Ir para o conteúdo principal

Terça-feira , 30 de Agosto de 2016.

Assédio moral continuado, aposentadoria garantida



Diário de Pernambuco

Imagem da Matéria


De gritos a intimidação com arma de fogo, passando pelo uso de termos de baixo calão. Era assim que o juiz titular da 7ª Vara Criminal da Capital, Adeildo Lemos de Sá Cruz, estaria tratando seus subordinados. Em cinco anos, pelo menos 60 pediram transferência por não aguentar a pressão. Muitos têm acompanhamento psicológico até hoje.
 
Por esses motivos, a Corte Especial do Tribunal de Justiça de Pernambuco tomou uma decisão inédita no Judiciário do Estado e condenou o magistrado à aposentadoria compulsória por assédio moral. Pela decisão, por 11 votos a três, Adeildo deixará de exercer o cargo de juiz. Mas continuará recebendo salário proporcional ao tempo de serviço prestado - cerca de 20 anos. Essa aberração da perpetuidade dos salários - prevista na Loman - é combatida pela sociedade.

O magistrado foi julgado em processo administrativo disciplinar aberto em maio de 2011, no qual era acusado de intimidar, desrespeitar e menosprezar os funcionários. No ano passado, ele já havia sido afastado por 90 dias. Durante o julgamento, Adeildo foi acusado de se referir às mulheres com termos desrespeitosos, colocar os funcionários de castigo (sem direito a sair de um mesmo local durante o horário de trabalho) por não cumprir suas determinações e utilizar armas de fogo para intimidar os servidores.
 
Segundo depoimento de um funcionário, uma servidora chegou a urinar e desmaiar de pânico por causa de ameaças. Algumas testemunhas, inclusive, alegaram que tiveram que passar por tratamento médico e acompanhamento psicológico depois de trabalhar na 7ª Vara Criminal. As informações são do Diário de Pernambuco.

Apuramos relatos de grosserias, rispidez, desrespeito e afrontas à dignidade. Atitudes que, segundo a Lei Orgânica da Magistratura, não devem ser praticadas por magistrados”, afirmou o relator do processo, desembargador Sílvio de Arruda Leitão.
 
Em 2011, o Conselho de Magistratura do TJ-PE também havia declarado regime especial na 7ª Vara Criminal devido aos “baixos índices de produtividade e indícios de prática de má gestão”.  O conselho fez uma fiscalização em fevereiro de 2011 e detectou que Adeildo não vinha trabalhando assiduamente na tramitação processual. "Ele foi afastado e outros oito juízes assumiram a função para dar celeridade aos processos e colocar o trabalho em dia”, contou o desembargador Sílvio de Arruda Leitão.

Contraponto
 
O advogado do magistrado, Leucio Lemos Filho, disse que aguardará a publicação da sentença no Diário de Justiça Eletrônico para recorrer. Ele tem 10 dias para levar o caso ao Conselho Nacional de Justiça. “Vamos examinar o recurso mais adequado. Sabemos que a decisão foi desproporcional, levando em consideração os precedentes que o tribunal tem de casos semelhantes”, alegou.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arquivada representação contra desembargador do TJRS

Caso levado ao CNJ menciona “possíveis indícios de violação dos deveres funcionais do magistrado”, em uma demorada ação de dissolução de sociedade comercial. Decisão do presidente da corte gaúcha acolhe a resposta do representado e dispõe que “a forma de irresignação quanto às decisões judiciais não pode ser o ataque ao magistrado, mas sim a interposição do recurso pertinente, com as razões jurídicas próprias”.

Oi, Helô! Podemos sair pela Súmula 83”...

Decisão de ministro do STJ é publicada com instruções para assessora. Erro é admitido, publicação é anulada e novo julgado monocrático é proferido. Leia a íntegra.

Chargista Sinovaldo – Jornal NH

Eles sempre querem mais...

 

Eles sempre querem mais...

STJ breca o segundo “auxílio-moradia” para magistrados casados ou conviventes entre si. Individualmente, cada juiz ou desembargador brasileiro já recebeu, em 23 meses, uma generosa ajuda para habitação: R$ 100.687,79. Sem descontos tributários.

Maquiagem em defunto

Desembargador aposentado diz que os 100 milhões de processos que tramitam no Judiciário do Brasil demonstram que “a legislação processual em vigor está em desacordo com a realidade e causa mais danos do que benefícios à ordem pública e social”.