Ir para o conteúdo principal

Terça -feira ,06 de Dezembro de 2016.

Afastado juiz suspeito de ligação com paramilitares



O Órgão Especial do TJ do Rio de Janeiro determinou ontem (26) o afastamento do juiz Rafael de Oliveira Fonseca, titular da vara única de Mangaratiba. Ele é suspeito de ter ligações com grupos de milícia que atuam no município e na cidade vizinha de Itaguaí, em cuja comarca o magistrado era lotado anteriormente.
 
É a primeira vez que um integrante do TJ-RJ é afastado de suas funções por envolvimento com paramilitares.

Fonseca passa a responder a um processo administrativo disciplinar. Além de ser acusado de vender alvarás para milicianos e repassar armas apreendidas com numeração raspada para servidores e policiais, o magistrado também enfrenta outras duas acusações: autorização de escutas clandestinas e a destruição de provas.

A decisão do Órgão Especial foi unânime. "A atuação do juiz Rafael de Oliveira Fonseca leva à irredável conclusão de que o afastamento de sua função se impõe até o final do processo administrativo", afirmou o corregedor do TJ-RJ e relator do caso desembargador Antonio José Azevedo Pinto.

Os magistrados também determinaram o envio de peças do processo disciplinar para o Ministério Público do Estado do Rio, para que sejam apurados eventuais ilícitos criminais.
 
Um novo procedimento será instaurado na Corregedoria do TJ-RJ para investigar a participação do servidor Rinaldo Conti de Almeida nos desvios dos quais Fonseca é acusado.

Apesar da unanimidade, a sessão que decidiu o afastamento do juiz foi tensa e com discussões acaloradas. A desembargadora Nilza Bittar, que chegou a bater boca com o presidente do TJ-RJ Manoel Alberto Rebelo dos Santos, disse que estava chocada com o caso. "A certeza da impunidade do juiz surpreende ainda mais que a certeza da impunidade de um bandido", disse a magistrada.

Na avaliação do desembargador Bernardo Garcez, há indícios claros da prática dos crimes de escuta clandestina, destruição de provas, concussão (corrupção cometida por funcionário público) e peculato.

Contraponto
 
O juiz Fonseca estava presente à sessão, mas nem ele e nem seu advogado Onurb Couto Bruno quiseram se manifestar.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Uma ação judicial para buscar R$ 8,10

 

Uma ação judicial para buscar R$ 8,10

Cidadão de Belém (PA) utilizou a Defensoria Pública para o ingresso com uma ação, em 2013, contra o Detran do Estado do Pará. Queria de volta o que havia pago por um serviço não prestado. O juiz, que assumiu a causa recentemente, tirou o dinheiro do bolso para acabar com a quizila.

Penduricalhos em expansão!

União pagará todo o auxílio pré-escolar de juízes e servidores federais. Decisão do Conselho da Justiça Federal invoca que “o Tribunal de Contas da União já expurgou de seu regulamento a cobrança do custeio dos servidores sobre o benefício, alinhando-se à interpretação ora proposta”.

Charge de Alberto Correia de ALPINO Filho - Base de dados do Espaço Vital

Juízes auxiliares do STF ganham mais que os ministros da corte

 

Juízes auxiliares do STF ganham mais que os ministros da corte

Penduricalhos: os magistrados auxiliares recebem, de seus órgãos de origem, o salário-base, além de outros benefícios, entre os quais o auxílio-moradia (R$ 4,3 mil). Adicionalmente, recebem a diferença entre o salário-base e o subsídio que é pago aos ministros do STJ (R$ 32 mil). E poderão embolsar auxílio para pagar aluguel também em Brasília ou diárias.