas: Lula e Renan. A cama, centro da foto é o próprio retrato de um país enfermo, cansado, vilipendiado, sofrido. O trio que, aos olhos da imprensa ou nas sombras próprias dos lupanares, organizou vários dos maiores esquemas de corrupção do mundo. Profissionais de respeito nesta arte.

Talvez o Brasil possa melhorar. Talvez seja possível com Sarney doente e Lula sem garantia de saúde. Talvez seja possível com a limpeza que Dilma está fazendo entre ministros, secretários e diretores de órgãos públicos federais. Talvez seja possível com a corregedora do Conselho Nacional de Justiça que está perseguindo desembargadores e juízes envolvidos com a riqueza fácil, advindas da venda de sentenças espúrias.

Talvez seja possível com a CPI criada para tirar a limpo a vida de governadores, senadores e deputados da situação e oposição. E das empreiteiras que enriquecem distribuindo dinheiro aos executivos públicos. Talvez.

O leitor acredita?

ivarhartmann@terra.com.br

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Estatística é passo indispensável para o debate jurídico

Não basta aos juízes, especialmente os de tribunais especiais, apenas conhecer o texto legal. Devem estar atentos às consequências práticas de suas decisões. Isso passa pela análise de dados estatísticos relativos à realidade na qual o caso se insere”. Artigo de Adilson Simonis e Marcelo Guedes Nunes.

Querem acabar com a Justiça do Trabalho!...

Nunca esteve tão forte a presença do Banco Mundial, com seus objetivos fundamentais (Instrução Técnica nº 319): ´Os honorários advocatícios devem ser reduzidos, desestimulando o exercício profissional digno, independente e combativo; e, na medida do possível, o advogado deve ser afastado do processo judicial´´”... Artigo da advogada Bernadete Kurtz.

Arte de Camila Adamoli

Dezoito anos em busca de uma indenização

 

Dezoito anos em busca de uma indenização

A dor de uma advogada gaúcha que perdeu seu marido em acidente de trabalho ocorrido em 1978. Os impropérios na contestação do Estado. A indenização pífia. O precatório que não é pago. “Estou, até hoje, engasgada; a minha dor é a de tantos seres humanos injustiçados”.

Charge de Gerson Kauer

Advogado quebra, mas não verga!

 

Advogado quebra, mas não verga!

Antes nós tínhamos juízes que pensavam e agiam como deuses; a gente foi deixando, fazendo piada, aguentando, às vezes brigando... Agora há também gabinetes jurisdicionais que são templos que abrigam deuses (“eles...”), semideuses (assessores) e vice deuses (estagiários). Que saudade do tempo em que só havia deuses!”. Artigo da advogada Bernadete Kurtz (OAB-RS nº 6.937)

O preço de não dialogar e a mediação

Quando você estiver num conflito, e pensar em ajuizar uma ação para que o Poder Judiciário lhe dê uma resposta, pense bem”. Artigo de Eliana Giusto, advogada e mediadora.

O usucapião extrajudicial

Instituído pelo novo Código de Processo Civil, o procedimento ocorre diretamente no Registro de Imóveis da comarca em que estiver jurisdicionado o imóvel usucapiendo, a requerimento do interessado e representado por um advogado”. Artigo de Rodrigo Isolan, tabelião substituto.