Ir para o conteúdo principal

Quarta-feira , 03 de Fevereiro de 2016

Agarrado na escada



Romance Forense

O prédio da Justiça do Trabalho possui paredes envidraçadas do chão ao teto e quem nele circula tem uma ampla visão da vida acontecendo lá embaixo, na rua.

Aberta a audiência, o reclamante e sua advogada não comparecem. Por cautela, a juíza pede à secretária que a chamada seja repetida.

Nada.

A magistrada prepara-se, então, para determinar o arquivamento da demanda, afinal o reclamante fora regularmente notificado.

Quando a digitação da ata está sendo feita, a advogada adentra abruptamente e, ofegante, declara, constrangida:

- Peço desculpas a todos, mas a situação é peculiar. O reclamante tem fobia de altura e de elevador, quando chegou aqui no andar da Vara foi para a escadaria interna do prédio, desceu dois andares e de lá não quer sair. Tentei, insisti, mas não adianta.

Ante o inusitado, todos dirigem-se à escadaria, à procura do reclamante. Dois lances abaixo, lá está o homem, agarrado ao corrimão. Juíza, secretária, advogadas e reclamado o cercam.

- Daqui eu não saio, daqui ninguém me tira – diz o trabalhador.

- Mas nós só estamos esperando pelo senhor. Vamos subir juntos, garanto que nada de ruim vai lhe acontecer – a juíza pondera.

A secretária tenta ajudar:

- O prédio é seguro, centenas de pessoas vêm todos os dias aqui...

- Doutora, daqui eu não saio, daqui ninguém me tira – repete o reclamante. Eu desisto de tudo. Só quero ir embora pra casa, me ajudem! – completa, trêmulo.

- Proponho que voltemos para a sala e que, encerrada a audiência, a assinatura do reclamante seja colhida aqui. Há algo a opor?  - propõe a magistrada, no saguão do andar subitamente transformado em local de proposições de solidariedade.

Com a concordância de todos, a juíza, ao ditar o texto para a ata, faz constar o incidente detalhadamente: “Pálido e trêmulo, o reclamante não largava o corrimão da escada, e nenhuma palavra de confiança, de tantas que lhe foram ditas, o convenceram a sair dali”.

Ato contínuo, quando da designação da nova data, a magistrada determina que o incidente seja comunicado à direção do foro a fim de que a audiência seja realizada em outra sala, que não seja nas alturas.

Assim acontece, cerca de um mês depois. Na audiência, as partes fazem acordo.

Numa sala do andar térreo.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O juiz que não gostava de processos

 

O juiz que não gostava de processos

Depois de tanto ´empurrar para adiante´ a solução do litígio judicial, o magistrado leu surpreso o que não esperava que um dos advogados escrevesse em letras vermelhas: “As partes já cansaram de dizer; por isso, diga agora o juiz quando vai prolatar a sentença".

Morto e soterrado sob a frialdade da terra

 

Morto e soterrado sob a frialdade da terra

Até o juiz que julgou extinto o executivo fiscal se emocionou, no final, com a petição que alfinetava o credor. Magistrado escreveu que “Deus tenha acolhido a alma do suposto devedor e que o credor conforme-se com o insucesso executivo”.

Uma esmola de 300 reais

 

Uma esmola de 300 reais

O desfecho inusitado de uma audiência na Justiça do Trabalho. O aquinhoado reclamado aceita a solução conciliatória sugerida pelo magistrado, tira o dinheiro do bolso e ofende: “Dou trezentos pilas para esse morto de fome”...

O inimigo secreto

 

O inimigo secreto

Como a festa de troca de presentes no Natal de 2014, entre 20 integrantes de uma grande banca advocatícia gaúcha, se transformou num caso judicial. Resultado: a condenação de um advogado a indenizar uma estagiária de meia idade, inapropriadamente chamada de “anta feia como o diabo”.

Juiz ladrão

 

Juiz ladrão

Era uma tarde quente, na cidade interiorana. No fórum local transcorria, de forma solene, uma audiência presidida por juiz recém chegado à comarca.  Como o ar condicionado da sala estivesse pifado, as janelas estavam abertas. Ao fundo, escutava-se distante - aproximando-se - o som de um piston, alguns tambores e os gritos de “não tem conversa não; o juiz é um ladrão”.