Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 01 de Setembro de 2015

Morre o ator que se enforcou por acidente


Depois de 17 dias internado em estado gravíssimo na Unidade de Terapia Intensiva da Santa Casa de Itapeva (SP), o ator Tiago Klimeck, de 27 anos, morreu no fim da tarde deste domingo (22). A morte do ator, ocorrida às 17h15, foi anunciada pelo hospital num breve comunicado de apenas duas linhas. Na mensagem, a Santa Casa envia "à família e amigos os nossos sentimentos".

Apesar das lesões cerebrais, um exame realizado quinta-feira (19) apontou que o ator tinha atividade cerebral e até mexeu um braço, o que deu esperanças à família. Um cunhado chegou a dizer que a família acreditava na recuperação de Klimeck, cujo drama começou no último dia 6, Sexta-Feira Santa, na cidade de Itararé (SP).

Ele interpretava Judas Iscariotes durante uma encenação da Paixão de Cristo e saltou de uma cadeira que imitava uma pedra, simulando o enforcamento do personagem.
 
Segundo a Polícia Civil de Itararé, o cordão do colete de segurança estaria frouxo e subiu ao pescoço quando o ator saltou, asfixiando-o. Tiago ficou pendurado e desmaiado durante quatro minutos. Somente após esse tempo é que o restante do elenco e espectadores perceberam que não se tratava de uma simulação e foram socorrê-lo.

Uma equipe do Samu levou Klimeck para a Santa Casa de Itararé, de onde ele foi transferido para a Santa Casa de Itapeva na manhã de Sábado de Aleluia. Desde então, ele ficou internado em estado gravíssimo; em coma profundo, respirava com a ajuda de aparelhos.

Antes do exame de quinta-feira passada, uma tomografia revelou que o ator tinha lesões no cérebro, causadas pela falta de oxigênio no cérebro.

A polícia já ouviu cinco testemunhas, inclusive um comandante do Corpo de Bombeiros, já que a corporação emprestou o equipamento de segurança ao ator. O empréstimo foi confirmado pelo sargento Eduardo Seiji, que não concedeu entrevistas por ordens de seus superiores de Sorocaba, onde o equipamento vai passar por perícia no Instituto de Criminalística.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Condenação de escrivã por demora cartorária

Cidadão condenado em ação de despejo ficou com sua conta bancária – em que recebia salários – bloqueada por vários meses, porque cartório não expediu ofício de liberação, que fora determinado pelo juiz. Mas a ação indenizatória contra a demora já dura seis anos e cinco meses.