Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 28 de Julho de 2015

"Diga o juiz quando vai prolatar a sentença!..."


Romance forense

Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria


O magistrado de sobrenome Filho (*) era um "pai" para advogados, estagiários, servidores etc. quando se tratasse de deixar correr um papo-furado no seu gabinete.

Mas audiências de instrução, ele não gostava de realizar. Marcava uma solenidade prévia de conciliação - e se o acordo não fosse celebrado, determinava que os autos voltassem "conclusos". E assim o processo ia para uma pilha especial, no gabinete, onde repousava semanas e meses.

O magistrado também não gostava de sentenciar. Enfim era - como chegou a definir um ex-presidente da própria associação de classe - "um juiz que não gostava de processos".

Nesse contexto, sempre que no topo da pilha surgisse um processo complicado, o "doutor Filho" lançava um despacho evasivo: "comprovem as partes, reciprocamente, e em prazos sucessivos, a legitimidade ativa e passiva; após voltem". E assim se perdiam dois meses ou mais.

Em outros momentos, o magistrado prolatava tradicionais despachos que o escrivão - atento e espirituoso - já conhecia como corriqueiros e copiara para seu implacável arquivo: "diga o autor sobre o pedido do réu"; "intimem-se as partes para, em 15 dias, em prazos sucessivos, autenticarem as cópias simples que existem nos autos"; "fale o demandado sobre a pretensão do demandante"; "especifiquem autor e réu as provas que pretendem ver produzidas"; "diga o autor sobre o novo documento juntado"; "manifeste-se o advogado do réu"; "intime-se o procurador do autor sobre o documento de fls".

Certo dia, um advogado, o  Dr. Heitor (*) - já cansado de tantos "diga o autor", "diga o réu" - caprichou numa petição em papel bem mais grosso, com letras garrafais, impressas em vermelho: "As partes já cansaram de dizer;  por isso, diga agora o juiz quando vai prolatar a sentença".

O juiz levou um choque - afinal o Dr. Heitor era tão polido que jamais se esperaria que, dele, partisse uma petição que fosse, ao mesmo tempo, singela, objetiva, irônica e ferina.

Para livrar-se do problema, o juiz encaminhou à Corregedoria, então, imediato pedido de férias atrasadas.  Foi designado um magistrado substituto, recém promovido à capital, que recebeu como tarefa, sentenciar 60 ou 70 processos de uma pilha empoeirada, além daquele em que o Dr. Heitor concitava o magistrado titular a que, afinal, dissesse quando prolataria sentença.

O substituto desincumbiu-se com sucesso total.

E na volta das férias, o "Dr. Filho" foi promovido ao tribunal. Por merecimento.

..............................

(*) Os nomes são fictícios.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Semelhanças entre um juiz e um chapista de carnes

 

Semelhanças entre um juiz e um chapista de carnes

Confesso que já recebi de inúmeros juízes de direito, em diversas oportunidades, um pedaço de ´polenta´, ao invés do ´frango grelhado´ que solicitei. O excesso de processos, de filas e de causos é sempre alegado para justificar o injustificável atendimento”. Texto do advogado Maurício Brum Esteves.

Charge de Gerson Kauer

O apreciador dos ´cofrinhos´ femininos

 

O apreciador dos ´cofrinhos´ femininos

Numa das lojas da grande rede, o gerente assediava as funcionárias. Dizia-lhes que elas tinham “o símbolo do prazer, que também podia garantir algum dinheiro extra”. E definia os ´cofrinhos´ como “misteriosos, obscuros, mas produtivos”. Só para indenizar uma das lesadas, a empresa vai pagar R$ 36 mil.

Charge de Gerson Kauer

Um habeas para as macacas

 

Um habeas para as macacas

O pedido original foi feito por duas advogadas: “manter as chimpanzés Lili e Megh reclusas, pois afinal depois de três anos de cativeiro, não se readaptarão com a natureza”. O relator fulminou: “admite-se habeas corpus apenas para humanos”...

Charge de Gerson Kauer

A presença de Adão e Eva num acórdão do STJ

 

A presença de Adão e Eva num acórdão do STJ

Um homem, uma mulher, uma maçã, uma serpente, uma nudez – induziam-nos, no passado, a grande medo e precauções. Mas, “não de doenças sexualmente transmissíveis porque, quanto a isso, azar de quem pegasse uma gonorreia ou tivesse o púbis invadido por aqueles insetos anapluros, da família dos pediculídeos, popularmente conhecidos como ´chatos´”...

Charge de Gerson Kauer

O usucapião da mulher

 

O usucapião da mulher

Em um famoso bar de Porto Alegre, dois advogados e um juiz e um garçom discutem o inusitado: a posse mansa e pacífica de uma mulher. Mas a conclusão a que chegam – depois do palpite do garçom - é que “manso e pacífico” é o corno namorado dela.

Charge de Gerson Kauer

´Strip-tease´ antijurídico...

 

´Strip-tease´ antijurídico...

O novel e tímido juiz, recém nomeado, caiu numa esparrela criada por astutos operadores jurídicos e aceitou comparecer a uma festa de aniversário. Num sítio, “coelhinhas” profissionais protagonizaram um “tira-a-roupa” que acabou causando a defenestração do magistrado. Foi o fim do estágio probatório dele.