Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 28 de Agosto de 2015

Agarrado na escada


Romance Forense

O prédio da Justiça do Trabalho possui paredes envidraçadas do chão ao teto e quem nele circula tem uma ampla visão da vida acontecendo lá embaixo, na rua.

Aberta a audiência, o reclamante e sua advogada não comparecem. Por cautela, a juíza pede à secretária que a chamada seja repetida.

Nada.

A magistrada prepara-se, então, para determinar o arquivamento da demanda, afinal o reclamante fora regularmente notificado.

Quando a digitação da ata está sendo feita, a advogada adentra abruptamente e, ofegante, declara, constrangida:

- Peço desculpas a todos, mas a situação é peculiar. O reclamante tem fobia de altura e de elevador, quando chegou aqui no andar da Vara foi para a escadaria interna do prédio, desceu dois andares e de lá não quer sair. Tentei, insisti, mas não adianta.

Ante o inusitado, todos dirigem-se à escadaria, à procura do reclamante. Dois lances abaixo, lá está o homem, agarrado ao corrimão. Juíza, secretária, advogadas e reclamado o cercam.

- Daqui eu não saio, daqui ninguém me tira – diz o trabalhador.

- Mas nós só estamos esperando pelo senhor. Vamos subir juntos, garanto que nada de ruim vai lhe acontecer – a juíza pondera.

A secretária tenta ajudar:

- O prédio é seguro, centenas de pessoas vêm todos os dias aqui...

- Doutora, daqui eu não saio, daqui ninguém me tira – repete o reclamante. Eu desisto de tudo. Só quero ir embora pra casa, me ajudem! – completa, trêmulo.

- Proponho que voltemos para a sala e que, encerrada a audiência, a assinatura do reclamante seja colhida aqui. Há algo a opor?  - propõe a magistrada, no saguão do andar subitamente transformado em local de proposições de solidariedade.

Com a concordância de todos, a juíza, ao ditar o texto para a ata, faz constar o incidente detalhadamente: “Pálido e trêmulo, o reclamante não largava o corrimão da escada, e nenhuma palavra de confiança, de tantas que lhe foram ditas, o convenceram a sair dali”.

Ato contínuo, quando da designação da nova data, a magistrada determina que o incidente seja comunicado à direção do foro a fim de que a audiência seja realizada em outra sala, que não seja nas alturas.

Assim acontece, cerca de um mês depois. Na audiência, as partes fazem acordo.

Numa sala do andar térreo.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Os cupins da desordem

 

Os cupins da desordem

Uma história autêntica de como os insetos – que, há nove anos, eram símbolo da degradação da sede da OAB-RS – tenham se transformado no talismã do atual vice-presidente nacional da entidade.

Charge de Gerson Kauer

Teste doméstico de audiometria

 

Teste doméstico de audiometria

O desembargador imagina que sua esposa esteja com dificuldades de audição e, preocupado, liga para o médico especialista. Este sugere que, desde logo, o magistrado vá aplicando um teste bem simples, para ser comentado por ocasião da futura consulta.

Charge de Gerson Kauer

O tatu de estimação

 

O tatu de estimação

O advogado viaja pela BR, vê um tatu atordoado na beira, para  o carro, utiliza um apetrecho que usava para pescas e pega o bicho. Coloca-o no porta-malas e segue viagem.  Alguns quilômetros adiante, um policial rodoviário manda parar o veículo... Crime ambiental?

Charge de Gerson Kauer

Semelhanças entre um juiz e um chapista de carnes

 

Semelhanças entre um juiz e um chapista de carnes

Confesso que já recebi de inúmeros juízes de direito, em diversas oportunidades, um pedaço de ´polenta´, ao invés do ´frango grelhado´ que solicitei. O excesso de processos, de filas e de causos é sempre alegado para justificar o injustificável atendimento”. Texto do advogado Maurício Brum Esteves.

Charge de Gerson Kauer

O apreciador dos ´cofrinhos´ femininos

 

O apreciador dos ´cofrinhos´ femininos

Numa das lojas da grande rede, o gerente assediava as funcionárias. Dizia-lhes que elas tinham “o símbolo do prazer, que também podia garantir algum dinheiro extra”. E definia os ´cofrinhos´ como “misteriosos, obscuros, mas produtivos”. Só para indenizar uma das lesadas, a empresa vai pagar R$ 36 mil.