Ir para o conteúdo principal

Terça-feira, 23 de Maio de 2017

"Diga o juiz quando vai prolatar a sentença!..."



Romance forense

Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria


O magistrado de sobrenome Filho (*) era um "pai" para advogados, estagiários, servidores etc. quando se tratasse de deixar correr um papo-furado no seu gabinete.

Mas audiências de instrução, ele não gostava de realizar. Marcava uma solenidade prévia de conciliação - e se o acordo não fosse celebrado, determinava que os autos voltassem "conclusos". E assim o processo ia para uma pilha especial, no gabinete, onde repousava semanas e meses.

O magistrado também não gostava de sentenciar. Enfim era - como chegou a definir um ex-presidente da própria associação de classe - "um juiz que não gostava de processos".

Nesse contexto, sempre que no topo da pilha surgisse um processo complicado, o "doutor Filho" lançava um despacho evasivo: "comprovem as partes, reciprocamente, e em prazos sucessivos, a legitimidade ativa e passiva; após voltem". E assim se perdiam dois meses ou mais.

Em outros momentos, o magistrado prolatava tradicionais despachos que o escrivão - atento e espirituoso - já conhecia como corriqueiros e copiara para seu implacável arquivo: "diga o autor sobre o pedido do réu"; "intimem-se as partes para, em 15 dias, em prazos sucessivos, autenticarem as cópias simples que existem nos autos"; "fale o demandado sobre a pretensão do demandante"; "especifiquem autor e réu as provas que pretendem ver produzidas"; "diga o autor sobre o novo documento juntado"; "manifeste-se o advogado do réu"; "intime-se o procurador do autor sobre o documento de fls".

Certo dia, um advogado, o  Dr. Heitor (*) - já cansado de tantos "diga o autor", "diga o réu" - caprichou numa petição em papel bem mais grosso, com letras garrafais, impressas em vermelho: "As partes já cansaram de dizer;  por isso, diga agora o juiz quando vai prolatar a sentença".

O juiz levou um choque - afinal o Dr. Heitor era tão polido que jamais se esperaria que, dele, partisse uma petição que fosse, ao mesmo tempo, singela, objetiva, irônica e ferina.

Para livrar-se do problema, o juiz encaminhou à Corregedoria, então, imediato pedido de férias atrasadas.  Foi designado um magistrado substituto, recém promovido à capital, que recebeu como tarefa, sentenciar 60 ou 70 processos de uma pilha empoeirada, além daquele em que o Dr. Heitor concitava o magistrado titular a que, afinal, dissesse quando prolataria sentença.

O substituto desincumbiu-se com sucesso total.

E na volta das férias, o "Dr. Filho" foi promovido ao tribunal. Por merecimento.

..............................

(*) Os nomes são fictícios.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

A íntima revelação da advogada

 

A íntima revelação da advogada

Sessão de uma câmara cível do TJ, a chamativa advogada faz uma sustentação oral veemente, em favor da alteração do registro civil de sua cliente. Esta fora registrada como mulher, mas tinha nome e sexo masculinos. De repente, o julgamento tem que prosseguir a portas fechadas...

Charge de Gerson Kauer

Serviços cirúrgicos e sexuais

 

Serviços cirúrgicos e sexuais

Após o adultério consumado, a cônjuge adúltera – já então separada judicialmente do marido – admite em declaração com firma reconhecida que “mesmo enquanto casada, tive relacionamento íntimo temporário com o médico, que me atendeu em cirurgia plástica dos seios”.

Charge de Gerson Kauer

O preço da chupeta

 

O preço da chupeta

Uma ação discutindo o preço de uma chupeta anunciada por R$ 10,99 - mas efetivamente vendida por R$ 14,99. Mamãe Michelle, mesmo tendo contratado os serviços da advogada Alice, ficou chupando o dedo...

Charge de Gerson Kauer

Xô neura, xô petições absurdas!

 

Xô neura, xô petições absurdas!

Uma ação indenizatória por dano moral ajuizada por cidadã – de nome Neura – que se sentiu atingida pela campanha publicitária “Neuras da Semana”. Esta mostrava, de forma humorada, dois produtos que exterminam o desânimo, quando a faxina doméstica é uma das tarefas obrigatórias.

Charge de Gerson Kauer

O Excelentíssimo Juiz Justimiano

 

O Excelentíssimo Juiz Justimiano

O magistrado evitava maior contato com os advogados, os quais poderiam falar com ele, fora das audiências, apenas nas quintas-feiras, das 18 às 18h30, mediante prévia inscrição no cartório e manifestação sobre o assunto a ser tratado. Em casa, ele exigia que a esposa o reverenciasse.