Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 18 de Abril de 2017

Morre o ator que se enforcou por acidente



Depois de 17 dias internado em estado gravíssimo na Unidade de Terapia Intensiva da Santa Casa de Itapeva (SP), o ator Tiago Klimeck, de 27 anos, morreu no fim da tarde deste domingo (22). A morte do ator, ocorrida às 17h15, foi anunciada pelo hospital num breve comunicado de apenas duas linhas. Na mensagem, a Santa Casa envia "à família e amigos os nossos sentimentos".

Apesar das lesões cerebrais, um exame realizado quinta-feira (19) apontou que o ator tinha atividade cerebral e até mexeu um braço, o que deu esperanças à família. Um cunhado chegou a dizer que a família acreditava na recuperação de Klimeck, cujo drama começou no último dia 6, Sexta-Feira Santa, na cidade de Itararé (SP).

Ele interpretava Judas Iscariotes durante uma encenação da Paixão de Cristo e saltou de uma cadeira que imitava uma pedra, simulando o enforcamento do personagem.
 
Segundo a Polícia Civil de Itararé, o cordão do colete de segurança estaria frouxo e subiu ao pescoço quando o ator saltou, asfixiando-o. Tiago ficou pendurado e desmaiado durante quatro minutos. Somente após esse tempo é que o restante do elenco e espectadores perceberam que não se tratava de uma simulação e foram socorrê-lo.

Uma equipe do Samu levou Klimeck para a Santa Casa de Itararé, de onde ele foi transferido para a Santa Casa de Itapeva na manhã de Sábado de Aleluia. Desde então, ele ficou internado em estado gravíssimo; em coma profundo, respirava com a ajuda de aparelhos.

Antes do exame de quinta-feira passada, uma tomografia revelou que o ator tinha lesões no cérebro, causadas pela falta de oxigênio no cérebro.

A polícia já ouviu cinco testemunhas, inclusive um comandante do Corpo de Bombeiros, já que a corporação emprestou o equipamento de segurança ao ator. O empréstimo foi confirmado pelo sargento Eduardo Seiji, que não concedeu entrevistas por ordens de seus superiores de Sorocaba, onde o equipamento vai passar por perícia no Instituto de Criminalística.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Quase que o Brasil quebra!

O crescente avanço das organizações criminosas na política brasileira. Enquanto Gilmar Mendes dizia, nos EUA, que “se não tivesse havido a interrupção do processo de corrução, o Brasil seria agora um país apodrecido pelo mar de lama”, o jornal Le Monde comparava, na França, a advogada Adriana Ancelmo, mulher de Sérgio Cabral, a Maria Antonieta, que foi guilhotinada em 1793.

Presidente do TRF-4 mantém proibição da campanha sobre a Reforma da Previdência

Decisão refere que “as veiculações publicitárias contestadas na ação civil pública ajuizada por sindicatos gaúchos focam na necessidade de se realizar a reforma, não adentrando especificamente nas profundas mudanças sugeridas aos direitos e deveres dos segurados dos diversos regimes previdenciários existentes”.