Ir para o conteúdo principal

Sexta-feira, 24 de Julho de 2015

Itália prende 16 juízes e outras 31 pessoas por corrupção mafiosa


A Guardia di Finanza (polícia financeira italiana) prendeu ontem (19) um total de 47 pessoas - entre elas 16 magistrados da jurisdição tributária - , outros funcionários públicos e membros do clã Fabbrocino, da Camorra, a máfia napolitana, sob a acusação de associação criminosa.

Segundo um comunicado da polícia financeira, as investigações levaram ao desmantelamento de uma rede criminosa formada por membros do clã camorrista Fabbrocino - que administra as atividades ilegais nas localidades de Nola e na região vesuviana -, empresários especializados em compra e venda de imóveis e servidores públicos que trabalhavam no setor tributário.

Após a operação, que foi realizada entre a região da Campânia (sul) e da Lombardia (norte), 22 pessoas foram presas; 25 estão detidas em prisão domiciliar; e 13 foram impedidas de deixar a província de Nápoles. Além disso, foram confiscados bens em um valor de € 1 bilhão (US$ 1,3 bilhão), entre aplicações em contas bancárias, ações, aplicações financeiras, terrenos, edifícios e veículos.

Além da associação mafiosa, os detidos são acusados de lavagem de dinheiro procedente de atividades ilícitas e corrupção em processos judiciais, entre outros.

Segundo as investigações, a organização havia construído uma rede de faturamentos falsos para a lavagem de dinheiro que depois chegava a bancos da Bélgica, Liechtenstein, Luxemburgo e Suíça.

Quando a polícia financeira descobria as faturas falsas e a evasão fiscal, os empresários entravam com ações judiciais impugnando as multas. Segundo a Guardia di Finanzia, os 16 juízes favoreciam os criminosos.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Professora é presa por ter feito sexo com aluno

 

Professora é presa por ter feito sexo com aluno

Segundo as autoridades, o estudante envolvido no caso tem 17 anos e as relações teriam ocorrido várias vezes ao longo do mês de maio deste ano no interior do estabelecimento de ensino católico.

Reprodução do Youtube

Condenação penal curiosa

 

Condenação penal curiosa

Esta jovem estadunidense, com 23 de idade, não pagou uma corrida de táxi (30 milhas) que custaria US$ 100. Para livrá-la da cadeia, o juiz deu-lhe a opção de – usando uma tornozeleira -  fazer na mesma estrada, em três dias, o percurso a pé. Ela aceitou.